Índice de preços de alimentos da FAO sobe pelo nono mês consecutivo em fevereiro

Publicado em 04/03/2021 09:23 58 exibições

Os preços globais das commodities alimentares aumentaram pelo nono mês consecutivo em fevereiro, com as cotações do açúcar e dos óleos vegetais aumentando ao máximo, informou hoje a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO).

O Índice de Preços de Alimentos da FAO , que acompanha as mudanças mensais nos preços internacionais de commodities alimentícias comumente comercializadas, teve média de 116,0 pontos em fevereiro, 2,4 por cento acima do mês anterior e 26,5 por cento acima do ano anterior.

O Índice de Preços do Açúcar da FAO subiu 6,4 por cento em relação a janeiro, com o declínio da produção nos principais países produtores, juntamente com a forte demanda de importação da Ásia, gerando preocupações contínuas sobre a oferta global mais restrita. As expectativas de uma recuperação da produção na Tailândia e uma safra abundante na Índia amorteceram o aumento.

O Índice de Preços do Óleo Vegetal da FAO subiu 6,2 por cento, atingindo seu nível mais alto desde abril de 2012. Os preços dos óleos de sementes de palma, soja, colza e girassol aumentaram.

O Índice de Preços de Laticínios da FAO subiu 1,7 por cento, liderado pelas cotações internacionais de exportação de manteiga, onde as importações firmes da China atenderam aos suprimentos limitados da Europa Ocidental. Os preços dos queijos caíram, em parte devido aos altos estoques nos Estados Unidos da América.

O Índice de Preços de Cereais da FAO foi em média 1,2 por cento mais alto do que em janeiro. Os preços do sorgo aumentaram 17,4% no mês, impulsionados pela forte demanda contínua da China. Os preços internacionais de milho, trigo e arroz mantiveram-se estáveis ​​ou aumentaram ligeiramente.

O Índice de Preços de Carne da FAO aumentou 0,6 por cento, impulsionado pela oferta restrita de carnes bovinas e ovinas nas principais regiões produtoras. Em contraste, as cotações de preços da carne suína caíram, sustentadas pela redução das compras pela China em meio a grandes excessos de oferta e um aumento de suínos não vendidos na Alemanha devido à proibição contínua de exportações para os mercados asiáticos.

Estimativa inicial aponta para produção de trigo recorde em 2021

A FAO também divulgou o resumo da oferta e demanda de cereais , incluindo avaliações atualizadas da produção, consumo, comércio e estoques globais.

A produção global de trigo em 2021 deve aumentar e atingir um novo recorde de 780 milhões de toneladas, de acordo com as previsões preliminares da FAO, já que as expectativas de uma recuperação na produção na União Europeia mais do que compensaram as perspectivas de produção impactadas pelo clima para a produção na Federação Russa . A produção de milho na África do Sul deve atingir níveis quase recordes em 2021, enquanto a produção na América do Sul está prevista em níveis bem acima da média. A safra ainda não foi plantada em países ao norte do equador.

O Brief oferece mais detalhes e avaliações atualizadas. Os destaques incluem uma estimativa nova e mais alta para a produção mundial de cereais em 2020, agora vista em 2 761 milhões de toneladas, um aumento de 1,9 por cento em relação ao ano anterior, levantado por resultados acima do esperado relatados para milho na África Ocidental, para arroz na Índia e colheitas de trigo na União Europeia, Cazaquistão e Federação Russa.

As novas projeções da FAO para 2020/21 incluem um aumento anual de 2,0% na utilização global de cereais para 2.766 milhões de toneladas e um crescimento de 5,5% no comércio mundial de cereais para 464 milhões de toneladas. Os estoques globais de cereais estão previstos para terminar 2021 em 811 milhões de toneladas, 0,9 por cento abaixo de seus níveis iniciais, empurrando para baixo a relação estoque / consumo para 28,6 por cento. Os estoques mundiais de arroz e trigo deverão aumentar, enquanto os de grãos grossos diminuirão.

A produção de cereais e as necessidades de importação aumentam em países com déficit alimentar de baixa renda

Crop Prospects and Food Situation , uma publicação trimestral da Divisão de Mercados e Comércio da FAO, também foi lançada hoje.

Ele estima que a produção agregada de cereais pelos 51 países com déficit alimentar de baixa renda aumentou 3,0 por cento em 2020 em relação ao ano anterior para 502,4 milhões de toneladas, já que as recuperações na África Austral e no Oriente Próximo superaram o declínio na África Central. No entanto, as necessidades agregadas de importação de cereais pelo grupo na campanha de comercialização de 2020/21 devem aumentar para 74,1 milhões de toneladas, com as sub-regiões do Extremo Oriente e da África Ocidental apresentando as maiores necessidades adicionais.

As primeiras perspectivas de produção para 2021 são amplamente favoráveis, mas as condições semelhantes às da seca no Afeganistão e no sul de Madagascar são uma preocupação emergente.

O relatório avalia 45 países que precisam de ajuda externa para alimentos: Afeganistão, Bangladesh, Burkina Faso, Burundi, Cabo Verde, Camarões, República Centro-Africana, Chade, Congo, República Popular Democrática da Coreia, República Democrática do Congo, Djibouti, Eritreia, Eswatini, Etiópia, Guiné, Haiti, Iraque, Quênia, Líbano, Lesoto, Libéria, Líbia, Madagascar, Malaui, Mali, Mauritânia, Moçambique, Mianmar, Namíbia, Níger, Nigéria, Paquistão, Senegal, Serra Leoa, Somália, Sul Sudão, Sudão, República Árabe Síria, República Unida da Tanzânia, Uganda, Venezuela, Iêmen, Zâmbia e Zimbábue.

Fonte:
FAO

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário