Bolsonaro diz que preços de pedágios extrapolam o razoável no Brasil

Publicado em 16/02/2020 03:08
248 exibições

RIO DE JANEIRO, (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste sábado que os preços dos pedágios no Brasil em sua maioria extrapolam o razoável a ser pago.

Bolsonaro destacou que os contratos com as concessionárias são ajustados pelo IPCA, mas afirmou que os salários dos brasileiros não acompanham a inflação.

"Eu tenho conversado com o (ministro da Infraestrutura) Tarcísio (de Freitas) que, muitas vezes, quase todos extrapolam aquilo que é o razoável para pagar", disse ele durante inauguração de obra que vai ligar a ponte Rio-Niterói com a Linha Vermelha, no Rio de Janeiro.

"Os contratos têm IPCA e tenho conversado com Tarcísio se pode por no contrato um reajuste quem sabe, né, com 90% do IPCA, ou 95% ou 80%, por que o salário não acompanha a inflação. Temos que começar a pensar no médio e longo prazos, e não no curto prazo", completou.

A declaração foi dada ao comentar a concessão da rodovia Presidente Dutra que vence no começo de 2021. Uma nova licitação será feira este ano.

O presidente voltou a criticar as agências reguladoras e disse que elas representam para o "bem e para o mal”. Segundo Bolsonaro, sua preocupação é sempre indicar bons nomes para as autarquias que às vezes têm mais poder do que um ministério.

"Tem agência que é tão ou mais poderosa que um ministério. Coisa que o povo não sabe porque obviamente como é um interesse muito mais político do que técnico, isso é escondido. Espero que a imprensa comece a mostrar as agências para que a população entenda como o destino do Brasil é conduzido”, disse.

Bolsonaro sugere que morte de ex-capitão da PM na Bahia foi queima de arquivo

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro indicou neste sábado que a morte do miliciano e ex-capitão da Polícia Militar do Rio de Janeiro Adriano Nóbrega em uma ação policial na Bahia no último fim de semana pode ter sido uma queima de arquivo.

A hipótese de queima de arquivo é defendida pelo advogado da vítima, mas a polícia baiana argumenta que o miliciano estava armado e atirou contra os agentes no cerco feito em um sítio no fim de semana passado.

"Quem é responsável pela morte do capitão Adriano? PM da Bahia do PT. Precisa falar mais alguma coisa?”, disse Bolsonaro a jornalistas em evento no Rio de Janeiro.

Ao ser questionado qual seria o motivo por trás da morte, o presidente disse que “a imprensa está dizendo que foi queima de arquivo“ e que as fotografias dos peritos mostram que a vítima morreu com tiro à queima roupa.

Bolsonaro disse que, “sem querer defender o ex-capitão“, não havia nenhuma condenação contra o ex-PM em segunda instância.

O miliciano foi condecorado na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) pelo ex-deputado estadual e hoje e senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente.

Bolsonaro afirmou que não tem ligação com a milícia do Rio e chamou para si as homenagens na Alerj ao ex-capitão do Bope.

"Não existe nenhuma ligação minha com a milícia do Rio de Janeiro. Zero, zero”, disse ele. “O Adriano eu conheci pessoalmente em 2005 e nunca mais tive contato...eu que pedi para meu filho condecorar. Ele era um herói e eu determinei. Pode trazer isso para cima de mim”, acrescentou Bolsonaro ao lembrar que as homenagens a policiais na Alerj são práticas corriqueiras.

O presidente reclamou que a imprensa insinua haver proximidade com milícias e acrescentou que sua luta contra a corrupção continua e não aceitará ser posto num “saco de gatos“.

Presente ao mesmo evento, o senador Flávio Bolsonaro disse que “homenageou centenas e centenas policiais militares que venciam a morte todos os dias“.

“Não adianta querer me vincular à milícia por que não tem nada a ver absolutamente com milícia, e condecorei o Adriano há mais de 15 anos. Como posso adivinhar o que ele faz de certo ou errado hoje?“, disse o senador

“Pelo que eu soube ele foi torturado, para falar o que? Com certeza nada contra nós por que não tem o que falar. Não temos envolvimento nenhum com milícia", disse.

O ex-capitão da Polícia Militar Adriano Magalhães da Nóbrega foi apontado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) como um dos líderes de uma milícia responsável por diversos crimes e suspeita de envolvimento na morte da vereadora Marielle Franco.

A mãe e a mulher do “capitão Adriano” trabalharam no gabinete na Assembleia Legislativa do então deputado estadual Flávio Bolsonaro.

Fonte:
Reuters

0 comentário