Chicago segue estável para o milho nessa quinta-feira

Publicado em 11/04/2019 12:10 e atualizado em 11/04/2019 17:08
88 exibições

LOGO nalogo

Os preços internacionais do milho futuro seguem operando de maneira estável nessa quinta-feira (11). As principais cotações registravam desvalorizações entre 0,25 e 0,75 pontos por volta das 11h53 (horário de Brasília).

A Bolsa de Chicago (CBOT) apresentava o vencimento de maio/19 cotado à US$ 3,61, o julho/19 valendo US$ 3,70 e o setembro/19 sendo negociado por US$ 3,78.

O milho foi novamente pouco modificado, o que parece ser um tema comum nas últimas semanas, à medida que traders, produtores e analistas aguardam notícias sobre um acordo comercial entre os EUA e a China, segundo apontado pelo analista Tony Dreibus da Successful Farming.

O vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, reuniu-se com o representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, e com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, na semana passada e conversou com o presidente Donald Trump para discutir um acordo entre as duas maiores economias do mundo.

Todos os lados disseram que as negociações foram proveitosas, levando muitos a acreditar que um acordo estava próximo. Ainda assim, nenhuma notícia saiu de qualquer campo. Trump e seu colega Xi Jinping ainda não agendaram uma reunião em que devem assinar um acordo final.

B3

A bolsa brasileira segue essa tendência e também opera com leves baixas, próximas da estabilidade nessa quinta-feira. As principais cotações registram desvalorizações entre 0,39% e 0,86% por volta das 11h48 (horário de Brasília).

O vencimento maio/19 era cotado à R$ 35,68, o julho/19 valia R$ 33,30 e o setembro/19 era negociado por R$ 33,95.

De acordo com a Agrifatto Consultoria, os preços futuros continuam em movimentação técnica, com os vencimentos respeitando os limites gráficos na última semana. O vencimento para maio resiste em superar a barreira em R$ 36,00. Por outro lado, o contrato para setembro fica próximo dos R$ 34,00/sc, tendo testado esse suporte três vezes nos últimos 7 dias.

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário