Terminal de Meishan, no porto de Ningbo, é reaberto na China, mas logística ainda preocupa

Publicado em 25/08/2021 11:56 2698 exibições
Porto de Ningbo na China
Porto de Ningbo na China - Foto: Suo Xianglu/VCG/Getty Images

Logotipo Notícias Agrícolas

Depois de duas semanas fechado, o terminal de Meishan, no porto de Ningbo, na China, foi reaberto. As operações retomaram a normalidade nesta quarta-feira (25), de acordo com informações da Bloomberg, trazendo certo alívio às cadeias logísticas que passam por um momento bastante complicado, já que este é o segundo porto mais movimentado do mundo e o terceiro para cargas transportadas em contêineres. O terminal ficou fechado em função da confirmação de um caso de Covid-19 entre seus colaboradores. 

Ainda de acordo com informações da agência internacional de notícias, cerca de cinco navios porta-contêineres já deixaram Meishan nos últimos dias e alguns já estão atracando no terminal, como mostra a imagem abaixo, com as embarcações Taurus e Kota Machan. O retorno ainda é gradual, porém, funcionários do porto acreditam que "muito em breve" a totalidade dos serviços deve ser restaurada. 

Navios atracando no porto de Ningbo - Agosto21
Navios atracando no porto de Ningbo - Foto: Bloomberg

Em maio, o porto de Yantian, na China, também já havia sido fechado por conta de casos da Covid-19. E diante dessa demanda maior, "mesmo um fechamento limitado de parte de um porto é caro para compradores e transportadores", relata a Bloomberg ao ouvir especialistas em logística internacional.

Os atrasos e congestionamentos nas rotas marítimas continuam e se agravaram bastante durante estes 15 dias em que Meishan esteve fechado. Afinal, as exportações chineses batem recordes diante de um aumento da demanda global - dada o início da retomada econômica com um quadro mais ameno da pandemia - e de um período que antecede uma temporada forte de compras antes da Black Friday e das festas de final de ano. 

"Recentemente, os portos estão ficando mais congestionados na China, já que o governo pediu um controle mais rígido em todos os procedimentos de operação devido a alguns novos casos Covid-19 aqui e ali. Mas o impacto de Meishan será menor do que o que aconteceu em Yantian anteriormente", disse à Bloomberg Du Yu, gerente geral da consultoria de navegação Drewry, em Xangai. 

O gráfico abaixo mostra a movimentação de contêineres nos portos chineses - na linha preta - e separada por portos, entre os mais movimentados, nas linhas coloridas. 

Portos China
Gráfico: Bloomberg + Ministério do Transportes da China

Diante do quadro atual e de uma crise que já dava sinais no início da pandemia, em 2020, as taxas de contêineres já apresentam uma alta superior a 200% se comparada com o mesmo período do ano passado. Uma rota de Xangai a Los Angeles chega a US$ 11 mil. O valor é recorde e preocupa inúmeros setores no mundo todo. 

"Desde o início da utilização de contêineres no shipping, o mercado nunca havia chegado ao patamar que chegou. Hoje no rate spot já é possível identificar frete de 20.000 USD por FEU (Ásia/Europa), enquanto que em 2015/2016 o frete spot girava em 200/300 USD per teu na mesma rota", explica Larry Carvalho, advogado e árbitro em litígios e ênfase em transporte marítimo. 

Carvalho explica que o atual momento preocupante da logística e mais especificamente a indústria marítima, é consequência de um acúmulo de problemas. 

"As altas taxas de frete de containers são impulsionadas pela falta de boxes e espaço, que por sua vez são impulsionadas por uma confluência sem precedentes da demanda dos EUA por frete (devido a nova realidade do Supply Chain). De outro lado, temos a interrupções no lado da oferta: congestionamento dos principais portos, trabalhadores portuários e marítimos infectados por COVID, resultando em quarentena em navios e em portos/terminais (Yantian). Além disso, a bruxa parece que está solta no Shipping, portanto, temos embarcações encalhadas, embarcações retidas devido a quarentenas. Além de todo o recente desafio de embarcações ficando presas em canais, derrubando containers no mar ou pegando fogo", diz.

Com informações da Bloomberg

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário