De que lado você está? Por João Batista Olivi

Publicado em 19/09/2018 11:53 e atualizado em 30/09/2018 05:42
5551 exibições

LOGO nalogo

Está chegando a hora das definições. 

Momento em que todos terão decidir...de que lado você está? 

Qual a melhor proposta? 

Qual lado possibilita uma vida mais justa, próspera e harmoniosa?

Feita as escolhas, não se esqueçam, virá a conta. O ajuste...Teremos de decidir se vamos continuar vivendo uma vida de ilusão, transferindo o problema para os mais jovens, para as futuras gerações, ou se vamos pagar a conta.

Liberdade economica

Esse novo Ibope trouxe algumas indagações: primeiro, cadê a espontânea? Segundo, observemos a luta pelos votos dos indecisos, um a um, voto a voto... Importante saber sobre a capacidade de transferência de votos dos alijados da disputa, através do voto útil. A pesquisa diz que há alta possibilidade de transferência, principalmente entre os mais bem informados, na casa dos  30%. Mas quantos serão os votos anti-PT? 

Lembrem-se: Lula chegou a 40%, segundo o Ibope. Já Haddad teria 19% (na estimulada), mas com rejeição subindo na mesma proporção. Sim, crescimento entre pobres nordestinos e os desinformados. Sim, mas quanto entre os desempregados?

A decepção de Alckmin, dono de um latifúndio improdutivo na TV, transformará o eleitor do voto do PSDB no "tertius" da eleição plebiscitária e polarizada.

Voltamos à pergunta inicial: qual a melhor proposta?

O socialismo (como o de Maduro, na Venezuela) como quer Lula, censurando a imprensa e aumentando a carga sobre a classe produtora? 
Ou a  liberdade? 

Os pobres começam a perceber, através da informação na internet, que Lula - o pai dos pobres - os enganou. Deu-lhes a ilusão do crédito fácil, o endividamento, e, junto, a submissão...Como se fosse uma corda, que, ao invés de os retirarem do sufoco, os levou ao enforcamento, os levou para a tirania do totalitarismo.

E quem ousa discordar acaba levando uma facada!!!

O  totalitarismo atende pelo nome de Lula, e não Fernando Haddad, que é apenas um desconhecido, um estafeta, um "leva e traz" , de quem não sabemos o que pensa... Já sobre o tirano, sabemos bem.

Portanto, a decisão está com você...de que lado você está?

(João Batista Olivi, jornalista).

O PT quer ‘tomar o poder’ (editorial do ESTADÃO)

Ao afirmar que é apenas uma “questão de tempo” para que o PT efetivamente tome o poder, José Dirceu, réu triplamente condenado, dá a entender que esse processo já está em curso.

Um regime autoritário pode se instalar da maneira clássica, por meio de um golpe, ou como resultado de um paulatino processo de captura do poder por um determinado grupo político, que assegura sua hegemonia a partir do aparelhamento do Estado. De um modo ou de outro, o resultado é sempre o mesmo: a submissão do Estado - e da Nação - aos interesses de quem o controla, o exato oposto de uma democracia. É precisamente isso o que o PT tentará fazer se esse partido conseguir vencer a eleição presidencial.

Para os que ainda concedem ao PT o benefício da dúvida, enxergando naquele partido credenciais democráticas que a sigla há muito perdeu - se é que um dia as teve -, recomenda-se a leitura de uma entrevista que o “companheiro” José Dirceu deu ao jornal El País.

Na entrevista, o jornal pergunta ao ex-ministro, deputado cassado e réu triplamente condenado se ele acredita na possibilidade de que o PT seja impedido de assumir a Presidência caso vença a eleição - ou seja, se pode haver um golpe. José Dirceu considera essa hipótese “improvável”, pois significaria colocar o Brasil na rota do “desastre total”, uma vez que “na comunidade internacional isso não vai ser aceito”. Mas então Dirceu, condenado a mais de 33 anos de prisão por corrupção no âmbito da Lava Jato, deixa claro que, para o PT, as eleições, afinal, são apenas uma etapa na tomada do poder. “Dentro do país é uma questão de tempo para a gente tomar o poder. Aí nos vamos tomar o poder, que é diferente de ganhar uma eleição”, explicou o ex-ministro.

Não é preciso grande esforço para perceber o projeto antidemocrático petista nessas poucas palavras. Quando diz que “tomar o poder” é diferente de “ganhar uma eleição”, significa que o poder pode ser conquistado e consolidado à margem ou mesmo a despeito do natural processo democrático - que, justamente, tem como um de seus fundamentos a alternância de governantes, para evitar a cristalização de um determinado grupo político-partidário na máquina estatal.

Ao afirmar que é apenas uma “questão de tempo” para que o PT efetivamente tome o poder, Dirceu dá a entender que esse processo já está em curso. Pode-se dizer que os esquemas arquitetados pelo PT e seus associados para corromper o Congresso eram parte da estratégia, e só não foram mais longe porque houve um acidente de percurso - a Operação Lava Jato.

Mas há um aspecto menos escandaloso e mais insidioso nessa ofensiva do PT, que é a construção, passo a passo, da hegemonia do pensamento e da ação petistas em diversos setores da sociedade - e, para que essa estratégia insinuada por Dirceu seja bem-sucedida, é preciso contaminar de petismo também as instituições sobre as quais repousa a tarefa de garantir a democracia. Foi exatamente o que o chavismo fez na Venezuela, não à toa um modelo de “democracia” para os petistas. 

Em resolução publicada depois do impeachment da presidente Dilma Rousseff, em 2016, o PT lamentou não ter se concentrado na “construção de uma força política, social e cultural capaz de dirigir e transformar o País”, o que incluía a reforma do Estado para se contrapor ao que chamou de “sabotagem conservadora”, e disse ter falhado ao não “promover oficiais (das Forças Armadas) com compromisso democrático e nacionalista” - isto é, militares alinhados ao PT.

Mas, como constatou Dirceu, nem o impeachment de Dilma nem a prisão do máximo líder da camarilha petista, Lula da Silva, interromperam o empreendimento autoritário do partido. Ao contrário: a autorização dada ontem pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski para que Lula possa dar entrevistas na cadeia mostra o quanto as instituições basilares da democracia continuam permeáveis ao lulopetismo. 

Para permitir que Lula, encarcerado por corrupção e lavagem de dinheiro, dê declarações com potencial para influir na disputa presidencial, tumultuando um processo já bastante confuso, Lewandowski invocou a “liberdade de imprensa”. Ou seja, recorre-se a um dos princípios mais caros aos regimes democráticos para garantir a Lula um privilégio - situação por si só incompatível com uma democracia, mas muito coerente com a “tomada de poder” pelo PT.

 Guardia reforça necessidade de reformas e defende abertura do mercado brasileiro

SÃO PAULO (Reuters) - O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, reforçou nesta quarta-feira a necessidade de o Brasil seguir no caminho das reformas fiscais, destacadamente a da Previdência devido ao aumento da despesas, além de defender uma maior abertura do mercado do país.

"Para o país continuar crescendo, é necessário enfrentar a questão do desequilíbrio fiscal. A despesa está em uma trajetória insustentável e vem acelerando desde 2010. Os causadores desse crescimento são benefícios previdenciários e despesas obrigatórias, por isso, a reforma da Previdência é urgente na discussão sobre ajuste desse déficit", afirmou Guardia durante evento em São Paulo.

O ministro voltou a argumentar que a implementação de um sistema de capitalização não resolve o problema atual da Previdência, destacando que vê a oportunidade de colocar o tema em votação em novembro se o novo presidente eleito em outubro concordar.

"Temos que falar de equidade de regras, idade mínima e uma regra de transição. O que me preocupa é quando desviamos deste tema e começamos a falar de sistema de capitalização, porque esse caminho tende a agravar a situação fiscal", completou Guardia.

A manutenção do teto de gastos é outro ponto necessário para o país prosseguir no caminho do ajuste gradual e do equilíbrio fiscal, mas para tanto é preciso "encarar com seriedade essa questão", disse o ministro.

As afirmações foram dadas no momento em que as principais candidaturas à Presidência são questionadas sobre como equilibrar o desajuste das contas públicas. À Reuters, a campanha de Ciro Gomes (PDT) disse ser a favor de controle dos gastos, mas sem incluir na regra do teto as despesas com investimentos. Também se posicionaram contra a atual regra do teto as campanhas de Marina Silva (Rede) e Fernando Haddad (PT).

Já os assessores econômicos de Jair Bolsonaro (PSL) e Geraldo Alckmin (PSDB) indicaram ser favoráveis à manutenção do mecanismo que limita o crescimento dos gastos do governo à inflação do ano anterior.

ABERTURA

Guardia defendeu ainda uma maior abertura de mercado do Brasil, por meio de arranjos de acordos internacionais para reduzir os custos de fazer negócios no país.

"Nós temos que sair do modelo de que todo o investimento em infraestrutura tem que vir de bancos públicos porque essa é uma situação insustentável. Alguns setores vão sofrer com esse processo, mas a abertura do mercado brasileiro é importante porque hoje o país ainda é muito fechado", disse.

Sobre a questão tributária, o ministro destacou que o Brasil não tem hoje como abrir mão da receita, e em meio a isso o governo está trabalhando na reforma do PIS/Cofins e do ICMS.

"Estamos também trabalhando com a proposta de tributação a pessoa jurídica, e pretendemos apresentá-la até o final do ano como um contribuição para um movimento futuro", completou

(Por Stéfani Inouye)

Por: João Batista Olivi
Fonte: Notícias Agrícolas/Reuters

2 comentários

  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Nas Aulas de Estatística seriam consideradas esdrúxulas as simulações de 2º Turno entre os primeiros colocados na Pesquisa de Opinião do 1º Turno com aqueles candidatos que na mesma Pesquisa se apresentam sem a menor chance de chegar ao 2º Turno.
    Afinal de contas, para quê serve um Intervalo de Confiança de 95% para variações de 2,0% para cima e para baixo?
    Como se vê, o emburrecimento para imbecilização dos brasileiros é público e notório.

    3
    • DALZIR VITORIAUBERLÂNDIA - MG

      Caro Telmo...pelo visto deves ter faltado ...baseado alguma aula de estatística... As pesquisas deixam claro que nesta data vão ao segundo turno...bolsonaro e hadad..mas isto na data de hoje..bem faltam ainda alguns dias até a eleição... Logo quando fazem as pesquisas eles simulam um segundo turno com os candidatos com potencial de chegar ao segundo turno..e aproveitam e levantam ...e porque o Bolsonaro só ganha da Marina...pela rejeição... Tem 44% de rejeição.... E se for para o segundo turno nesta data..a única forma do pt voltar ao poder é indo com Bolsonaro...afirmei neste espaço a mais de 30 dias...claro que até a eleição do segundo turno isto pode mudar...mas como a militância do pt e mais atuante deve mudar pro pt...

      10
  • ERIC JULIANO DA FONSECA unai - MG

    João Batista, em resposta à sua pergunta digo que estou do lado de quem defende primeiramente a família, a moral, os princípios, os bons costumes, e, acima de tudo, o seu País... Chega de tapar o sol com a peneira..., se for preciso, usar a "borracha" para resgatar a dignidade e o respeito, que assim seja. Fui criado à moda antiga, onde o filho sempre respeitou os pais, e os demais..., é como diz o ditado; ``quem não vem pelo amor, vem pela dor."... e finalizando João, "um bom remédio tem gosto amargo"... chegou a nossa hora de tomarmos esse remédio. O Brasil tem jeito, João..!! Bolsonaro...!! 2018 rumo à vitoria.

    9
    • ANTONIO RAMANDELLICIANORTE - PR

      A eleição acabou, Lula furtou minha consciência. Agora é plebiscito. Com medo da volta da esquerda, Bolsonaro já........

      2
    • JOSE LUIZ BEDANINAVIRAÍ - MS

      Gostei do exemplo da corda lançada pelo governo do pt - para a salvação econômica do povo (??!!)...

      2
    • EVANDRO DAPAREIBIRAREMA - SP

      Estamos à beira de um abismo, e me parece que a maioria não enxerga... Devolver o poder ao PT, significa aceitar como correto tudo o que praticaram nos últimos 15 anos!!

      6
    • EDMILSON JOSE ZABOTTPALOTINA - PR

      Sr. Eric , corretíssimo seu comentário . A hora é de Remédio Amargo e Chicote . Não dá mais . No meu tempo quem educava eram os País. Me lembro bem , uma "Olhada meio que de lado , com a testa franzida do Pai " podia saber vai ter " reio ou cara de marmelo " . Não tinha um de boné virado entrando em Sala de Aula . Todos estes valores foram perdidos nestes últimos anos . Os valores de família hoje pouco tem significado , não basta a Droga , se depender do PT e seus estaria liberada ( no Uruguai o xodó do Lula ,( Mugica , liberou e a violência dobrou naquele país ) fruto da inteligência do Mugica ( descendente de Fidel Castro) . Portanto , concordo plenamente com o Sr. Eric e espero em Bolsonaro a conta retomada dos valores da Família e o Direito e Deveres , iguais para todos os Brasileiros , independente de Raça ,Cor ou Religião.

      3
    • FRANCISCO LOPESCAMBÉ - PR

      Parabéns sr. ERIC: É EXATAMENTE O REMÉDIO QUE MUITOS BRASILEIROS ESTÃO PRECISANDO TOMAR... AMARGO... MAS EFICAZ.

      3
    • RICARDO FABRISFLORIANÓPOLIS - SC

      Concordo plenamente que o remédio é muito amargo, mas todos temos que tomá-lo... Não adianta fazer uma reforma previdenciária castigando apenas as maiorias responsáveis pela menor parcela do déficit. Temos que tirar os privilégios de super aposentadorias dos políticos, do Judiciário, dos militares e ai por diante, pois são estes os responsáveis pela maior parte do rombo. O povo terá que contribuir com sua parcela também. Por isso necessitamos de um governo descomprometido com os donos do poder e com coragem para convocar a população à mudança... Vamos em frente, doa a quem doer!!!

      4
    • LUIZ ALBERTO GARCIARIO DE JANEIRO - RJ

      O problema do Brasil ou a sua solução, não se resolve simplesmente com a eleição do presidente como muitos querem. O dia seguinte e os demais é que serão decisivos ...

      1