Milho segue com baixas em Chicago após classificações de safras não caírem como o esperado

Publicado em 16/10/2019 12:07 e atualizado em 16/10/2019 16:58
267 exibições
Expectativa de rendimento das lavouras caiu apenas 0,52 sacas por hectare

LOGO nalogo

Os preços internacionais do milho futuro seguem contabilizando perdas na Bolsa de Chicago (CBOT) ao longo desta quarta-feira (16). As principais cotações registravam quedas entre 3,00 e 3,75 pontos por volta das 11h56 (horário de Brasília).

O vencimento dezembro/19 era cotado à US$ 3,89 com desvalorização de 3,75 pontos, o março/20 valia US$ 4,01 com queda de 3,25 pontos, o maio/20 era negociado por US$ 4,07 com perda de 3 pontos e o julho/20 tinha valor de US$ 4,12 com baixa de 3 pontos.

Segundo informações da Farm Futures, os preços do milho ficaram mais baixos no início do dia e ainda não saíram desse buraco. As preocupações com a demanda não foram compensadas pelas classificações de safras que não apresentaram uma queda séria na semana passada.

“Os campos da Dakota do Norte, Minnesota e Wisconsin sofreram mais com a onda de frio, mas as perdas em todo o país foram pequenas. Embora nosso modelo de rendimento baseado em relatórios de condições tenha mostrado um potencial de queda de quase 4 bushels por acre (4,18 sacas por hectare) em Dakota do Norte, os rendimentos em todo o país caíram apenas cerca de meio bushel por acre (0,52 sacas), com nossa média em 168,3 bpa (176 sacas por hectare)”, aponta o analista de grãos Bryce Knorr.

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) disse que 73% da safra está madura, um aumento de 15% em relação à semana passada, mas 19% atrás da média. Apenas 42% de Dakota do Norte estavam a salvo antes do frio da semana passada. O USDA em todo o país estima a colheita em 22%, contra 36% em média.

B3

Já na bolsa brasileira, os preços do milho apresentam leves ganhos nesta quarta-feira. As principais cotações registravam altas entre 0,86% e 1,05% por volta das 11h56 (horário de Brasília).

O vencimento novembro/19 era cotado à R$ 42,13 com alta de 0,91%, o janeiro/20 valia R$ 43,17 com valorização de 0,86% e o março/20 era negociado por R$ 43,20 com ganho de 1,05%.

Em seu reporte diário, a Agrifatto Consultoria destaca que o cenário aponta para preços fortalecidos no mercado físico, e que já estão sendo precificado em bolsa com as novas valorizações de hoje.

“Além disso, o dólar também colabora para pressão positiva, com a alta de ontem (15) colocando o câmbio em R$ 4,17 - o maior valor desde o início de setembro deste ano. E assim, as cotações em Paranaguá voltaram aos patamares em R$ 40,00/sc, com negociações para entrega em novembro e pagamento no mês seguinte”, diz a nota.

Tags:
Por: Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário