MERCADO FINANCEIRO: Mudanças na Europa trazem cautela aos negócios

Publicado em 14/11/2011 08:17 e atualizado em 14/11/2011 08:56 415 exibições
A semana começa com boas expectativas para o mercado financeiro global. O viés positivo é reflexo do das notícias de que novos membros nos governos da Grécia e da Itália, após a saída dos primeiros ministros,  deverão iniciar reformas bastante severas para conter a expansão e o agravamento da crise na Zona do Euro.

No entanto, mesmo diante de boas perspectivas para um futuro próximo, a economia mundial ainda se vê bastante fragilizada frente a falta de resultados concretos e que possam impactar positivamente nos negócios após tantos dias de incertezas e frutos negativos dessa crise.

O momento agora, segundo analistas, é de cautela apesar das boas notícias vindas do velho continente. O que o mercado quer agora é observar com serenidade e menos euforia os primeiros movimentos decorrentes das últimas mudanças realizadas na Europa. Dessa forma, evitam assumir posições mais agressivas frente ao risco.

De acordo uma notícia da Veja, na manhã desta segunda-feira (14), por volta das 7h35 (horário de Brasília), o índice MSCI para ações globais subia 0,06 por cento e para emergentes, 1,07 por cento. O europeu FSTEurofirst 300 verificava decréscimo de 0,4 por cento. Nos Estados Unidos, o futuro do S&P 500 oscilava ao redor da estabilidade.

Na Ásia, o Nikkei ainda encerrou o dia em Tóquio com elevação de 1,05%. O índice da bolsa de Xangai fechou em alta de 1,92 por cento. O MSCI da região Ásia-Pacífico com exceção deo Japão < .MIAPJ0000PUS> ganhava 1,33 por cento.

Já na Europa, porém, as principais bolsas operavam em baixa hoje. De acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo, os negócios não conseguiram manter os ganhos inicias justamente por conta dessa cautela empregada diante de tanta incertezas que ainda permeiam a crise.

Os mercados passaram a dar mais espaço para os temores sobre como esses países realizarão reformas para o controle de suas dívidas.

Veja como a mídia está noticiando o comportamento do mercado nesta segunda-feira:
(clique nos links para ver as notícias completas)

>> Na Veja: Europa tenta delinear o possível destino do euro

O euro, a moeda única da União Europeia, teve inimigos ferrenhos desde que foi concebido. Muitos são economistas respeitados, mas, fossem quais fossem as credenciais acadêmicas, quem insistisse em falar do assunto era visto, até pouco tempo atrás, tão somente como uma voz agourenta. Um exemplo é o francês Jean-Jacques Rosa, fundador do Instituto de Estudos Políticos (IEP) da SciencesPo, em Paris. No início deste ano ele lançou o livro Euro: Como se livrar dele (Editora Grasset), no qual afirma que a moeda não é apenas um entrave para o crescimento da economia francesa, mas "o maior erro da Europa". Ceticismo é uma palavra amena para descrever a recepção ao seu trabalho no continente.

>> No Estadão: Na Europa, bolsas caem antes de resultado de leilão da dívida da Itália

As bolsas europeias operavam em queda nesta segunda-feira, incapazes de manter os ganhos da abertura gerados pelo entusiasmo em torno de novos líderes tecnocratas de Itália e Grécia. Os mercados passaram a dar mais espaço para os temores sobre como esses países realizarão reformas para o controle de suas dívidas.

>> Na Folha: Bolsas da Ásia sobem com esperança de progresso na Europa

As Bolsas de Valores asiáticas fecharam em alta nesta segunda-feira, com esperança de que os novos líderes de Itália e Grécia tomem ações decisivas para salvar seus países da bancarrota e impedir uma crise financeira na zona do euro.

O presidente da Itália nomeou Mario Monti, ex-comissário europeu, para liderar um novo governo, com a tarefa de restaurar a confiança do mercado na terceira maior economia da Europa.

Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário