Wall Street cai com nova ameaça tarifária alimentando incertezas

Publicado em 01/05/2020 19:49 86 exibições

NOVA YORK, 1 Maio (Reuters) - Wall Street sofreu queda acentuada nesta sexta-feira após o presidente Donald Trump reviver uma ameaça de novastarifas contra a China em resposta à pandemia do Covid-19que freou as economias globais.    

Os três principais índices de ações dos EUA fecharam com queda bem acima de 2% e, na semana, todos perderam terreno.    O mês de maio costuma ser marcado por vendas e este foi o caso no primeiro dia do mês, com o nervosismo aumentando à medida que alguns Estados dos EUA começam a diminuir desligamentos por coronavírus.    

"Os mercados tiveram um mês de abril muito forte à medida que olharam para além do vale da fraqueza econômica para um ponto em que o estímulo reacenderá o crescimento econômico", disse David Carter, chefe de investimentos da Lenox Wealth Advisors em Nova York. "Mas pode ser um vale mais longo e mais profundo do que muitos esperavam."    

De fato, as ações tiveram uma corrida notável em abril, com a S&P 500 e o Dow marcando as maiores altas mensais em 33 anos.    

Trump disse que seu governo estava elaborando medidas retaliatórias contra a China como punição pelo surto de coronavírus, mais uma vez provocando temores tarifários que abalaram os mercados nos últimos dois anos.

Trump culpou a China por o que ele diz ser "desinformação" quando o vírus surgiu na cidade chinesa de Wuhan e depois se espalhou rapidamente pelo mundo.     

"Trump cutucando a China foi a última coisa que os mercados precisavam considerando a presente incerteza econômica e financeira", acrescentou Carter.

Uma série de balanços com resultados mistos, particularmente um relatório decepcionante da Amazon.com, juntamente a uma nova rodada de dados econômicos desanimadores, também pesavam no sentimento.    

A atividade manufatureira dos EUA caiu para uma baixa de 11 anos no mês passado, com fábricas fechadas, de acordo comÍndice de gerentes de compras do Institute for Supply Management.    

O Dow Jones caiu 2,55%, para 23.723,69 pontos, o S&P 500 perdeu 2,81%, a 2.830,71, e o Nasdaq Composite caiu 3,2%, 8.604,95.

Autoridades do Fed se preocupam com cicatrizes econômicas duradouras da crise 

WASHINGTON (Reuters) - Depois de distribuir trilhões de dólares em apoio à economia dos Estados Unidos durante a pandemia de coronavírus, autoridades do Federal Reserve começaram a alertar sobre possíveis cicatrizes duradouras na força de trabalho e na produtividade, se a recuperação não for bem-sucedida.

Em comentários separados nesta sexta-feira, os chefes de três bancos regionais do Fed disseram que os esforços agressivos já empreendidos para manter empresas fluindo são apenas o começo do que será necessário para que a economia volte ao normal, com reciclagem de trabalhadores e redes de segurança social reformuladas, além de outras etapas necessárias quando a crise da saúde diminuir.

"Precisamos trabalhar no ritmo de recuperação da economia" após a crise, disse o presidente do Fed de Richmond, Thomas Barkin.

Ele observou que as empresas podem estar operando de maneira menos eficiente sob regras de distanciamento social, o investimento empresarial pode ser dificultado pela confiança corroída e os trabalhadores podem recuar do mercado de trabalho, ao repensar como cuidar de crianças e pais idosos em uma época em que creches e asilos oferecem riscos mais altos.

Barkin falou em meio a uma série de dificuldades para acabar com os isolamentos provocados pela coronavírus. Alguns Estados abriram suas economias e outros mantiveram restrições, enquanto empresas e seus funcionários sofrem para encontrar o equilíbrio certo.

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário