Perspectiva citros: baixa produção em 2020/21 pode manter preços firmes

Publicado em 15/01/2020 14:51
106 exibições

As expectativas iniciais de agentes consultados pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, são de baixa produção de laranjas na safra 2020/21 de São Paulo e do Triângulo Mineiro. Ainda que a menor produtividade limite a receita de produtores, a colheita reduzida tende a manter firmes os preços pagos pela fruta na indústria, mesmo em um cenário de recuperação dos estoques de passagem, em junho de 2020.

De forma geral, as floradas principais, ocorridas em agosto, foram consideradas positivas pela maioria dos produtores consultados pelo Cepea. No entanto, o clima quente e seco de setembro a outubro debilitou e atrasou o desenvolvimento das plantas – justamente no período de fixação dos frutos. Além disso, novas aberturas (mesmo que pontuais e inferiores às floradas principais) ocorreram no início de dezembro, favorecidas pelas chuvas de novembro.

Assim, o desenvolvimento está bastante irregular no cinturão citrícola, mesmo dentro de uma mesma região. Pesquisadores do Cepea destacam, contudo, que o período de “pegamento” se estende até meados de janeiro, o que dificulta a mensuração de resultados para a próxima temporada. Além disso, o cenário ainda segue incerto e dependente das novas floradas que estão se abrindo, do percentual de fixação dos chumbinhos e do desenvolvimento dos frutos.

ESTOQUES – A maior produção de laranja na atual temporada (2019/20) permitiu elevado volume de processamento nas indústrias paulistas. Neste cenário, para junho de 2020, a perspectiva é de que os estoques de suco se recuperem, podendo superar as 400 mil toneladas, em equivalente concentrado, segundo estimativas do Cepea – acima do patamar estratégico. Este cenário, isolado, poderia ter um efeito baixista sobre as cotações da fruta nas processadoras para a próxima safra, mas, devido à previsão de baixa produção em 2020/21 em São Paulo e no Triângulo Mineiro, os preços podem se manter em patamares firmes.

Assim, para 2020/21, o cenário de cotações será bastante influenciado pela produção da temporada. Inicialmente, agentes consultados pelo Cepea apostam em colheita inferior a 300 milhões de caixas. Se confirmado, esse cenário pode equilibrar o preço da fruta em 2020, visto que manteria firme a demanda industrial, não havendo grande pressão sobre as cotações para o mercado de mesa.

CONTRATOS E SPOT – Ao contrário do observado nas duas últimas safras, as grandes processadoras paulistas ainda não iniciaram as contratações de frutas para a próxima temporada (nas duas últimas, as negociações ocorreram entre outubro e novembro). Contudo, vale lembrar que os valores pagos pela laranja de 2019/20, no segmento spot, se elevaram em dezembro/19 – fato que pode estar atrelado às perspectivas de menor produção em 2020/21 e de oferta irregular, tendo em vista que o desenvolvimento das floradas está bastante heterogêneo entre os pomares. Esse cenário, por sua vez, poderia resultar em preços mais altos no spot em 2020 e em frutas com baixo rendimento industrial (devido às múltiplas floradas). Assim, seria mais vantajoso às processadoras adquirir a fruta da atual temporada (2019/20), em decorrência da maior qualidade da matéria-prima para moagem frente à estimada para a safra seguinte e de possíveis menores preços que em 2020/21.

INVESTIMENTOS – Quanto aos investimentos na laranja para 2020/21, ainda devem ser focados na renovação de pomares, com poucos novos plantios, sendo compensados por algumas saídas. Por outro lado, incrementos mais expressivos podem ser feitos para outros cítricos de mesa, como tangerinas, tangor murcote e lima ácida tahiti.

TAHITI – Após registrar elevados preços em 2019, as perspectivas para os primeiros meses de 2020 indicam que os volumes de lima ácida tahiti devem ser elevados em São Paulo, devido ao pico de safra. Contudo, a colheita antecipada de tahiti miúda, em novembro/19, pode limitar o volume ofertado e evitar quedas expressivas nas cotações.

Tags:
Fonte: Cepea

0 comentário