China não deve ir aos EUA nesta semana, como planejado, e refaz planos da visita

Publicado em 06/05/2019 07:41 e atualizado em 06/05/2019 08:28
917 exibições

LOGO nalogo

A visita de uma delegação chinesa aos EUA que estava prevista para os próximos dias está sendo reconsiderada depois dos últimos tweets do presidente americano Donald Trump anunciando que irá aumentar as tarifas sobre produtos da nação asiática de 10% para 25%. Segundo informa o editor chefe do Global Times China, a China não estaria muito disposta a mandar o vice-premier chinês Liu He aos EUA.

Esperando a confirmação de Trump, os mercados internacionais entraram em mais um turbilhão e uma nova rodada de baixas intensas. 

Liu He Vice premier da China

Liu He, Vice Premier da China - Foto: Bloomberg

Segundo informam as agências internacionais, a decisão da viagem estaria mantida, porém, voltou a ser discutida pelos líderes chineses, segundo o Ministério das Relações Comercias do país. A data já não é mais a mesma e a equipe que irá aos EUA também está sendo reestruturada. 

"Estamos agora tentando obter mais informações relevantes da atual situação. O que eu posso dizer até este momento é que o time chinês está se preparando para viajar aos EUA e dar continuidade às conversas sobre as relações comerciais", diz o porta-voz do ministério Geng Shuang. 

Tweets Donald Trump

A ida da delegação chinesa - que seria liderada pelo vice premier Liu He - aconteceria nesta semana à Washington e o objetivo, até a última semana, era de anunciar um acordo entre as duas nações no dia 10 de maio, sexta-feira desta semana. Em tese, o consenso seria, inclusive, assinado pelos dois presidentes em uma cúpula que seria realizada um pouco mais a frente, de acordo com informações da Bloomberg. 

No entanto, os tweets de Trump provocaram uma intensa e profunda reviravolta no cenário, uma vez que há semanas - com times dos dois países visitando suas capitais - os anúncios todos eram de que as conversas caminhavam muito bem. O próprio presidente americano, inclusive, se limitava, ao falar do assunto, que "as coisas com a China estavam ótimas e evoluindo". 

Com informações da Bloomberg e do The New York Times

Equipe da China ainda se prepara para discussões após Trump aumentar pressão sobre questão comercial

LOGO REUTERS

Por Ben Blanchard e Jeff Mason

PEQUIM/WASHINGTON (Reuters) - A China afirmou nesta segunda-feira que uma delegação ainda está se preparando para ir aos Estados Unidos para negociações comerciais, depois que o presidente norte-americano, Donald Trump, aumentou a pressão sobre Pequim para alcançar um acordo, afirmando que vai elevar as tarifas sobre produtos chineses nesta semana.

As declarações de Trump no domingo marcaram uma forte intensificação das tensões entre as duas maiores economias do mundo, e uma mudança no tom do presidente, que na sexta-feira havia citado progresso em relação a um acordo.

"Também estamos no processo de entender a situação relevante. O que posso dizer a vocês é que a equipe da China está se preparando para ir aos Estados Unidos para as discussões", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, em entrevista à imprensa.

Mas Geng não disse se o vice-premiê, Liu He, que é a principal autoridade da China nas negociações, fará parte da delegação como planejado originalmente.

"O que é de vital importância é que ainda esperamos que os EUA possam trabalhar com a China para se encontrarem no meio do caminho e que se empenhem para alcançar um acordo mutualmente benéfico com base em respeito mútuo", disse Geng.

Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Heber Marim Katuete - PY - PI

    Pra que acordo? A China está comprando soja barato e os EUA taxando tudo? Está muito bom assim pra ambos... Enquanto isso... Nós pobres mortais...

    0