Mais uma planta daninha resiste ao glifosato no Brasil

Publicado em 10/03/2020 09:28 e atualizado em 10/03/2020 17:30
1410 exibições

Planta daninha conhecida como leiteiro - amendoim-bravo ou café-do-diabo (Euphorbia heterophylla) - é a décima infestante nas lavouras de grãos que adquiriu resistência ao glifosato no Brasil. O fato foi relatado esta semana pela Embrapa Soja (PR) e pela Cocari - Cooperativa Agropecuária e Industrial, na região do Vale do Ivaí (PR). Apesar de restrito a apenas uma área, está preocupando pesquisadores, técnicos e produtores, especialmente pelo impacto econômico que poderá acarretar se casos semelhantes forem encontrados em outras regiões do País. Os dados estão disponíveis no comunicado técnico: Euphorbia heterophylla: um novo caso de resistência ao glifosato no Brasil.

Para se ter uma ideia, os custos de produção em lavouras de soja com plantas daninhas resistentes ao glifosato podem subir de 42% a 222%, em função dos gastos com herbicidas e também por causa da perda de produtividade da soja.

Segundo o pesquisador da Embrapa Fernando Adegas, os valores aumentam, em média, entre 42% e 48%, para as infestações isoladas de buva e de azevém, respectivamente, e até 165%, se houver capim-amargoso resistente.

O cientista calcula que o custo médio, em reais, no Brasil, para o controle de plantas daninhas é de R$120,00, por hectare. Em infestações mistas de espécies daninhas resistentes ao glifosato, o aumento nos custos de controle é maior. Em áreas com infestação de buva e de capim-amargoso, o custo de controle pode chegar a R$ 386,00 por hectare, ou seja, aumento de 222% no custo de produção. Por isso, o pesquisador defende uma ampla discussão sobre a questão da resistência no Brasil. “Além do impacto econômico que já é sentido, o produtor precisa tomar medidas para minimizar ou conviver com essa resistência.”, diz Adegas.

“Em um cenário de infestação de azevém resistente ao glifosato, por exemplo, existe a necessidade do uso de um herbicida alternativo associado ao produto para controle da infestante. Nesse caso, o custo por hectare fica entre R$ 118,60 a R$ 236,70, o que representa um aumento médio de gasto com herbicidas de R$ 57,65 por hectare”, explica.

Em áreas infestadas com capim-amargoso resistente ao glifosato, Adegas diz que a alternativa de controle passa a ser o uso de herbicidas graminicidas, em média, entre duas e quatro aplicações. Com o aumento nas pulverizações, o custo médio para o controle sobe de R$ 120,00 para aproximadamente R$ 318,00. “Isso tem um impacto de 165% a mais no custo de produção”, avalia.

A descoberta da resistência

A primeira suspeita da resistência do leiteiro (Euphorbia heterophylla) foi observada na safra 2018/2019, quando as plantas daninhas sobreviveram, mesmo após aplicações de glifosato, em uma propriedade na região do Vale do Ivaí. A partir de então, a Cocari comunicou à equipe técnica da Embrapa Soja, que iniciou os estudos comprobatórios do caso de resistência.

Adegas explica que em primeiro lugar foi realizada nova aplicação de glifosato na área afetada, com a dose de bula e a tecnologia de aplicação recomendadas, porém as plantas de Euphorbia heterophylla novamente não foram controladas pelo herbicida.

A segunda etapa do trabalho foi a coleta de sementes das plantas sobreviventes no campo para avaliação pela Embrapa. “É importante destacar que seguimos todo o protocolo para relato de casos de resistência de plantas daninhas a herbicidas, proposto pelo Comitê de Resistência da Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas (SBCPD), sendo o caso também comunicado ao Comitê de Ação a Resistência aos Herbicidas (HRAC-Brasil)”, explica Adegas.

Estudos complementares vêm sendo realizados pela Embrapa Soja em parceria com a Universidade Estadual de Maringá (UEM) e com a Colorado State University, com o objetivo de estudar o mecanismo de resistência dessa população.

Além do trabalho de constatação da resistência, foram realizados também estudos de manejo da espécie, tanto em casa de vegetação quanto no campo, na própria área com suspeita de resistência. “Nesses trabalhos, foram observados a hipótese da existência de resistência múltipla aos inibidores da acetolactato sintase (ALS), que está sendo verificado por intermédio de experimentos complementares”, conta Adegas.

O pesquisador da Embrapa Dionísio Gazziero lembra que a partir da década de 1990, o leiteiro tornou-se resistente também aos herbicidas inibidores da acetolactato sintase (ALS), que era o grupo com o principal mecanismo de ação utilizado para o controle na época. “Isso tornou o controle dessa planta daninha ainda mais difícil e complicado para os sojicultores brasileiros”, lembra. Dados dessa história estão na publicação Impacto econômico da resistência de plantas daninhas a herbicidas no Brasil (Circular Técnica 132) está disponível para consulta.

Como driblar o problema de resistência

Adegas recomenda métodos preventivos para minimizar a questão da resistência em plantas daninhas. Entre eles estão: a aquisição de sementes livres de infestantes; a limpeza de máquinas e equipamentos, especialmente as colheitadeiras e a manutenção de beiras de estrada, carreadores e terraços livres de infestantes. Em relação ao controle mecânico são indicadas capinas e roçadas.

No caso de controle químico, o pesquisador lembra que a principal ação é a utilização de herbicidas de diferentes mecanismos de ação, em sistemas de controle distintos. Há ainda os métodos culturais que podem ser aliados dos produtores como a diminuição dos períodos de pousio, o investimento em produção de palhada para cobertura do solo e a utilização de cultivares adaptadas em espaçamento entre linhas, além da rotação de culturas.

Planta tem um grande poder de competição

O leiteiro é uma planta daninha anual disseminada nas principais regiões agrícolas brasileiras, especialmente nos sistemas de produção de grãos, onde está incluída a cultura da soja. Adegas relata que antes da introdução da soja geneticamente modificada para resistência ao herbicida glifosato, essa planta daninha era considerada uma das principais infestantes da cultura da soja. “Isso ocorria porque a planta tem reprodução por sementes que apresentam longa viabilidade e alto potencial de germinação, além de rápido crescimento vegetativo, entre outras características que propiciavam um grande poder de competição dessa infestante com as culturas”, explica.

Histórico sobre a resistência

A partir da safra 2005/2006, com a introdução da soja transgênica, o manejo das populações de Euphorbia heterophylla foi muito facilitado. “O controle da infestante era realizado basicamente com duas a três aplicações de glifosato na pós-emergência da cultura”, conta Adegas. Esse sistema de manejo, com a utilização quase exclusiva do glifosato no controle químico das infestantes na cultura da soja, tem resultado em forte pressão de seleção de espécies resistentes ao herbicida. Além do leiteiro, há nove daninhas resistentes no Brasil: Amaranthus palmeri, Amaranthus hibrydus, Chloris elata, Conyza bonariensis, Conyza canadensis, Conyza sumatrensis, Digitaria insularis, Eleusine indica e Lolium multiflorum.

Para que não ocorra o problema de resistência em outras regiões do Brasil, os pesquisadores alertam os produtores para que adotem diferentes estratégias antirresistência.

“É muito importante fazer a diversificação de produtos, com grupos de herbicidas de diferentes mecanismos de ação e adotar a rotação de culturas, enfatiza o cientista. Também é preciso ficar atento às plantas daninhas remanescentes após o controle químico para que o produtor identifique se houve falha no controle ou se pode estar havendo resistência de leiteiro na sua lavoura”, destaca.

 

Fonte:
Embrapa

0 comentário