Geadas nos EUA: Danos ainda são incertos; estados ao norte do Corn Belt são os mais afetados

Publicado em 17/09/2014 15:58 e atualizado em 17/09/2014 16:31 5127 exibições

Geada

Algumas geadas atingiram, nos últimos dias, a região mais ao norte do Corn Belt. Porém, segundo informações apuradas pelo Notícias Agrícolas, o fenômeno não foi forte e severo o bastante para causar grandes danos às lavouras ou causar algum nervosismo e preocupação aos mercados. 

Segundo o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting, os boatos têm sido mais fortes do que os fatos e essas geadas têm chegado a regiões isoladas, sem efeitos muito graves. Paralelamente, o analista de mercado João Schaffer, da Agrinvest, afirma que, para as próximas duas semanas, as condições climáticas devem permanecer favoráveis ao desenvolvimento das lavouras norte-americanas. "Temos temperaturas dentro ou acima do normal e possibilidade de geadas no final das próximas duas semanas, com  a soja atingindo um patamar de maturação fisiológica e, por isso, não deve afetar a produtividade". 

De acordo com o especialista Gil Gullickson ao site norte-americano Agriculture.com, produtores da Dakota do Norte e da região noroeste de Minnesota, cautelosamente, observam a possibilidade de geadas em todo meio de setembro. Neste último sábado (13), no entanto, eles se uniram aos agricultores da região sul do Corn Belt ao sul de Minnesota, onde o fenômeno foi registrado. No centro-sul e no sudoeste do estado de Minnesota,  foram registradas algumas geadas mais esparsas. 

"Alguns graus mais frios e as consequências poderiam ter sido bem piores", afirma o especialista em Manejo Integrado de Pragas do Centro de Pesquisas da Universidade de Minnesota, Bruce Potter. Uma boa parte do sudoeste do estado conseguiu evitar a geada, provavelmente, em partes, por conta das recentes chuvas na casa dos 76 mm e dos solos saturados, ainda segundo o especialista. 

Já o consultor agrícola Mark Bernard, também de Minnesota, afirma que o efeito das geadas tem variado de região para região, mas que os danos podem ser mais acentuados em áreas próximas a rios, riachos, valas de drenagem ou pequenas zonas úmidas. Bernard reporta ainda que, no milho, os danos causados pela geada variam de um leve toque nas folhas superiores às plantas congeladas próximas à orelha. 

"Onde as temperaturas foram ainda mais baixas, os prejuízos podem ser mais graves. Felizmente, a maior parte das plantas que eu pude observar já estavam na metade da linha de leite. Então, chamuscando de três a quatro folhas, provavelmente, os danos seriam mínimos. Já em plantas onde a linha de leite está no início será preciso estudar quanto da planta foi morta para se ter uma ideia das perdas", explica o consultor.
 
Entre as áreas de soja observadas por Bernard, a maior parte já se encontrava em estágio completo R6 (semente inteira), e algumas com a maturação ainda no início, na fase R7. Esses campos, de acordo com o consultor, podem ter conseguido escapar dos efeitos da geada, ao contrário daqueles que tiveram de ser replantados e se encontram no começo da fase R5. 

Ainda é cedo para resultados concretos

Com os dados coletados até o momento, portanto, os reportes sobre os danos causados pelas primeiras geadas da temporada 2014/15 são inconclusivos. 

Segundo o representante da consultoria Allendale, Bill Biderman ao site dos Estados Unidos AGWeb, "ainda são necessárias mais duas semanas de acompanhamento para termos clareza sobre os efeitos das geadas. Se tivermos uma nova incidência nesse final de semana poderia ser devastador, e os estados localizados mais ao norte que têm a possibilidade de serem atingidos podem ver perdas na casa dos 50% para a soja". 

Completando, Biderman afirma que "caso o pior cenário se confirme isso poderia ser a grande mudança no jogo para o mercado. Mas, isso teria que acontecer nessa semana". No pior dos casos, com estados de Michigan a Dakota do Norte sendo gravemente afetados, poderia ser registrada uma perda de 4,33 milhões de toneladas de soja e 12,7 milhões de toneladas de milho, ainda de acordo com o representante da Allendale. 

Previsão do Tempo 

Nas previsões de longo prazo, não são indicados nenhuma nova ocorrência desse fenômeno. Informações do site norte-americano Farm Futures mostram que o esperado para o final desta semana são chuvas nas planícies do Sul e na região dos Grandes Lagos. Para os próximos 6 a 10 dias, o tempo deve ficar um pouco mais quente e seco. 

Com informações dos sites Farm Futures, AGWeb e Agriculture.com

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Marcelo Maior Ponta Grossa - PR

    Se o estrago da geada for igual ao da foto que ilustra a matéria, as perdas serão bem consideráveis nas áreas atingidas.

    0