PSA: a doença que exterminou milhões de suínos está voltando à Ásia

Publicado em 09/03/2021 13:43 566 exibições

A peste suína africana está ressurgindo na Ásia, ameaçando interromper os esforços para reabastecer os rebanhos nacionais depois que o vírus matou dezenas de milhões de porcos na região e criou uma enorme escassez de proteína de carne.

Novos surtos foram relatados na China e no Vietnã este ano, e a doença chegou até mesmo às costas da Malásia. Enquanto novos casos estão espalhados e isolados, eles alertaram os governos de que o vírus está vivo e bem e que pode haver consequências terríveis se não for mantido sob controle.

A peste suína africana é mortal para os porcos, mas não se sabe que prejudica os humanos. Com nenhuma vacina comercial disponível ainda, as autoridades estão confiando em medidas estritas de biossegurança e no abate de animais suscetíveis para manter a doença sob controle. Aqui está uma análise da situação mais recente por país.

China

A China, lar de metade dos suínos do mundo, é a região mais atingida pela peste suína africana desde que relatou seu primeiro surto em 2018. Mais casos do vírus, que o país pensava estar sob controle, foram encontrados em lugares como Hebei, Henan, Sichuan, Yunnan e Xinjiang. Hong Kong também relatou um caso em uma fazenda.

O último surto inclui novas variantes que são mais brandas, mas mais difíceis de detectar, lançando dúvidas sobre a meta do governo de alcançar uma recuperação total do rebanho até meados do ano. O progresso do país na reconstrução do número de suínos está sendo observado de perto por traders globais, já que definirá as necessidades de importação de grãos para ração e carne este ano. A China comprou quantidades recordes de soja, milho e carne de fornecedores estrangeiros em 2020, provocando picos de preços em toda a linha.

Há expectativas de que os preços da carne suína na China, um dos principais determinantes da inflação, possam permanecer altos por um longo período, enquanto as importações de carnes continuam subindo para novos recordes. Em um sinal de nervosismo do governo com os últimos surtos, o ministério da fazenda prometeu intensificar a repressão às vacinas ilegais que têm sido associadas ao surgimento de novas cepas.

Lin Guofa, analista sênior do Bric Agriculture Group, estima que o declínio na capacidade de criação de suínos será limitado a 10% este ano porque a doença está confinada às regiões do norte e a situação é relativamente estável em outros lugares.

Vietnã

O Vietnã abateu cerca de 2.000 porcos este ano até o final de fevereiro, após pequenos surtos de peste suína africana, de acordo com o Ministério da Agricultura, que disse que a situação ainda está sob controle. Mais de 20 regiões em todo o país relataram novos surtos.

A população de suínos do país era de 27,3 milhões no final de dezembro, ou 89% do total registrado antes da doença atacar em 2019 e resultou na perda de quase 6 milhões de porcos. O país espera começar a produzir sua vacina contra a doença a partir do final de junho ou início de julho.

Malásia

A Malásia teve seu primeiro surto de peste suína africana no mês passado e disse que 3.000 porcos no estado de Sabah seriam sacrificados. As investigações começaram após a morte de um javali e se estenderam depois que amostras de laboratório confirmaram o vírus em outros porcos. Isso incluiu o porco barbudo de Bornéu, uma raça classificada como vulnerável pela União Internacional para a Conservação da Natureza.

Em uma atualização em 7 de março, o governo de Sabah disse que o vírus se espalhou para outros distritos, mas as fazendas comerciais de suínos que fornecem a maioria dos produtos suínos do estado continuam livres da doença. “Embora o ASF não infecte humanos, ele é capaz de causar grandes danos econômicos, bem como perturbar o bem-estar de nossa sociedade”, disse o vice-ministro-chefe, Jeffrey Kitingan.

Coreia do Sul

A Coreia do Sul, que não registra um surto desde outubro, disse que reforçará as medidas preventivas antes da temporada de reprodução dos javalis, de abril a maio. Porcos selvagens rebeldes têm sido os principais culpados na propagação da doença da fronteira norte do país para fazendas locais.

No final de fevereiro, o país reforçou a quarentena de fronteira em meio aos relatos de novos casos em outras partes da Ásia, de acordo com o ministério da agricultura.

Leia Mais:

+ China relata surto de peste suína africana na província de Sichuan

+ China detecta surto de Peste Suína Africana em leitões na província de Yunnan

Fonte:
Bloomberg

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário