Milho: Mercado ainda busca recuperação e permanece com leves ganhos na CBOT no pregão desta 4ª

Publicado em 14/11/2018 12:18 e atualizado em 14/11/2018 18:00
113 exibições

LOGO nalogo

Durante a sessão desta quarta-feira (14), os preços futuros do milho permanecem próximos da estabilidade na Bolsa de Chicago (CBOT). As cotações ainda testam leves ganhos, entre 0,50 e 0,75 pontos, com o dezembro/18 a US$ 3,67 por bushel e o março/19 a US$ 3,78 por bushel.

As agências internacionais reforçam que o mercado ainda testa uma recuperação depois de cair mais de 1% no dia anterior. O mercado ainda permanece sem novidades e nos últimos dias sendo influenciado pelo comportamento dos preços do trigo. 

No quadro fundamental, os investidores permanecem focados na colheita do milho nos Estados Unidos. Ainda ontem, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) informou que 84% da área semeada nesta temporada já havia sido colhida até o último domingo. O número ficou abaixo das apostas dos participantes do mercado, de 88%, conforme destaca a Reuters internacional. 

Ainda hoje, o USDA reportou a venda de 212 mil toneladas de milho ao México. O volume negociado deverá ser entregue ao longo da campanha 2018/19. 

Mercado brasileiro

Enquanto isso, na bolsa brasileira, as principais posições da commodity operam em campo negativo na sessão desta quarta-feira. Às 11h48 (horário de Brasília), os principais vencimentos do cereal exibiam perdas entre 0,52% e 2,63%. O contrato novembro/18 trabalhava a R$ 36,55 a saca e o janeiro/19 operava a R$ 37,73 a saca. 

Novamente, o mercado acompanha a movimentação cambial. A moeda norte-americana era cotada a R$ 3,780 na venda, perto das 12h09 (horário de Brasília), com desvalorização de mais de 1%.

Segundo informações da agência Reuters, o câmbio passa por uma correção técnica nesta quarta-feira depois das fortes altas observadas. "O dólar também é influenciado pela recuperação das moedas emergentes no exterior nesta sessão, em dia de valorização do petróleo", destacou a agência. 

Tags:
Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário