Ibovespa fecha em leve queda após S&P cortar rating do Brasil

Publicado em 12/01/2018 18:05 e atualizado em 12/01/2018 18:59
49 exibições

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da bolsa paulista fechou praticamente estável nesta sexta-feira, após renovar máxima histórica intradia, ensaiando algum ajuste depois que a agência de classificação de risco Standard & Poor's rebaixou a nota de crédito do Brasil, mas com o movimento limitado pela manutenção de perspectivas otimistas no exterior e localmente.

O Ibovespa fechou com variação negativa de 0,02 por cento, a 79.349 pontos, acumulando alta de 0,35 por cento na semana. O giro financeiro somou 9,1 bilhões de reais.

O movimento ao longo do pregão foi predominantemente no território negativo, embora o índice tenha ensaiado uma retomada, marcando variação positiva de 0,09 por cento no melhor momento da sessão, a 79.440 pontos, nova máxima histórica intradia.

Na noite passada, a S&P cortou o rating do Brasil para BB-, ante BB, citando a demora na aprovação de medidas para reequilibrar as contas públicas e também em meio a incertezas com as eleições deste ano.

O corte do rating não foi o suficiente para pressionar o Ibovespa, que segue perto de máximas recordes, ajudado ainda pela manutenção de um forte fluxo de investimento estrangeiro neste início de ano.

Apenas nos sete primeiros pregões do ano o saldo externo ficou positivo em quase 3 bilhões de reais, muito acima do verificado no mesmo período do anterior, de cerca de 1,3 bilhão de reais.

"Há fluxo favorável para o mercado e as quedas acabam acontecendo mais no intraday ou são absorvidas rapidamente em função do noticiário positivo e do fluxo", disse o sócio analista da Eleven Financial Raphael Figueredo.

DESTAQUES

- KROTON ON teve baixa de 4,33 por cento e ESTÁCIO PARTICPAÇÕES ON perdeu 2,63 por cento, entre as maiores quedas do Ibovespa após a avaliação da Controladoria-Geral da União (CGU) apontando que alunos do Fies pagam mensalidades mais caras que estudantes for a do programa. Os papéis da Kroton tiveram pressão adicional ainda na esteira do corte na recomendação do papel e no preço-alvo pelos analistas do JP Morgan.

- ELETROBRAS ON recuou 2,27 por cento e ELETROBRAS PNB caiu 1,4 por cento, à espera de novidades sobre o processo de privatização, após uma liminar suspender, na véspera, trecho da medida provisória que retirava vetos à privatização da elétrica e de suas subsidiárias, em ação que pode afetar os prazos da privatização.

- PETROBRAS PN teve alta de 0,29 por cento e PETROBRAS ON subiu 0,77 por cento, após trocar de sinal algumas vezes ao longo da sessão e firmando-se no azul conforme os preços do petróleo no mercado internacional também migraram para o território positivo.

- VALE ON subiu 0,58 por cento, devolvendo as perdas vistas mais cedo e indo na contramão do movimento dos contratos futuros do minério de ferro na China, que caíram nesta sessão.

- USIMINAS PNA teve alta de 2,04 por cento, mantendo o tom positivo após a melhora na véspera do preço-alvo para os papéis das siderúrgicas pelo BTG Pactual. GERDAU PN, no entanto, terminou a sessão estável e CSN ON devolveu os ganhos vistos mais cedo e fechou em queda de 3,13 por cento, em movimento de ajuste após as altas recentes.

Acordos entre empresas sustentam bolsas europeias em alta

MILÃO (Reuters) - Acordos entre empresas conduziram a alta dos preços das ações na Europa nesta sexta-feira com a empresa de engenharia britânica GKN rejeitar uma oferta não solicitada da rival Melrose.

O índice FTSEurofirst 300 subiu 0,23 por cento, a 1.568 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhou 0,31 por cento, a 398 pontos.

Depois de rejeitar a oferta da Melrose, a GKN estabeleceu planos para se dividir em empresas aeroespaciais e automotivas. Com isso, as ações da GKN saltaram pouco mais de 26 por cento e impulsionavam os papéis do setor automotivo.

Embora o STOXX tenha registrado sua segunda semana seguida de ganhos, com um aumento de 0,3 por cento, essa alta ficou aquém do avanço de 2 por cento da semana de abertura de 2018, com o fortalecimento do euro e expectativas de que o Banco Central Europeu poderia reduzir seu estímulo mais cedo do que o esperado esfriando a euforia do ano novo.

No entanto, o índice manteve-se próximo das máximos de 2 anos e meio, uma vez que dados econômicos sólidos alimentaram fluxo para as ações da região.

Kering atingiu nível recorde depois que o grupo francês de produtos de luxo anunciou planos de separar a marca alemã de esportes Puma para que os acionistas foquem em outras marcas mais sofisticadas.

Puma caiu perto de 6 por cento, enquanto a Kering ganhou apenas 0,1 por cento.

O índice FTSEurofirst 300 fechou em alta de 0,17 por cento, a 1.566 pontos.

Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,20 por cento, a 7.778 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,32 por cento, a 13.245 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 0,52 por cento, a 5.517 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 0,53 por cento, a 23.429 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,26 por cento, a 10.462 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,37 por cento, a 5.623 pontos.

Fonte: Reuters

Nenhum comentário