Milho: Preços internacionais apresentam leves baixas nessa quinta-feira

Publicado em 14/02/2019 12:21 e atualizado em 14/02/2019 17:55
116 exibições

LOGO nalogo

Os preços internacionais do milho na Bolsa de Chicago (CBOT) apresentam leves baixas nessa quinta-feira (14). As principais cotações registravam desvalorizações entre 1 e 1,50 pontos por volta da 11h44 (horário de Brasília). O vencimento março/19 era cotado a US$ 3,77, o maio/19 valia US$ 3,85 e o julho/19 era negociado a US$ 3,93.

Segundo análise de Tony Dreibus da Successful Farming, os grãos em geral permaneceram pouco modificados durante a quinta-feira com os observadores do mercado que continuam aguardando notícias de Pequim sobre as negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China.

As autoridades estão de boca fechada enquanto as conversações progrediram. O presidente Donald Trump disse ontem que as negociações estão indo "muito bem". Stephen Censky, o subsecretário do Departamento de Agricultura dos EUA, teria dito em uma conferência de combustíveis renováveis ​​que Trump se encontrará com o presidente chinês, Xi Jinping, no próximo mês.

Não está claro se os EUA aumentarão sua tarifa em mais de US $ 200 bilhões em bens chineses em 1º de março, o prazo para a conclusão das negociações, mas Trump disse que estaria disposto a estender o prazo.

O representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, reuniram-se com autoridades chinesas, incluindo o vice-primeiro-ministro Liu He, para mais uma rodada de negociações comerciais em Pequim nesta semana.

B3

A bolsa brasileira também segue apresentando leves baixas, próximas da estabilidade. As principias cotações registravam desvalorizações entre 0,19% e 0,34% pontos negativos por volta das 12h03 (horário de Brasília). O vencimento março/19 era cotado a R$ 41,49, o março/19 valia R$ 39,35 e o julho/19 era negociado a R$ 36,00.

De acordo com a XP Investimentos, a firmeza continua dos preços nacionais do milho se mantem. Os produtores reduziram as vendas, uma vez que os fretes dos caminhões estão mais voltados para o transporte da soja neste momento. Isto faz com que os consumidores paguem preços maiores.

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário