Frango Vivo: Preços têm alta em MG; embargo russo traz ânimos para o setor

Publicado em 08/08/2014 13:39 e atualizado em 11/08/2014 14:20 394 exibições

Nesta sexta-feira (8), o frango vivo apresentou mais uma alta em Minas Gerais, onde está cotado agora a R$2,45/kg. Nas demais principais praças, as cotações se mantêm estáveis desde a segunda quinzena de julho, com exceção de São Paulo, que teve uma alta de R$0,05/kg no último dia 29 e agora trabalha a R$2,25/kg.

O mercado de aves brasileiro, no entanto, encontra um anúncio de boas perspectivas devido ao embargo russo às importações agrícolas e de carnes provenientes dos Estados Unidos, União Europeia, Noruega, Japão, Canadá e Austrália, o que, consequentemente, deve ampliar as exportações brasileiras ao país soviético.

De acordo com Ricardo Santin, vice-presidente da Divisão de Aves e Suínos da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), o fator implica em uma pressão nova de demanda externa, com efeito positivo em relação aos preços pagos ao produtor brasileiro. "Provavelmente iremos ter de aumentar os níveis de produção, mas temos condição", aponta, em entrevista ao Mercado & Cia., do Canal Rural.

A Rússia já recebe 5% das exportações de aves brasileiras. Com os canais já abertos, a quantidade a ser pedida deve ter aumento nos próximos meses.

De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, a indústria de carne de frango do Brasil tem condições de atender "tranquilamente" uma demanda adicional da Rússia. Para o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Seneri Paludo, o embargo abre portas para uma "revolução" nas exportações brasileiras de carne e grãos. O governo brasileiro habilitou 90 plantas frigoríficas para exportar ao mercado russo.

Confira os preços do frango vivo nas principais praças:

FrangoFrangoFonte: Suinocultura Industrial
Praça Preço - R$ / kg  
Minas Gerais 2,45  
São Paulo 2,25  
Rio Grande do Sul 2,20  
Paraná 2,15  
Santa Catarina 2,12  
Tags:
Por:
Izadora Pimenta
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário