Xi Jinping quer que chineses reduzam quantidade de comida e evitem o desperdício de alimentos

Publicado em 16/08/2020 16:28 e atualizado em 16/08/2020 17:13 3881 exibições
"Todas as pessoas devem se opor à extravagância e ao desperdício", diz o mandatário chinês

Em publicações repercutidas pela midía estatal, o dirigente máximo da China Xi Jinping exortou seus cidadãos a reduzirem o consumo de alimentos e que evitem o desperdício. "É necessário cultivar hábitos de parcimônia e promover um ambiente onde o desperdício seja vergonhoso e a parcimônia seja aplaudida".

As manifestações do líder comunista chinês (publicadas abaixo), fazem parte de novas determinações do Governo visando o fortalecimento das medidas de controle do Partido Comunista Chinês (PCC).

A revista inglesa The Economist diz que "Xi Jinping está reinventando o capitalismo de estado". Já em outro artigo do presidente Xi Jinping sobre a abertura de novos horizontes da economia política marxista na China contemporânea, O mandatário não deixa dúvidas: 

-- "O status de propriedade pública como o pilar fundamental e o papel de liderança da economia estatal não devem ser alterados".

Citações de Xi Jinping sobre promoção de parcimônia e contra o desperdício de comida (Xinhua)

Beijing, 14 ago (Xinhua) -- O presidente chinês, Xi Jinping, falou sobre praticar parcimônia e acabar com o desperdício de comida em muitas ocasiões. A seguir estão alguns destaques das suas observações:

-- Esforços devem ser feitos para fortalecer a legislação e supervisão, tomar medidas eficazes e estabelecer um mecanismo de longo prazo para impedir o desperdício de alimentos.

-- É necessário aumentar ainda mais a consciência pública sobre o problema, cultivar efetivamente hábitos de parcimônia e promover um ambiente social onde o desperdício seja vergonhoso e a parcimônia seja aplaudida.

-- A aplicação estrita de diligência e parcimônia devem ser a prática comum de toda a sociedade. Todas as pessoas devem se opor à extravagância e ao desperdício.

-- A determinação do Comitê Central para a aplicação estrita de diligência e parcimônia e a oposição à extravagância e desperdício tem ganhado aclamação ampla dos funcionários e do público. Agora deve haver uma campanha seguinte para garantir que nenhuma pessoa apenas cumpra as formalidades ou siga as regras como uma medida temporária, como uma rajada de vento. Devemos fazer todo o possível, e devemos ver as coisas do princípio ao fim.

-- Nada será alcançado se não tomamos medidas sérias, pragmáticas e consistentes.

Editorial da Xinhua: Ressoa apelo de Xi para acabar com "desperdício na ponta da língua" 

Beijing, 14 ago (Xinhua) -- O apelo recente do presidente Xi Jinping para acabar com o desperdício de alimentos e promover a parcimônia continua a ressoar no país, à medida que a tradição nacional de frugalidade ganhou uma nova perspectiva em meio a novas circunstâncias.

Chamando a questão do desperdício de alimentos de chocante e angustiante, Xi destacou a necessidade de manter um senso de crise, apesar do fato de que a China tem continuamente obtido safras abundantes.

Não é a primeira vez que ele pede uma ação decisiva para abordar a questão do "desperdício na ponta da língua", um slogan usado para descrever a extravagância na mesa de jantar. Os danos incorridos por tal excesso de indulgência não podem ser subestimados.

Em janeiro de 2013, Xi, que estava há dois meses no novo cargo de secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCC), comentou uma reportagem da Xinhua sobre internautas pedindo a eliminação do desperdício na mesa de jantar.

"É doloroso ver problemas tão graves quando todos sabemos que muitas pessoas em nosso país ainda sofrem com a pobreza", disse ele. "Devemos fazer algo para impedir esse gasto o mais rápido possível!"

Em seus comentários duros, Xi apontou que a aplicação estrita de diligência e frugalidade deve se tornar a prática comum da sociedade inteira. Além disso, ele observou que todos os funcionários e o público responderam fortemente a várias fontes de desperdício de alimentos, particularmente atividades recreativas com fundos públicos.

Sua instrução veio em meio a uma campanha nacional após uma decisão de oito pontos sobre a melhora da conduta do Partido e do governo, que estipula a parcimônia e o combate às más condutas, como usar fundos públicos para patrocinar banquetes e viagens.

Tais grandes banquetes são conhecidos por oferecerem baijiu (aguardente chinesa) de marcas famosas e delícias extravagantes em excesso. Parar esse desperdício de alimentos com uma abordagem de punho de ferro contribuiu para uma governança abrangente e estrita do Partido.

Até o final de março de 2019, a China investigou e lidou com 280 mil casos de violações das disciplinas de frugalidade do Partido desde 2012, de acordo com o principal órgão anticorrupção do PCC.

O desperdício de alimentos em jantares de luxo às custas do governo, uma fonte de ira pública, foi efetivamente contido. Ao mesmo tempo, como Xi sempre defendeu, a tradição de considerar a frugalidade como honra e o gasto como desgraça é levada adiante.

Os comentários do presidente Xi em 2013 e seu mais recente apelo para cessar o desperdício de alimentos contêm algumas palavras-chave do ano incomum de 2020 para a China: redução da pobreza, construção do Partido, autossuficiência e COVID-19.

Até o final de 2013, mais de 82 milhões de habitantes rurais viviam abaixo da linha de pobreza de 2.300 yuans por ano (US$ 331). Este ano, a China está determinada a pôr um fim histórico à pobreza absoluta.

O ano de 2020 marca o 99º aniversário de fundação do PCC, que liderou toda a nação a conter a COVID-19, e entra na fase final de terminar a construção de uma sociedade moderadamente próspera em todos os aspectos - uma meta a ser alcançada sob um novo padrão de desenvolvimento que coloca mais ênfase na autossuficiência, entre outros.

Todos os eventos significativos estão relacionados ao que acontece na "ponta de língua". Parar o desperdício de alimentos não é apenas uma questão de conduta social saudável, mas de imensa importância para o avanço da China em direção a um país socialista moderno.

A produção de grãos no verão da China atingiu um pico histórico de 142,81 milhões de toneladas este ano, o que estabeleceu uma base sólida para a produção de grãos estável deste ano, bem como para cumprir os objetivos do país de completar a construção de uma sociedade moderadamente próspera em todos os aspectos e vencer a batalha contra a pobreza conforme planejado.

Embora o otimismo seja bem merecido, a mais recente instrução de Xi oferece um aviso sóbrio muito necessário.

Quase 690 milhões de pessoas passaram fome em 2019 em todo o mundo, 10 milhões a mais que em 2018, segundo as Nações Unidas, que advertiu que muito mais pessoas poderiam entrar na fome este ano como resultado da pandemia da COVID-19.

Xi uma vez disse: "mesmo que nossa vida melhore dia a dia, não haverá direito concedido ao desperdício!"

Publicado artigo de Xi sobre economia política marxista da China contemporânea (Xinhua)

Beijing, 16 ago (Xinhua) -- Um artigo do presidente Xi Jinping sobre a abertura de novos horizontes da economia política marxista na China contemporânea foi publicado neste domingo.

O artigo de Xi, também secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCC) e presidente da Comissão Militar Central, foi publicado na 16ª edição da revista Qiushi.

Uma parte importante do marxismo, a economia política marxista deve ser estudada para sustentar e desenvolver o conceito do marxismo, diz o artigo.

O status de propriedade pública como o pilar fundamental e o papel de liderança da economia estatal não devem ser alterados, acrescenta.

A economia política marxista deve acompanhar os tempos para manter sua vitalidade, indica o artigo, enfatizando os esforços para cristalizar a experiência prática do país em uma teoria econômica sistemática e abrir novos horizontes para a economia política marxista na China contemporânea.

China tem uma nova pauta econômica; Xi Jinping está reinventando o capitalismo de estado (por The Economist/Estadão)

LOGO estadao

O líder da China, Xi Jinping, está reinventando o capitalismo de estado para a década de 2020. Esqueça as siderúrgicas poluentes e as cotas de produção. A nova pauta econômica de Xi é fazer os mercados e a inovação funcionarem melhor dentro de limites bem definidos e sujeitos à vigilância ilimitada do Partido Comunista.

A próxima fase do capitalismo de estado da China está em andamento — vamos chamá-la de "Xinomics".

Desde o momento em que assumiu o poder, em 2012, o objetivo político de Xi tem sido consolidar o controle do partido e esmagar as dissidências no país e no exterior. Sua pauta econômica é pensada para aumentar a ordem e a resistência contra ameaças. E há motivos para isso. O endividamento público e privado aumentou muito desde 2008, chegando a quase 300% do PIB.

Os negócios se dividem entre firmas estatais antiquadas e um setor privado que lembra o Velho Oeste, onde há inovação, mas também autoridades predatórias e regras nebulosas. Conforme o protecionismo se dissemina, as empresas chinesas correm o risco de serem excluídas de alguns mercados, perdendo o acesso à tecnologia ocidental.

São três os elementos principais da "Xinomics". Primeiro, um controle mais rigoroso do ciclo econômico e da máquina de endividamento. Os dias de crédito generoso e isenções desproporcionais são coisa do passado. Os bancos foram obrigados a reconhecer a atividade fora dos balanços patrimoniais e criar proteções. O crédito é oferecido em um mercado de obrigações mais limpo. Diferentemente da sua reação à crise financeira de 2008-09, a resposta do governo à covid-19 foi contida, com um estímulo equivalente a cerca de 5% do PIB, menos da metade daquele aprovado nos EUA.

O segundo elemento é um estado administrativo mais eficiente, cujas regras se apliquem de maneira mais uniforme na economia. Mesmo com Xi usando leis impostas pelo partido para semear o medo em Hong Kong, ele construiu um sistema jurídico comercial no continente que reage muito melhor às empresas.

Antes raros, pedidos de recuperação judicial e processos de quebra de patentes aumentaram 500% desde o início do governo dele, em 2012. A burocracia foi reduzida: agora são necessários nove dias para a abertura de uma empresa. Regras mais previsíveis devem permitir um melhor funcionamento dos mercados, estimulando a produtividade da economia.

O elemento final é apagar a fronteira entre empresas estatais e privada. Empresas administradas pelo governo são estimuladas a melhorar o retorno financeiro e atrair investidores privados. Enquanto isso o governo exerce controle estratégico de empresas privadas, por meio de células do partido dentro destas. Um sistema de lista de proibição ao crédito castiga as empresas pelo eventual mau comportamento.

Em vez de uma política industrial indiscriminada, como a campanha “Made in China 2025” lançada em 2015, Xi está dedicando os esforços aos pontos de gargalo da cadeia de suprimento nos quais a China seja vulnerável à coerção estrangeira ou possa exercer sua influência no exterior. Isso significa alcançar a autossuficiência em tecnologias chave, como semicondutores e baterias.

 

Donald Trump e Xi Jinping

EUA e aliados devem se preparar para uma disputa muito mais longa entre as sociedades abertas e o capitalismo de estado da China. Foto: Kevin Lamarque/Reuters

A "Xinomics" trouxe bom desempenho no curto prazo. O ritmo de acúmulo de endividamento diminuiu antes da chegada da covid-19 e o choque duplo da guerra comercial e da pandemia não levou a uma crise financeira. A produtividade das estatais está aumentando e investidores estrangeiros estão injetando dinheiro em uma nova geração de empresas chinesas de tecnologia. Mas o verdadeiro teste virá com o tempo.

A China espera que sua nova forma tecnocêntrica de planejamento central consiga sustentar a inovação, mas a história indica que um processo difuso de tomada de decisões, fronteiras abertas e liberdade de expressão seriam os ingredientes mágicos.

Uma coisa está clara: a esperança de um confronto seguido de capitulação é equivocada. Os EUA e seus aliados devem se preparar para uma disputa muito mais longa entre as sociedades abertas e o capitalismo de estado da China. Uma estratégia de contenção não vai funcionar: diferentemente da União Soviética, a imensa economia da China é sofisticada e está integrada ao restante do mundo.

Em vez disso, o Ocidente deve reforçar sua capacidade diplomática e criar novas regras estáveis permitindo a cooperação com a China em determinadas áreas, como o combate à mudança climática e às pandemias, e preserve o comércio ao lado de proteções melhores para os direitos humanos e a segurança nacional.

Não se pode esperar que a força da economia de US$ 14 trilhões do capitalismo de estado da China desapareça. É hora de abandonar essa ilusão.

O status de propriedade pública como o pilar fundamental e o papel de liderança da economia estatal não devem ser alterados, acrescenta.

 

Fonte:
Xinhua/Estadão

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

2 comentários

  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Que mudança de discurso..., de reles fornecedores de matérias-primas, que deviam ajoelha-se diante dos comunistas, a indispensáveis na manutenção do crescimento economico e melhoria de vida do povo chines... Que coisa...

    6
  • Elton Szweryda Santos Hortolândia - SP

    O Ocidente ajudou a criar um gigante deformado, um monstro, que devido ao seu gigantismo começa a fraquejar em questoes fundamentais, como fornecer alimento ao seu povo, tarefa herculea que se tornara cada vez mais dificil..., por outro lado, nós, fornecedores de commodities, deveremos sempre procurar outros mercados, além da China..., todos sabemos que produtos e empresas chinesas serao boicotadas mundo afora em decorrencia do covid-19, e em alguns anos saberemos se o governo da China superará ou sucumbirá aos novos tempos.

    19
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Sr. ELTON, esse gigante, no inicio de sua revolução maoista, causou a morte de seus habitantes na casa de dezenas de milhares. Algo em torno de 30 a 50 milhões de pessoas e, isto ocorreu entre 1958 e 1962. Os números apresentam essa diferença pois qualquer governo comunista esconde a verdade com unhas & dentes. ... Mas esse sistema comunista chinês tem um derivativo novo na doutrina, o capitalismo estatal. Veja que várias empresas capitalistas ocidentais foram pegas no contrapé. Suas filiais montadas em solo chinês tinham uma obrigatoriedade (um sócio chinês, ou de alguma subsidiária estatal chinesa). Ocorre que, sutilmente, a tecnologia foi sugada e hoje eles dominam diversas tecnologias de ponta. ... Daí a raiva dos EUA. Mas, acordaram tarde... Não sei aonde isso vai parar...

      11
    • Elton Szweryda Santos Hortolândia - SP

      Com certeza, sr. Paulo, o ocidente acordou tarde, mas acordou..., e daqui pra frente tudo sera diferente...

      12