Chicago: Soja fecha o dia em campo misto. Milho e trigo recuam

Publicado em 01/05/2012 16:55 1076 exibições
Nesta terça-feira, feriado do Dia do Trabalho no Brasil, os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago encerraram o dia em território misto. Apesar da realização de lucros, que manteve-se nas primeiras posições, a tendência de alta segue presente no mercado. 

A volatilidade está marcando este início de semana no mercado internacional de grãos. Ontem, as posições mais próximas da soja fecharam a sessão diurna acima dos US$ 15 por bushel, e as intensas e constantes valorizações da oleaginosa está provocando uma correção dos preços.  

Nesta terça-feira, a soja encerrou o pregão noturno no vermelho, iniciou o pregão regular recuando, porém ao longo dos negócios, os vencimentos mais longos conseguiram tomar um fôlego e encerraram do lado positivo da tabela. O contrato novembro/12 fechou a segunda cotado  a US$ 13,92, com alta de 11,50 pontos. 

Já o contrato maio, referência para a safra brasileira, encerrou a sessão cotado a US$ 14,97, perdendo 5,25 pontos. Esse vencimento foi o que registrou a perda mais acentuada em função do vencimento do mesmo, que acontece em poucos dias, e que exige um reajuste de posições por parte dos traders. 

O mercado novamente realiza lucros após a retomada de ontem, quando a soja encerrou o dia acima dos US$ 15. Como os analistas vêm sinalizando há algum tempo, a tendência é de que os preços continuem firmes até meados de julho, quando começa a entrada da safra norte-americana. Entretanto, as correções dos preços são tidas como movimentos naturais do mercado e já esperadas. 

Só este ano, os futuros da soja negociados em Chicago registram uma alta de 24% por conta da quebra na safra da América do Sul, principalmente Brasil e Argentina, causada pela seca ocasionada pelo La Niña. 

Os temores do mercado são de que até junho não haja soja suficente para atender a demanda mundial, que está bastante aquecida. Ontem, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) anunciou a venda de 220 mil toneladas da oleaginosa para a China. 

Outro fator que pressionou o mercado nesta terça-feira foi o relatório de acompanhamento de safra que o USDA divulgou no fim desta segunda-feira. 

O boletim apontou que 12% da área de soja já está plantada no país.  Na semana passada, o dado era de 6%, percentual superior aos 2% do mesmo período do ano passado, e 5% de média.

Milho e Trigo - Os mercados do milho e do trigo também encerraram a sessão regular desta segunda-feira em queda. Os grãos também encararam movimentos de realização de lucros e também sentiram a pressão dos últimos números de acompanhamento de safra do USDA.

No caso do milho, a área plantada até 29 de abril estava em 53%. Na semana passada, estavam completos 28% do plantio. No mesmo período do ano passado, esse número ficou em 12% e a média dos últimos cinco anos é 27%.

Esse rápido desenvolvimento da semeadura deve garantir uma boa produtividade aos produtores norte-americanos, confirmando uma super safra de milho nos Estados Unidos.
Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário