Após dezembro seco, chuvas provocam perda de 50% da lavoura de feijão no Distrito Federal

Publicado em 05/02/2016 06:54 86 exibições

Podcast

 

 

Download

O ano não começou de maneira positiva para os plantadores de feijão do Distrito Federal (DF). O tempo seco, que atingiu a região em dezembro de 2015, foi responsável por danificar a fase de florescimento do grão, atrapalhando a formação dentro das vagens. Agora, durante a colheita, é a chuva que prejudica os produtores.

“O excesso de umidade faz com que a água seja absorvida e a semente comece a germinar dentro da própria vagem. Com isso também não é possível realizar a colheita dos grãos. Consideramos que pelo menos 50% da lavoura foi afetada. A qualidade dos grãos está completamente comprometida”, explica Cláudio Malinski, engenheiro agrônomo da Cooperativa Agropecuária do Distrito Federal (Coopa-DF).
 
De acordo com Bianca Lobo, meteorologista da Climatempo, a quantidade de chuva registrada em janeiro ficou acima da média climática (250 mm). “Esse ano o mês acabou com um volume registrado de mais ou menos 400 milímetros, o que representa quase o dobro da média”, explica. 
 
Segundo a meteorologista, os agricultores ainda vão enfrentar mais problemas com as precipitações, já que elas devem continuar nos próximos dias. “Até o dia 12 deste mês as pancadas devem ocorrer de forma isolada e principalmente no fim da tarde. Porém, a partir do dia 13, os modelos indicam um aumento significativo das chuvas”, conta.
 
Para Malinski não é somente a colheita que o excesso de chuvas prejudica. “Esses temporais atrapalham a pulverização com defensivos agrícolas na lavoura. A nossa sorte é que quando as pragas começaram a surgir, o feijão já estava amadurecendo, então não fomos prejudicados com isso”, diz.

Leia a notícia na íntegra no site Cenário MT.

Tags:
Fonte:
Cenário MT

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário