China compra milho dos EUA e sustenta altas na Bolsa de Chicago nessa sexta-feira

Publicado em 22/03/2019 18:16 e atualizado em 25/03/2019 09:30
842 exibições

LOGO nalogo

A semana chega ao fim com os preços internacionais do milho futuro operando em alta na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram valorizações entre 1,25 e 2 pontos nesta sexta-feira (22).

O vencimento maio/19 foi cotado a US$ 3,78, o julho/19 valeu US$ 3,87 e o setembro/19 foi negociado por US$ 3,93. Os futuros de maio concluíram a sessão de hoje com uma segunda semana consecutiva de ganhos, firmando mais 1,3% esta semana.

Segundo análise de Ben Potter da Farm Futures, os preços do milho firmaram-se em mais de 0,5% na sexta-feira, ancorados por uma grande compra na China anunciada nesta manhã e preocupados com possíveis atrasos de plantio em partes inundadas das planícies e do meio-oeste.

Nesta sexta-feira os Estados Unidos venderam 300 mil toneladas de milho à China, segundo informou o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). O volume é todo da safra 2018/19.

A publicação destaca ainda que acredita-se que as inundações no centro-oeste e nas planícies tenham interrompido cerca de 13% da capacidade de produção de etanol americano, com as plantas em Nebraska, Iowa e Dakota do Sul recuando ou até fechando as operações por enquanto. O transporte ferroviário também está passando por grandes transtornos no momento.

As temperaturas nos EUA centrais estão previstas para oscilarem acima do normal e ligeiramente abaixo do normal nos próximos dias. O mais recente mapa cumulativo de precipitação de 72 horas da NOAA mostra grande parte do centro-oeste e planícies recebendo mais chuva entre hoje e a próxima segunda-feira (25).

O último surto de enchentes em grandes áreas do centro-oeste e planícies já custou danos à vida, à pecuária e à infraestrutura. Agora, especialistas estão preocupados com outra vítima, os grãos armazenados nas áreas afetadas e em um possível atraso no início do plantio de milho nos EUA.

Mercado Interno

Já no mercado interno, os preços do milho disponível permaneceram sem movimentações em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, as desvalorizações apareceram somente nas praça de Palma Sola/SC (1,56% e preços de 31,50), Londrina/SP (1,79% e preço de R$ 27,50), Dourados/MS (3,23% e preço de R$ 30,00) e Sorriso/MT disponível (6% e preço de R$ 23,50).

A única alta dessa sexta-feira foi registrada em Sorriso/MT balcão (5% e preço de R$ 21,00).

A Radar Investimentos aponta que a prisão do ex-presidente Michel Temer trouxe volatilidade para a relação dólar x real. Esta volatilidade também tem sido refletida de alguma forma nas cotações do milho. No mercado físico, o cereal esteve mais ofertado nesta semana frente às duas anteriores.

Já a XP Investimentos pontua que a semana termina com significativa baixa nas referências do milho. Nos últimos dias, indústrias e granjas paulistas pouco compraram no mercado diferido, favorecidas pelos estoques robustos e o bom fluxo de milho tributado.

O vazio permitiu testes de preços e a amostra da XP Investimentos, atualmente em R$ 37,80/sc, registrou queda de R$ 2,40/sc ou 5,97% em uma semana. A boa evolução das colheitas em lavouras paulistas e dos plantios de inverno no Sul e Centro-Oeste projetam uma boa disponibilidade futura.

O acordo entre o Brasil e EUA, envolvendo a compra de trigo estrangeiro, também sinaliza uma maior disponibilidade, visto que o cereal é um possível substituto dos grãos/cereais nacionais na composição de rações animais.

Nos portos, as indicações para maio/19 ficaram estáveis em R$ 38,00/sc. Apesar da significativa alta da taxa de câmbio, a queda dos prêmios tem contrabalanceado aos níveis.

Confira como ficaram as cotações nessa sexta-feira:

>> MILHO

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário