Trigo: Importações do Brasil deverão aumentar 15% nesta temporada

Publicado em 21/11/2012 10:23 413 exibições
O Brasil deve aumentar o volume das importações de trigo nesta temporada devido à quebra na safra brasileira e em outros países produtores, como Rússia e Ucrânia, em função das intempéries climáticas. A consultoria Safras & Mercado estimou que, até o término desta safra, em julho/2013, o país deverá comprar 15% a mais, cerca de 6,6 milhões de trigo para suprir a demanda interna em torno de 10,5 milhões de toneladas anuais.

Na safra anterior, as importações brasileiras alcançaram 5,8 milhões de toneladas. De acordo com o analista da Correpar João Donizette Garcia, os países do Mercosul, origem de grande parte do trigo importado pelo Brasil, devem produzir em torno de 18 milhões de toneladas do produto.
“Essa oferta é equivalente ao consumo dessas nações. Porém, a qualidade da produção está comprometida em consequência das condições climáticas ruins que atingiram as lavouras, e não irá atender as necessidades das indústrias para fazer os diversos tipos de farinha, com isso parte desse produto será destinado à ração”, afirma.  

Com isso, a expectativa é que o Brasil importe trigo de outros países, como os Estados Unidos, mas que o trigo é mais caro em torno de 10% em função dos impostos, além de apresentar outro complicador à taxa de 25% dos fretes marítimos, conforme explica o analista. 

As importações do trigo já estão mais altas nesta safra, conforme aponta o levantamento da consultoria, baseado em dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex). Entre os meses de agosto e setembro de 2012, o Brasil comprou 1, 976 milhão de toneladas de trigo, um aumento de 58,8% frente aos 1,244 milhão de toneladas importadas no mesmo período da safra passada.

Já a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou no início de novembro, em seu 2º levantamento de grãos, que o país deve produzir 4, 462 milhões de toneladas de trigo, 22,9% abaixo do volume colhido na produção anterior. Essa redução é decorrente do recuo das áreas plantadas no Paraná, onde os produtores rurais migraram para o cultivo de milho e do clima desfavorável que prejudicou as lavouras do estado e do RS. 

Em decorrência desse cenário, a tendência é que o mercado internacional, e também o interno, retome o viés altista para as cotações, haja vista que a produção mundial será insuficiente para suprir a demanda aquecida e com isso haverá diminuição nos estoques mundiais, conforme sinaliza o analista da Safras & Mercado, Renan Gomes. No Brasil, os preços do trigo já subiram cerca de 45% no mercado disponível e 36% no mercado de balcão em 2012, segundo divulgou o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).
Tags:
Por:
Fernanda Custódio
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário