Suínos: Notícia de aftosa na China não deverá favorecer mercado brasileiro, diz Abipecs

Publicado em 11/01/2013 19:18 e atualizado em 14/01/2013 11:31
462 exibições
A notícia de que casos de febre aftosa em suínos teriam sido confirmados na China pelo Ministério da Agricultura do país criou expectativas entre os produtores brasileiros sobre um possível aumento das vendas para o país asiático. Entretanto, a Abipecs (Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína) repercutiu a informação e afirmou que a situação não deverá ter reflexos no mercado brasileiro. 

Como explicou Pedro de Camargo Neto, presidente da associação, a situação não favorece o mercado brasileiro, pois atualmente os chineses são importadores de carne suína e não exportadora, deixando de competir alguns mercados com o Brasil. "Poderia ajudar caso a China ainda se mantivesse exportadora e disputasse os mesmos mercados do Brasil. Não é o caso". 

Além disso, Neto complementa explicando que a febre aftosa não é uma doença que deva provocar a criação de barreiras comerciais internas na China. "Outras doenças mais graves, como a peste suína, poderiam, sim, vir a dizimar rebanhos. Não febre aftosa", afirma.

Em 2012, o Brasil exportou 3.019 mil toneladas de carne suína para a China, contra apenas 25 toneladas em 2011, e para 2013 a expectativa da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs) é de uma maior venda para os chineses. Entretanto, essa notícia sobre a doença em rebanhos chineses não deverá refletir na comercialização entre os dois países.  

De acordo com o jornal local China Daily, que noticiou os casos da doença, cerca de 30 animais teriam sido contaminados e já foram abatidos. Porém, como medida de segurança, o governo chinês abateu mais 124 animais que estavam na mesma área. 
Tags:
Por Carla Mendes
Fonte Notícias Agrícolas

Nenhum comentário