Milho tem nova sessão de boas altas na BM&F nesta 3ª feira e futuros sobem mais de 1%

Publicado em 16/08/2016 12:31
300 exibições

Nesta terça-feira (16), os preços do milho deram início aos negócios do dia em campo misto, porém, passaram para o lado positivo da tabela e registravam um novo dia de altas na BM&F. Os futuros do cereal, por volta de 11h40 (horário de Brasília), subiam mais de 1%, levando o setembro/16 e a se aproximar dos R$ 45,00 por saca ao ser negociado em R$ 44,90. O contrato janeiro/17 valia, no mesmo momento, R$ 45,16. 

O mercado futuro brasileiro de milho vem buscando garantir alguma recuperação, depois de dias consecutivos de queda e vem se consolidando mesmo com um dólar que não sinaliza um reação muito forte. Nesta terça, a moeda norte-americana começou o dia com baixas mais intensas, porém, na sequência passou a atuar com estabilidade e assim tenta se manter. 

A moeda norte-americana, por volta de 12h10 (Brasília), perdia 0,10% para R$ 3,18. 

"O dólar começou o dia em baixa seguindo o exterior, mas voltou um pouco com os comentários do Dudley", disse o superintendente de câmbio da corretora Intercam, Jaime Ferreira, em entrevista à Reuters, e referindo-se ao presidente do Federal Reserve de Nova York, William Dudley, sobre a possibilidade de que o banco central norte-americana possa, já no próximo mês, promover alguma alta na taxa de juros.

Leia mais:

>> Dólar cai ante real após inflação nos EUA, mas presidente regional do FED limita perdas

Bolsa de Chicago

Na Bolsa de Chicago, os futuros do milho seguem trabalhando com estabilidade também, porém, passam a registrar pequenas baixas em um movimento de correção técnica. Apenas o setembro/16 subia 1 ponto, cotado a us$ 3,27 por bushel, enquanto as demais posições recuavam cerca de 0,50 ponto, levando o maio/17 a US$ 3,53. 

O mercado internacional aguarda por novidades, como explicam analistas internacionais, para voltar a registrar oscilações mais expressivas, uma vez que já são conhecidas as boas condições da nova safra americana, a qual também esbarra em uma demanda forte e crescente. 

No reporte semanal de acompanhamento de safras, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) indicou a continuidade de 74% das lavouras do cereal em boas ou excelentes condições, confirmando a possibilidade de se alcançar as 384 milhões de toneladas estimadas pela instituição. No entanto, o portal internacional Farm Futures esperava uma queda de dois pontos percentuais no índice. 

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário