JBS é acusada de violação dos direitos indígenas em SC

Publicado em 02/06/2020 13:15 107 exibições

LOGO REUTERS

Por Ana Mano

SÃO PAULO (Reuters) - Procuradores do trabalho em Santa Catarina estão movendo uma ação contra a JBS por suposta violação de direitos de trabalhadores indígenas, após 40 terem sido demitidos de uma vez pela empresa na cidade de Seara.

Na ação civil pública iniciada na segunda-feira, os procuradores alegam que a empresa discriminou um grupo de trabalhadores oriundos da Terra Indígena Serrinha, Rio Grande do Sul, durante a pandemia de Covid-19.

Por volta de 13h10, as ações da JBS recuavam 1%, enquanto o Ibovespa tinha alta de quase 2%.

Os procuradores pedem que a JBS reintegre os indígenas demitidos, e buscam pelo menos 10 milhões de reais em indenizações a serem integralmente revertidos para a população da comunidade afetada.

Não há decisão judicial ainda.

A JBS confirmou a demissão dos 40 empregados no começo de maio, alegando que o corte ocorreu em virtude da descontinuidade da linha de ônibus que fazia o transporte dos trabalhadores até a unidade, um trajeto de cerca de 300 quilômetros por trecho.

A empresa negou qualquer discriminação e afirmou que as demissões foram feitas sem justa causa e com o pagamento integral de todas as verbas indenizatórias previstas em lei.

Também acrescentou que a unidade de Seara emprega 3.700 funcionários, sendo 200 deles membros de comunidades indígenas.

Os trabalhadores indígenas da unidade estão afastados preventivamente conforme orientação das autoridades de saúde locais em meio à pandemia de Covid-19, disse a JBS.

A Terra Indígena Serrinha teve pelo menos dois casos de Covid-19 confirmados, segundo alegado pelos procuradores na ação. Os procuradores não confirmaram onde exatamente os indígenas doentes trabalhavam.

Ao menos uma mulher grávida estava entre os empregados indígenas demitidos, segundo o alegado na ação.

"Foram dispensados em um período crítico, em que a recolocação no mercado de trabalho é pouco provável até que a pandemia seja controlada, o que não se sabe quando ocorrerá", afirma o documento.

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário