Preço global do leite deve cair no segundo trimestre, prevê Rabobank

Publicado em 27/03/2014 08:59 235 exibições
Para o Brasil, o Rabobank diz que a estiagem dos últimos meses no Sudeste, que responde por 40% da produção nacional, vai impactar a oferta de leite

O Rabobank prevê que os preços globais do leite irão entrar em trajetória de baixa a partir de meados do segundo trimestre de 2014. Em relatório, o banco destaca que a oferta exportável cresceu bastante desde o final do ano passado, pois produtores aproveitaram as margens de lucro mais atrativas e intensificaram a produção. Atualmente, as cotações do alimento ainda estão 3% mais altas ante o observado no início do ano.

Conforme a instituição, essa oferta deverá ser mais do que suficiente para suprir a demanda da China. "A questão mais crucial envolvendo a demanda é se a China vai sustentar o consumo que temos visto nos últimos 12 meses", comenta o analista do Rabobank Tim Hunt.

Para o Brasil, o Rabobank diz que a estiagem dos últimos meses no Sudeste, que responde por 40% da produção nacional, vai impactar a oferta de leite, cujo crescimento esperado para o primeiro trimestre é de apenas 5%, longe do incremento de dois dígitos inicialmente previsto. Mesmo assim, a instituição não vê as importações ganhando espaço para suprir essa perda, pois a demanda também dá sinais de enfraquecimento, uma vez que os preços do leite estão 11% mais altos na comparação com um ano antes.

Com relação a outras regiões produtoras do mundo, o Rabobank prevê que a produção de leite na União Europeia (UE) irá crescer 4% no primeiro trimestre, na esteira de exportações maiores. Nos Estados Unidos, a produção deve ter incremento modesto em 2014, já que a recuperação econômica do país ainda é lenta.

Quanto à Nova Zelândia, mais produtor mundial de leite, o Rabobank fala em produção entre 20% e 30% maior no trimestre encerrado em maio, seguindo o ano-safra do país. No ano passado, uma seca prejudicou fortemente a produção e as exportações neozelandesas, que, neste ano, deverão ser 10% superiores.

Tags:
Fonte:
Movimento Nacional de Produtores

0 comentário