Café: Cooperativas começam a relatar perdas com as geadas de 5a-feira

Publicado em 08/08/2011 12:33 e atualizado em 08/08/2011 19:17 1415 exibições
As geadas da última sexta-feira, dia 05, trouxeram prejuízos para cafeicultores do Sudeste. Em Espírito Santo do Pinhal (SP) a estimativa de perda é de 10% a 15% da safra, segundo a Coopinhal. Já na região de Franca, também no Estado de São Paulo,  A Cocapec rela perdas de apenas 1% da produção, que foi atingida pelo frio. No entanto, de acordo com o coordenador do departamento técnico da Cocapec, Roberto Maegawa, ainda não é possível mensurar danos maiores, pois os chumbinhos também podem ter sido queimados pelo frio.

Ainda em São Paulo, a região de Marília também registrou geada de capote na última sexta-feira. De acordo com o engenheiro agrônomo da Coopemar, Aurélio Giroto, não é possível fazer um balanço dos prejuízos para os cafeicultores da região, pois o botão floral ainda está se preparando para a abertura.

Mas em São Sebastião do Paraíso, no Sul de Minas Gerais, os danos foram maiores em áreas de risco. Segundo a Cooparaíso, as áreas mais afetadas foram os municípios de Passos (com 5% das lavouras prejudicadas), São Tomás de Aquino (apenas pastagens), Jacuí (3%), Itamogi (7%), Bom Jesus da Penha (3%) e São Sebastião do Paraíso (2% da área cafeeira). 


Na região de Varginha/Três Pontas, lavouras com altitude de 870 a 950 metros também ficaram cobertas pela geada. O Estado mineiro é o maior produtor de café arábica no Brasil.

No Paraná, o prejuízo foi de 15% da safra, segundo a Cofercatu, atingindo principalmente os municípios de Porecatu, Centenário do Sul, Alvorada do Sul e Prado Ferreira.

Nesta segunda-feira, apesar das notícias de geadas em todo o Brasil e de dados que já sinalizam uma séria quebra na produção,  o café opera em forte  baixa tanto na BM&FBovespa quanto na Bolsa de Nova York. Por volta do meio-dia (horário de Brasília), o vencimento setembro/2011 era negociado a US$ 312,40 com baixa de -2,04%. De acordo com a Archer Consulting, o prejuízo com as geadas nessa safra pode tirar 1 milhão de sacas da produção brasileira.

A baixa registrada hoje é reflexo da preocupação com a economia mundial, principalmente nos EUA, onde o rebaixamento da taxa de crédito do país pode comprometer a demanda global por commodities, fator negativo para as cotações.

Ainda assim, apesar do nervosismo no mercado, os fundamentos permanecem positivos para os grãos e a expectativa é que os preços voltem a subir em um movimento inverso.


Na Cooparaiso, geadas de capote

Devido às baixas temperaturas ocorridas na madrugado do dia 05/08, os técnicos da Cooparaiso realizaram um primeiro diagnóstico através de visitas a campo. Segue, abaixo, o relatório.
Na primeira avaliação pós-geada, ficou constatado que os danos foram em áreas de risco, através da geada de “capote”. Praticamente foram as mesmas áreas atingidas pela geada de 29 de junho. Sendo assim, nos municípios de abrangência da Cooparaiso, em torno 2% da área plantada foi prejudicada. Nesta semana, os técnicos farão uma nova avaliação, visando diagnosticar danos em nível de botões florais.
Áreas mais afetadas
Passos: em torno de 5% das lavouras;
São Tomás de Aquino: apenas pastagens foram danificadas;
Jacuí: cerca de 3% da área cafeeira;
Itamogi: município mais afetado com 7% da área atingida;
Bom Jesus da Penha: cerca de 3% da área cafeeira;
São Sebastião do Paraíso: cerca de 2% da área cafeeira.
Demais municípios: geadas localizadas.
Tags:
Por:
Ana Paula Pereira
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário