Publicidade

Suiá Missú: Movimento em prol da região é cancelado pela Famato e sindicatos rurais

Publicado em 14/12/2012 13:38 e atualizado em 14/12/2012 17:50 1992 exibições
Nesta sexta-feira (14), a desocupação da gleba Suiá Missú, no nordeste do Mato Grosso, continua e a ação da Justiça Nacional entra em seu quarto dia. O clima ainda é muito tenso na região, as polícias Federal e Federal Rodoviária e a Força Nacional continuam mobilizadas e colocando em prática as ordens judiciais de despejo. 

Há pouco, o movimento em prol da Suiá Missú que aconteceria no povoado de Posto da Mata, entre os municípios de Alto Boa Vista e São Felix do Araguaia, nesta sexta-feira foi cancelado pelos sindicatos rurais locais e pela Famato (Federação da Agropecuária do Estado do Mato Grosso). Em entrevista à Agência da Notícia, site de notícias do MT, o produtor rural Sebastião Prado afirmou que a confirmação do cancelamento veio do próprio presidente da Famato, Rui Prado. 

“O Rui nos ligou e avisou que não viria mais porque existe a informação de que o Ministério Público poderia responsabilizar as entidades pelo movimento de resistência no Posto da Mata, assim com a Justiça poderia decretar a prisão dos líderes do movimento, isso que está acontecendo aqui é uma grande covardia, estamos tolhidos de lutar por aquilo que acreditamos”, disse Prado. 

O movimento reuniria, segundo informações dos produtores locais, mais de mil pessoas e seria celebrado um culto ecumênico com o objetivo de promover a paz na região. Segundo a assessoria de comunicação da Famato, a entidade decidiu por cancelar o evento como forma de prevenção de novos conflitos e para preservar seus dirigentes, que já estariam sendo investigados pela Polícia Federal sob suspeita de incitar protestos contra a desocupação. Abaixo, veja uma nota de esclarecimento da Famato:

NOTA DE ESCLARECIMENTO
 
Nesta semana a Famato manifestou pesar pelas pessoas que acreditaram nas promessas de terceiros ou do próprio Estado e construíram suas vidas na Gleba Suiá Missu há 40 anos. Em nenhum momento, a entidade propôs ou estimulou o descumprimento de ordem judicial.  E para reforçar nosso posicionamento, reapresentamos a nota enviada à imprensa no início desta semana, na íntegra:
 
A Famato manifesta tristeza e profundo pesar com o início do processo de desintrusão na Gleba Suiá-Missú. A retirada das famílias começou efetivamente nesta segunda-feira (10.12) e da forma como foi prometida pelos moradores daquela região, com resistência às ações dos policiais da Força Nacional e da Polícia Rodoviária Federal (PRF).
 
É lamentável testemunhar o desespero destas pessoas que estão sendo arrancadas de sua história e do seu chão. Ainda que todos os indícios antecipavam este triste desfecho, alimentávamos a esperança de outro fim.
 
A Famato manifesta sua solidariedade às famílias atingidas, embora saiba que isso em nada alivia este sofrimento.


População de Suiá Missú se reúne no Posto da Mata
Foto: Agência da Notícia

O cenário da região da gleba Suiá Missú ainda é o mesmo descrito desde o início da semana, quando começou a desocupação. As forças policiais permanecem no local e o risco de novos conflitos persiste. 

Aos poucos, as famílias locais vão deixando grandes e pequenas propriedades, levando seus pertences e seu animais, gado tocado a burro ou transportado em carretas. Alguns já se conformaram com a situção e deixam suas propriedades sem resistência, outros, por outro lado, afirmam que lutarão até as últimas consequências e que estão dispostos a "morrer por suas terras". 

De acordo com o relato de produtores locais, muitas dessas famílias nem ao menos têm para onde ir, a exemplo disso foi um senhor de 46 anos que, após serdespejado, se alojou temporariamente em uma barraca na beira da BR-080. Além disso, os pecuaristas da região estariam ainda vendendo suas cabeças de gado a preços defasados para não perderem os animais ou amargarem prejuízos ainda maiores. A desvalorização em Suiá Missú pode chegar a 30%, com os pagamentos podendo ser feitos em até seis meses. 

Conforme os dias vão passando, as historias de que quem perdeu tudo ao perder aquele pedaço de chão que já habita há anos vão sendo conhecidas. Segundo Sebastião Prado, produtor rural de São Felix do Araguaia, cerca de 5% da população da gleba já teria sido desapropriada e ninguém foi reassentado até o momento. Há relatos ainda de que as forças policiais estariam ameaçando as casas dos moradores locais.

O contato com moradores e comerciantes no povoado de Posto da Mata tem sido precário nos últimos dias. Os celulares não funcionam e as linhas convencionais estão com acesso restrito. Segundo Roberto Soares, comerciante local, as contas não chegam ao povoado há alguns meses , dificultando o pagamento dos serviços e "dessa forma, sem o pagamento das contas, as linhas ficam aptas apenas ao recebimento de chamadas e mesmo assim, com muita dificuldade".

Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

12 comentários

  • Giovanni Rezende Colinas do Tocantins - TO

    Primeiro foi o INCRA (índices de ocupação e de produtividade), depois o IBAMA, agora a FUNAI. Chega de terrorismo no campo. Chega de política do CAOS. Nós temos o direito de vivermos em paz. De respeito ao Ato Jurídico Perfeito, ao Direito Adquirido e a Coisa Julgada. Respeito ao Direito à Propriedade. Respeito ao Cidadão.

    0
  • salvador reis neto Santa Tereza do Oeste - PR

    esse pessoal de sindicato e cna so e bom de comversa na nos escritorios no ar codicianado ou em viagens para o exterior com todo tipo de mordomia, mas quando e preciso dar a cara pra bater e estar a frente de uma reenvidicaçao ou uma sutuaçao como esta desocupaçao de agricultores que nao cometeu crime algum, estao trabalhando e prouzindo alimentos gerando riquezas para o paiz.enrolam o rabo sentam em cima.covardes essa e a palavra bando de covardes.

    0
  • Marcelo Zarvos Linhares São Paulo - SP

    Mais uma expoliação.

    Mais uma área importante de gente séria, produtres rurais que dedicaram suas vidas a ela, será entregue a quem exige tudo e nada faz.

    Vitória dos parasitas.

    0
  • PAULO ADRIANO GAI CERVO sapezal - MT

    Por muito, muito menos do que estao fazendo, em outras terras (por exemplo na Argentina), as estradas estariam fechadas, so portos fechados, as pontes fechadas e as entidades que devem nos representar estariam LÁ, COM SEUS MANDATARIOS LÁ, NA PONTA, ONDE A BRIGA ACONTECE! SE VAO SER RESPONSSABILIZADOS QUE SEJAM! ESTAS ENTIDADES TEM DEPARTAMENTO JURIDICO PRA DEFENDER! O PAPEL DE QUEM ASSUME A LIDERANCA DE UMA ENTIDADE É DIRIGI-LA NAS REUNIOES, ASEMBLÉIAS, VIAGENS AO EXTERIOR, REUNIOES GLAMOUROSAS COM GOVERNADORES, MINISTROS E O ESCAMBAU MAS TAMBEM AGUENTAR A PRESSAO NOS MOMENTOS QUE ISSO FOR INDISPENSSAVEL. VAMOS NOS ACOVARDAR, NO MOMENTO QUE O AGRICULTOR MAIS PRECISA? VAMOS NOS RETIRAR POR QUE PODEMOS SOFRER REPRESALIAS? ACHO UMA VERGONHA! NO MOMENTO NAO EXISTE OUTRA ALTERNATIVA SENAO RESISTIR, PACIFICAMENTE, MAS ESTAR LA RESISTINDO, SER DESALOJADO JUNTO COM AQUELE POVO E A RESISTENCIA SÓ TERA RESULTADO SE AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS LIDERAREM DE VERDADE, EM CAMPO. Depois, quando tudo passar, sera tarde. Nada mais aidiantara fazer, a nao ser, sermos lembrados como parte daqueles que perderam a oportunidade de ajudarem a construir uma historia de respeito ao Homem do Campo.

    0
  • ANTERO CIOCCARI Água Boa - MT

    Foi-se a última esperança para o povo da Suiá-Missu. A classe produtora, da qual faço parte não está ainda suficientemente organizada para esse tipo de enfrentamento. Perdemos em organização para o PT e para o PCC. Jamais pensei que nossas liderança pudessem se borrar na hora h e cancelacem o protesto que seria feito no dia de hoje. Pagamos boas contribuições para a CNA, CREA, Famato, Aprosoja, etc... e eles se limitam a publicar notas de repúdio ao processo de desintrusão, ficando bem de longe para não serem atingidos por algum respingo. Pura covardia. Povo da Suiá-Missu, é vocês e só vocês para defendê-los. As lideranças políticas e classistas já se foram. Ninguém quer se queimar. Me pergunto se vale a pena vocês lutarem até a morte, essa luta inglória, num país como o nosso. Está vindo aí uma nova Raposa Serra do Sol. E outras mais virão se providências não forem tomadas. É revoltante, mas é a realidade.

    0
  • NILTON PEDROSO DIAS Amambai - MS

    E lamentável o cancelamento da manifestação . Sei como deve ser difícil para essa entidades “SINDICATOS , FAMATO , CNA E OUTROS...” mas essa entidades que representam nossos ruralistas seria a ultima esperança daquele povo, são entidades que tem forca política . Agora e esperamos a desoculpacao acontecer e lamentar o que aconteceu no dia de amanha

    0
  • Frederico Schmidt Carambeí - PR

    Lamentável isso, CRISTIANO SPIGOSSO, parece que interessa mais julgar o Mensalão, dá mais Ibope, e o recesso do jurídico está aí né, mais interessa as férias que o problema dos outros...

    0
  • Cristiano Spigosso Rondonópolis - MT

    FREDERICO SCHMIDT | CARAMBEÍ - PR, Isso já foi feito, todavia o Ministro Joaquim Barboza simplesmente não julga o pedido!!!!

    0
  • Edison tarcisio holz Terra Roxa - PR

    tem que enfrentar a funai não a justisa botem eles pra correr

    0
  • Wesley Henrique Sorriso - MT

    Olha....não é a primeira vez que vemos as autoridades brasileiras tomar estas atitudes covardes contra nossos produtores. O novo código Florestal é outro exemplo de retrocesso, obrigando nossos produtores a reflorestar e fazer outras coisas mais, depois de mais de 30 anos, quando naquela época eram permitidos as questões de aberturas de áreas para produção e desenvolvimento.

    Agora essa questã ai de devolução de terras pros índios....sou a favor de respeitá-los.....pois estes foram os primeiros donos das terras.

    Porém....depois de tanto tempo....o governo toma esta atitude....me desculpem....pra nada.

    Vão restituir as terras pro índios e eles vão fazer o que?....plantar....produzir....vão fazer igual fizeram em uma notícia que ouvi....em um site..http://noticias.r7.com/internacional/noticias/indios-vendem-direito-sobre-terras-amazonicas-a-empresa-europeia-20120311.html...ai está o link pra quem quiser ver.....e sobre isso...governo não faz nada?.....puta que pariu!!!!...da nojo de ser Brasileiro nessas horas!!!!!!!!!

    0
  • Frederico Schmidt Carambeí - PR

    Pergunto: Por que ainda ninguém entrou com uma liminar na justiça? Se forem ficar esperando que alguma entidade ou instituição, seja governamental ou não, faça isso, esqueçam. A CNA, o Governo, a Federações, Sindicatos, todos estes órgãos, ameaçados ou não pelo Ministério, deveriam representar os interesses dos seus colaboradores, ou então é melhor acabar com o ITR e a Contribuição Sindical, já que para NADA adianta. Estou à kilômetros de distância, mas a própria população deveria buscar um advogado ou um representante e entrar com uma liminar, caso isso seja possível ainda. De processos judiciais entendo pouco ou quase nada, mas injustiça sendo feita não precisa ser nem letrado para entender.

    0