Milho encerra a 6ªfeira com leves quedas em Chicago e fica praticamente estável na semana

Publicado em 20/09/2019 16:54 e atualizado em 23/09/2019 09:28
343 exibições
Contrato dezembro subiu, março ficou estável e maio caiu

LOGO nalogo

Após operar durante a maior parte do dia estável, os preços internacionais do milho futuro terminam a sexta-feira (20) com leves desvalorizações. As principais cotações registraram quedas entre 2,00 e 2,25 pontos.

O vencimento dezembro/19 foi cotado à US$ 3,70 com queda de 2 pontos, o março/20 valeu US$ 3,81 com baixa de 2,25 pontos, o maio/20 foi negociado por US$ 3,89 com desvalorização de 2,25 pontos e o julho/20 teve valor de US$ 3,95 com perda de 2,25 pontos.

Esses índices representaram perdas, com relação ao fechamento da última quinta-feira, de 0,27% para dezembro/19, de 0,26% para o março/20, de 0,26% para o maio/20 e de 0,25% para o julho/20.

Com relação ao fechamento da última sexta-feira (13), os futuros do milho acumularam ganhos de 0,54% no dezembro/19, estabilidade para o março/20 e perda de 0,26% para maio/20 na comparação dos últimos sete dias.

Segundo informações da Agência Reuters, os preços do milho caíram, assim como o trigo e a soja, embora ambos os grãos tenham fechado com modestos ganhos semanais.

“As notícias de que autoridades chinesas haviam cancelado uma visita a fazendas em Nebraska e Montana na próxima semana abalaram os mercados que se firmaram um dia antes. Autoridades estão se reunindo em Washington nesta semana para negociações em nível de deputado, com o objetivo de avançar em direção a uma resolução de guerra comercial”, comenta Karl Plume da Reuters Chicago.

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) deve atualizar as classificações das condições das culturas de milho e soja em um relatório semanal na segunda-feira e o clima segue sendo acompanhado de perto.

“Prevê-se um clima ameno no Centro-Oeste dos Estados Unidos durante pelo menos os próximos 15 dias. Chuvas acima do normal nesse período podem ajudar as lavouras que não têm umidade este mês, mas também podem atrasar algumas colheitas precoces”, diz Plume.

Mercado Interno

No mercado físico brasileiro, a sexta-feira registrou cotações permanecendo sem movimentações, em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, não foram registradas desvalorizações.

Já as valorizações foram percebidas nas praças de Assis/SP (1,64% e preço de R$ 31,00), Cascavel/PR (1,79% e preço de R$ 28,50) e Campo Novo do Parecis/MT (2,04% e preço de R$ 25,00).

Veja mais cotações desta sexta-feira.

Para a XP Investimentos, assim como nos últimos dias, o mercado físico de milho fica com poucas alterações. Enquanto compradores e vendedores se testam com bid/offer, o fluxo de comercialização fica praticamente nulo.

“Nenhuma das partes possui um grande interesse ou necessidade de concretizar os negócios e, assim, os negócios se arrastam. A novidade fica por conta das retomadas de alta no dólar, voltando a elevar as indicações de portos”, pontuam os analistas.

Relembre outras notícias sobre o milho desta semana:

>> Milho: Demanda eleva Indicador, mas preços recuam no Centro-Oeste

>> Média diária de exportações brasileiras de milho em setembro é 88% maior do que ano passado

>> Imea indica aumento de 11,84% no custo operacional do milho em Mato Grosso

>> Colheita do milho safrinha se encerra no Paraná, segundo Deral

>> Safra de milho do Brasil estimada em recorde, na torcida por chuvas para soja

>> Emater aponta que Rio Grande do Sul deve ter área de milho 1% maior nesta safra

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário