Pandemia desencadeará o maior recuo no consumo de carne em décadas

Publicado em 08/07/2020 10:40 405 exibições

O consumo de carne per capita deste ano deve cair para o menor nível em nove anos e a queda de 3% em relação ao ano passado representa o maior declínio desde pelo menos 2000, segundo dados das Nações Unidas. Enquanto isso, analistas de todo o mundo estão prevendo declínios não apenas per capita, mas também para a demanda geral em suas regiões.

Essa é uma reviravolta dramática para um setor que passou a contar com um crescimento constante. Notavelmente, a mudança está acontecendo em todos os principais mercados, inclusive nos EUA, onde se prevê que o consumo per capita de carne não retornará aos níveis pré-pandêmicos até pelo menos depois de 2025.

Há uma série de fatores que contribuem para a mudança. As consequências econômicas do coronavírus significam que os consumidores estão reduzindo as contas dos supermercados. As paralisações de restaurantes prejudicaram a demanda, já que as pessoas comem mais carne quando jantam fora. Na China, que representa cerca de um quarto do consumo mundial, há uma crescente desconfiança em relação aos produtos de origem animal, depois que o governo sugeriu uma ligação entre a proteína importada e um surto em Pequim. Interrupções na produção, como os surtos de plantas que provocaram uma crise no setor nos EUA, também criaram problemas de oferta que levaram a menos consumo de carne.

Os defensores do clima pedem há anos um menor consumo de carne. Por algumas medidas, a agricultura é responsável por mais emissões globais de gases de efeito estufa do que o transporte, graças em parte à produção pecuária. Apenas carne e laticínios são responsáveis por até 18% das emissões globais de gases de efeito estufa causadas por seres humanos.

O que resta a ser visto é até que ponto a mudança pandêmica dura. Se os consumidores se acostumarem a ter menos carne em condições de pandemia, isso poderia trazer uma nova era para as dietas globais?

Há indícios de uma mudança estrutural ocorrendo, com milhões comendo mais proteínas vegetais por causa de preocupações ambientais. Enquanto isso, a explosão de infecções por coronavírus em matadouros e plantas de processamento - dos EUA ao Brasil e Alemanha - destacou o número de funcionários do setor em seus funcionários, que lidam com trabalhos perigosos com baixos salários e poucos benefícios. Ainda é muito cedo para dizer se o novo escrutínio público sobre as condições dos trabalhadores afetará a demanda.

Ao mesmo tempo, agora que os consumidores se acostumaram a cozinhar em casa, esse hábito pode se manter, especialmente porque se prevê que a indústria de serviços de alimentos prejudicada pelo bloqueio diminua. Cerca de 2,2 milhões de restaurantes em todo o mundo poderiam fechar, de acordo com a consultoria Aaron Allen & Associates. A perda de serviços de alimentação é um "grande choque de demanda que levará muito tempo para se recuperar", disse Altin Kalo, analista do Steiner Consulting Group.

Antes da pandemia, 50% de toda a carne era consumida fora de casa nos EUA, segundo o Boston Consulting Group.

“Se os restaurantes parecerem estruturalmente diferentes no futuro, e o número de ocasiões fora de casa for permanentemente alterado, então acho justo dizer que pode haver menos consumo de carne” daqui para frente, disse Decker Walker, especialista em agronegócios do Boston Consulting Group . "As pessoas ainda vão consumir a mesma quantidade de calorias, mas farão isso em casa, onde o percentual de carne é menor."

O declínio projetado para este ano também viria após uma queda no consumo global per capita em 2019, quando a doença da peste suína africana matou milhões de suínos na China, aumentando os preços de varejo e reduzindo a demanda. As perdas em dois anos consecutivos significarão uma queda de 5% no consumo per capita desde 2018, segundo dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação.

Ainda há uma chance de que o consumo total mundial possa aumentar este ano. Isso porque a população pode estar crescendo a uma taxa mais rápida que a produção de carne. Ainda assim, as reduções por pessoa marcam um ponto de virada para o setor.

Europa

Na União Européia, o consumo de carne suína deve cair para uma baixa de sete anos em 2020, com carne bovina e frango também atingindo níveis mínimos, prevê o Departamento de Agricultura dos EUA. A pandemia ocorreu em um momento em que já havia sinais de redução da demanda de carne em partes do bloco por questões ambientais e de bem-estar animal. A Alemanha, lar de bratwurst e schnitzel, tornou-se um paraíso vegetariano , e uma pesquisa publicada por seu ministério da agricultura em maio mostrou que 26% dos entrevistados comem carne ou linguiça diariamente, contra 34% em 2015.

"Uma dieta equilibrada não inclui carne e salsichas todos os dias", disse a ministra da Agricultura alemã, Julia Kloeckner, em comunicado. "O número de pessoas que ocasionalmente passam conscientemente sem ela aumentou."

China

O consumo de carne suína da China este ano pode cair cerca de 35% em comparação com os níveis normais, antes da pandemia e do surto de peste suína africana, disse Lin Guofa, analista sênior do Bric Agriculture Group, empresa de consultoria com sede em Pequim. O país responde por 40% da demanda mundial de carne suína.

Pan Chenjun, analista sênior de gado do Rabobank, prevê um declínio semelhante. Preços mais altos, menor oferta, Covid-19 e preocupações com segurança alimentar são as principais razões por trás da queda, ela disse em um email. As importações de carne do país, que ajudaram a compensar os déficits causados ​​pelo impacto da peste suína, podem ter atingido o pico na primeira metade do ano, disse ela.

"A oferta global está cheia de incertezas pelo resto do ano", disse ela.

Brasil

Mesmo no Brasil - famoso por seus churrascos e churrascarias, onde pedaços de carne são cortados à beira da mesa - o consumo de carne está passando por um intenso processo de mudança, segundo Wagner Yanaguizawa, analista do Rabobank Brasil. A pandemia está acelerando as mudanças no interesse do consumidor em segurança alimentar, rastreabilidade e sustentabilidade, disse ele.

E à medida que o país se torna o novo epicentro do coronavírus, espera-se uma profunda recessão com consequências para o poder de compra dos consumidores.

"O consumo de todas as proteínas animais deve cair em meio a uma renda mais baixa, mas a carne bovina definitivamente sofrerá mais", disse Caio Toledo, consultor de gerenciamento de riscos e chefe de gado da StoneX. O Brasil é o terceiro maior consumidor mundial de carne bovina.

Os custos de produção aumentarão a longo prazo, juntamente com os preços da terra, enquanto mais empresas devem reduzir o impacto ambiental e deixar o desmatamento para aumentar as pastagens, disse ele. Eventualmente, isso fará da carne bovina um luxo para os consumidores em diferentes partes do mundo, disse Toledo.

EUA

Os pecuaristas americanos vêm expandindo seus rebanhos de gado em antecipação a um boom de demanda da China, onde a escassez anterior de suínos fez os preços subirem. Mas, embora as remessas tenham aumentado, nunca foi a bonança que os agricultores esperavam.

Agora que a demanda está caindo no mercado interno e no mundo, os EUA podem ficar com um excesso de carne que pressiona os lucros dos agricultores. Os declínios na indústria de restaurantes são uma grande parte do quadro doloroso, disse Will Sawyer, economista em proteínas animais do banco agrícola CoBank ACB.

"Essa interrupção nos serviços de alimentação em todo o mundo realmente nos prejudicou, seja de exportação ou doméstica", disse ele.

Pesquisadores do Instituto de Pesquisa sobre Políticas Agrícolas e Alimentos da Universidade do Missouri prevêem que o consumo de carne per capita deste ano cairá pela primeira vez desde 2014. E a medida está prevista para continuar caindo pelo menos até 2025.

"Nos encontramos hoje em um ambiente, e provavelmente pelos próximos 12 meses, onde o suprimento de carne, não apenas nos EUA, mas provavelmente em nível global, excede a demanda", disse Sawyer.

Tags:
Fonte:
Bloomberg

0 comentário