Milho: Desvalorizações ganham força em Chicago nesta terça-feira

Publicado em 03/09/2019 12:32 e atualizado em 03/09/2019 17:08
334 exibições
Temperaturas das próximas semanas devem ajudar desenvolvimento da safra americana

LOGO nalogo

As desvalorizações nos preços internacionais do milho futuro ganharam força ao longo desta terça-feira (03) na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações operavam com baixas entre 6,00 e 7,50 pontos por volta das 12h20 (horário de Brasília).

O vencimento setembro/19 era cotado à US$ 3,50 com queda de 7,50 pontos, o dezembro/19 valia US$ 3,62 com desvalorização de 7 pontos, o março/20 era negociado por US$ 3,75 com baixa de 6,75 pontos e o maio/20 tinha valor de US$ 3,84 com perda de 6 pontos.

Segundo informações da Successful Farming, o milho está mais baixo nas negociações, principalmente em clima favorável em grande parte do Cinturão do Milho, pelo menos nos próximos dias.

“As plantações estão recebendo ou receberão a chuva necessária em algumas áreas esta semana, mostram as previsões. Prevê-se que as temperaturas estejam entre os 80°F (26,66°C) e os 60°F (15,55°C) nesta semana. Ainda é possível que a temperatura atinja os 90°F (32,22°C) por um dia ou dois em partes do cinturão do milho, o que deve acelerar a maturidade nas variedades plantadas tardiamente”, aponta o analista Tony Dreibus.

A publicação também destaca que, ainda assim, os preços estão sendo controlados enquanto os investidores ficam de olho na guerra comercial Estados Unidos-China que segue em andamento.

“Novas tarifas dos EUA sobre produtos chineses entraram em vigor no domingo, já que cerca de US$ 115 bilhões estarão sujeitos a uma taxa de importação de 15%. O assessor do governo chinês Wang Huiyao disse que agora cabe ao presidente Donald Trump encerrar o impasse”, pontua Dreibus.

B3

Já a bolsa brasileira opera próxima da estabilidade e com cotações em campo misto nesta terça-feira (03). Os principais contratos registavam movimentações entre 0,29% negativo e 0,13% positivo por volta das 12h05 (horário de Brasília).

O vencimento setembro/19 era cotado à R$ 37,11 com valorização de 0,13%, o novembro/19 valia R$ 38,22 com desvalorização de 0,29% e o janeiro/20 era negociado por R$ 39,85 com estabilidade.

A Agrifatto Consultoria destaca essas movimentações e a sequência ao cenário de baixa liquidez, além da procura por preços maiores.

O país alcançou um novo recorde com as exportações de milho em agosto, enviando 7,65 milhões de toneladas, alta de 26,7% frente ao mês anterior. Na comparação anual, o volume subiu 183% (em agosto/18, o país enviou 2,82 milhões de tons).

“A ampla produção brasileira e o câmbio em alta mantém a competitividade brasileira no mercado internacional, aquecendo as negociações nos portos. A continuidade deste cenário deve levar o país a alcançar o maior volume de exportação para uma temporada, com a quantidade exportada estimada hoje em 38 milhões de toneladas”.

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário