Pesquisa da PwC revela que investidores retirariam investimentos de empresas que não tenham ações concretas de ESG

Publicado em 13/01/2022 14:04 156 exibições
- 79% dos entrevistados afirmam que o ESG é importante nas tomadas de decisão de investimentos - 82% dos participantes acreditam que as companhias deveriam incorporar o ESG diretamente nas estratégias corporativas - 49% declaram que retirariam os investimentos de uma empresa se ela não demonstrar ações concretas com foco em ESG - 66% disseram que alguém em nível C-suite deve ser responsável pelas políticas ESG da empresa, sendo que 53% avaliam que deve ser o CEO

O crescimento das práticas ESG no mundo e, principalmente, nas empresas chega também no planejamento dos investidores. De acordo com o estudo “PwC Global ESG Survey”, 79% dos mais de 360 investidores ouvidos afirmam que a prática de ESG impacta as tomadas de decisão de investimentos. Quase metade (49%) afirmam que pretendem retirar recursos de empresas sem ações reais em ESG.

Os participantes do estudo são gestores de ativos, analistas de grandes empresas e bancos de investimento e corretoras. Para 82%, o ESG deve estar diretamente ligado às estratégias de negócios das companhias. Outro dado que chama atenção é que para 66% dos participantes o responsável pelas políticas e estratégias ESG deve ser um executivo com cargo de alto nível e de grande responsabilidade, como o CEO da empresa que deveria estar à frente dessas ações na avaliação de 53% dos entrevistados.

No topo das prioridades em ESG, os investidores ouvidos pela firma colocaram a redução das emissões de carbono como o grande destaque (65%), seguido de oferecer um ambiente seguro de trabalho (44%) e promover diversidade e inclusão nas equipes e nas diretorias.

"Ter uma estratégia ESG bem definida, com ações concretas e informações bem detalhadas e divulgadas ao mercado são fundamentais hoje e ainda mais nos próximos anos, quando os investidores estarão cada vez mais atentos a tudo que as empresas estão fazendo no âmbito socioambiental", afirma Mauricio Colombari, sócio da PwC Brasil.

Sacrifício válido

A maioria dos participantes do estudo (75%) afirma que vale sacrificar a lucratividade de curto prazo em prol das questões ESG. “Essas descobertas devem dar algum conforto às empresas que poderiam temer uma eventual crítica por parte de investidores diante de reduções no lucro por ação”, completa Colombari.

Por outro lado, um percentual parecido, 81%, afirma que só estaria disposto a aceitar um corte de um ponto percentual ou menos no retorno do investimento. Quase metade, 49%, não está disposto a aceitar qualquer redução.

A pesquisa apontou também que 1/3 dos investidores avaliam a qualidade das informações divulgadas sobre ESG como boas o suficiente, entretanto há uma lacuna importante nessas informações, o que dificulta uma avaliação clara sobre as performances ESG das companhias, tornando a decisão de investimentos mais difícil.

Os investidores ouvidos pela PwC disseram ainda que querem ajudar as companhias nesse engajamento na jornada ESG, mesmo que seja com seu poder de voto e, se necessário, vendendo seus ativos. A pesquisa completa está disponível no link.

Fonte:
Assessoria de Comunicação

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário