Ciência recupera áreas de declínio e morte de videiras na Serra Gaúcha

Publicado em 03/03/2020 09:31
92 exibições

Áreas que sofreram declínio e morte de plantas de videiras na Serra Gaúcha estão voltando a produzir graças ao trabalho da ciência. Para isso, pesquisadores organizaram e validaram um conjunto de recomendações técnicas que permitem o replantio de vinhedos nessas pequenas propriedades familiares que fazem parte da mais tradicional região produtora de uvas e vinhos do Brasil. O resultado foi um programa de manejo dividido em quatro eixos básicos: manejo do solo, adubação, mudas de qualidade e controle de insetos-pragas e doenças.

Essas porções de terra com morte de videiras, presentes nas encostas desenhadas pelos vinhedos, além de ficarem evidentes na paisagem, passaram a ser um sério problema para os produtores de uva. Na região, que é constituída essencialmente por pequenas propriedades familiares de até 24 hectares (uma colônia), as áreas para cultivo são restritas pelo tamanho, limitações geográficas, principalmente topografia, e de legislação, como as definidas pelo Código Florestal, que impedem a abertura de novas áreas para o cultivo de videiras.

Mesmo utilizando os aprendizados que foram passados ao longo das gerações, os agricultores não estavam obtendo sucesso nas tentativas de replantio: as plantas simplesmente não se desenvolviam. Com esse cenário, a Embrapa liderou uma força-tarefa na execução do projeto Tecnologias para a viabilização e sustentabilidade dos vinhedos em áreas de renovação na Região Sul do Brasil.

Cada propriedade abrigou uma unidade demonstrativa do tamanho de um hectare que recebeu as técnicas recomendadas. Os resultados foram tão promissores que essas áreas estão aumentando a cada dia. Todos os cinco produtores participantes já ampliaram a área a técnica em 200% e somente a Cooperativa Vinícola Garibaldi estima que 100 hectares dos seus cooperados já estão com essa metodologia no campo.

Segundo o líder do projeto, Lucas Garrido, pesquisador da área de Fitopatologia da Embrapa, o melhor resultado não foi a recuperação das áreas em si, mas o trabalho realizado pela equipe de pesquisadores, que formou multiplicadores no repasse de informações e técnicas corretas. “O cultivo da videira é uma questão cultural, passada de geração em geração, e com esse projeto tivemos a oportunidade de mostrar e construir em conjunto com os técnicos e produtores a possibilidade de uma nova realidade, contornando problemas e garantindo a renovação dos parreirais”, conta.

Um bom exemplo dessa mudança foi demostrar aos produtores os benefícios da utilização de mudas de videira enxertadas com controle de qualidade, o que evita muitos problemas transmitidos pelo tradicional repasse dos galhos da videira, entre os produtores, para formar novos vinhedos. “O emprego de mudas de qualidade, com um padrão morfológico e sanitário estabelecido, o preparo do solo e o correto plantio formam um investimento que trará muitos dividendos a longo prazo”, defende o coordenador do Programa de Mudas de Qualidade, Daniel Grohs, que é engenheiro agrônomo da Embrapa.

“Depois de ver os resultados do projeto, eu estou seguindo o tratamento do plantio nas novas áreas que estou renovando e noto grande diferença no parreiral”, avalia Vinicius Dal Oglio, de Bento Gonçalves,

União de esforços

O trabalho de recuperação das áreas para o cultivo da videira foi liderado por pesquisadores da Embrapa Uva e Vinho (RS) e contou com a participação de produtores, técnicos e especialistas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e a empresa de extensão rural do estado, a Emater/RS-Ascar.

A base do sucesso

As soluções tecnológicas para renovação de vinhedos em áreas de declínio foram propostas a partir dos resultados obtidos com a instalação de cinco unidades demonstrativas nas propriedades de viticultores nos municípios de Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Farroupilha, Flores da Cunha e Garibaldi, todos na Serra Gaúcha. Esses produtores, associados às cooperativas Vinícola Garibaldi, Agroindustrial Nova Aliança e Vinícola Aurora, colocaram suas propriedades à disposição da equipe para servir como área experimental. Para isso, receberam 600 mudas de qualidade de cultivares como BRS Cora, Isabel, Bordô ou Tannat. As cultivares foram escolhidas pelos agricultores de acordo com o objetivo da produção. Além das mudas, cada produtor recebeu os insumos recomendados pela equipe de pesquisa para contribuir com o controle de patógenos do solo, além do acompanhamento da evolução do parreiral com visitas regulares da equipe de especialistas.

Após três anos, as propriedades foram transformadas em uma vitrine tecnológica, onde foram realizadas capacitações de técnicos e agricultores ao longo do projeto. “Nada melhor do que conferir na prática como foi a experiência e ouvir do próprio viticultor os resultados do sucesso da tecnologia”, destaca Garrido.

Evandro Bosa é gerente da Cooperativa Vinícola Garibaldi e tem como tarefa orientar 410 viticultores na Serra Gaúcha. Ele foi um dos técnicos parceiros do projeto e esteve presente durante toda a validação das recomendações da pesquisa. Na sua avaliação, os resultados foram tão positivos que, já durante a execução, muitas informações foram sendo repassadas para outros produtores. “Pelo menos 250 famílias associadas à cooperativa já estão colocando em prática as recomendações, cujos resultados nos novos vinhedos são fantásticos”, avalia. Além das mudas, a cooperativa também adquire e repassa aos seus associados os insumos recomendados pela Embrapa.

Os quatro pilares do pacote tecnológico

Mudas de qualidade

Segundo Grohs, a demanda por mudas de videira com qualidade é histórica no setor vitivinícola nacional e a atuação da Embrapa se dá especialmente em duas frentes: na condução de um intenso trabalho de orientação aos viveiristas licenciados e participantes do Programa Mudas de Qualidade e na orientação de produtores para identificar e exigir mudas de qualidade.

“O uso de materiais geneticamente atestados e fitossanitariamente limpos faz uma muda de qualidade, o que contribui significativamente para a sustentabilidade da viticultura, em especial com a redução dos custos e da necessidade de mão de obra, incremento na produtividade e qualidade da uva produzida”, resume.

Grohs reforça a necessidade de um planejamento para realizar a encomenda de mudas com um ano de antecedência em viveiristas que oferecem materiais de boa qualidade.

Ele destaca que é sempre importante, antes de comprar, conhecer pessoalmente as instalações do viveiro. “Na hora da retirada das mudas, deve-se fazer um bom exame visual nela, verificando o padrão morfológico e sanitário seguindo critérios estabelecidos pela Embrapa”, recomenda.

O especialista revela que o critério mais difícil de avaliação é a presença de necroses internas indicadoras do risco de ocorrência de doenças. “Recomendo sacrificar algumas mudas e ver se existem manchas escuras em um percentual elevado, o que significa doenças nas raízes ou no caule”, orienta. Caso o material não esteja com boas condições sanitárias, ele reforça que o produtor deverá conversar com o viveirista, pois plantar a muda com riscos de ocorrência de doenças significa prejuízo.

Além da muda, o produtor deve estar atento às demais etapas da renovação, pois a planta de qualidade, sozinha, não garante o estabelecimento do vinhedo nesse ambiente.

Manejo do solo e adubação

Segundo o pesquisador George Wellington Melo, o preparo do solo é fundamental. A primeira atividade essencial é a erradicação do vinhedo anterior, retirando-se da área o máximo possível de restos culturais. Na sequência, deve-se realizar a análise de solo, para ver se são necessárias correções. Antes do plantio da muda, o solo já deve estar corrigido de suas carências nutricionais. A construção de drenos é recomendada para áreas sujeitas ao encharcamento, pois a videira não tolera solos com má drenagem.

Outro fator que deve receber uma atenção é o nível de cobre no solo. Ele alerta que concentrações acima de 50 mg.kg-1 já atrapalham o crescimento das raízes da planta. “Para minimizar a toxicidade, deve-se realizar práticas que diminuam a disponibilidade de cobre, o que se consegue com uso de fertilizantes orgânicos, aumento do pH do solo e cultivo de plantas de cobertura”, recomenda. Wellington indica o uso de adubo orgânico na fase de crescimento, ou seja, nos três primeiros anos, garantindo assim uma maior uniformidade nas plantas e a produção de uvas a partir do terceiro ano. “Em diversos experimentos constatamos que o composto orgânico é mais eficiente do que o adubo químico, mas é importante que ele esteja estabilizado, para evitar outros focos de contaminação”, orienta.

Outro manejo indicado é o uso de disco de papelão embebido em sulfato de cobre para cobrir o pé da planta e manter o solo “limpo” (o tradicional coroamento da planta), evitando assim o uso de herbicidas e a prática da capina. “O uso de herbicidas para o controle de plantas daninhas pode prejudicar o desenvolvimento da videira e deve ser evitado, especialmente nos três primeiros anos - período de maior impacto”, recomenda.

A partir do momento em que o vinhedo entra em produção, a principal ferramenta para avaliar a necessidade de adubação é a análise de tecido, feita a partir das folhas coletadas na plena floração das plantas. “Cada variedade tem um comportamento. Às vezes o excesso de potássio impede a absorção de magnésio e a deficiência de boro na floração prejudica a fecundação, diminuindo o número de bagas por cacho”, cita o pesquisador, que reforça a importância da análise foliar para a correta recomendação de adubação de manutenção. A adubação de plantas de cobertura também é outro fator importante para melhor aproveitamento nutricional da videira.

Controle de insetos-praga

Segundo o pesquisador Marcos Botton, a cochonilha pérola-da-terra, que historicamente foi apontada como uma das principais causas da morte de videiras, é uma praga fácil de ser manejada. O controle da cochonilha deve ser realizado nas áreas infestadas com o emprego de inseticidas neonicotinóides no solo, como o Imidacloprido e o Thiametoxan. Outra pratica importante é eliminar as plantas hospedeiras da pérola-da-terra presentes no interior do vinhedo, como a língua-de-vaca, visando reduzir as fontes de infestação.

A adubação orgânica e a manutenção de plantas de cobertura não hospedeiras do inseto são mais duas medidas recomendadas pelo cientista. Empregadas em conjunto, elas permitem manejar o inseto. Por fim, caso a cochonilha não esteja presente na área a ser reconvertida, não é necessário o emprego de medidas de manejo, somente evitar transportar o inseto para a propriedade, o que pode ocorrer pelo emprego de mudas contaminadas ou máquinas agrícolas. Outro inseto de solo importante é a filoxera, razão pela qual devem ser empregados porta-enxertos resistentes a essa espécie de praga, que é a base do programa de mudas de qualidade.

Controle de doenças

Na visão de Garrido, a prioridade é restabelecer o equilíbrio do solo. Isso significa evitar que fungos fitopatogênicos presentes no solo tornem-se predominantes ao redor da muda. “Nossa proposta é utilizar uma série de compostos orgânicos empregados também na agricultura orgânica para reestruturar o solo, o que irá repercutir diretamente no desenvolvimento das plantas e, de forma natural, ampliar a resistência aos patógenos”, explica. Ele também destaca a importância de eliminar a inflorescência das videiras no primeiro ano, para que a planta invista suas reservas no crescimento e fortalecimento das estruturas permanentes, como tronco e raízes, e não em frutos.

Fonte:
Embrapa

0 comentário