Soja recupera parte das baixas e fecha o noturno em leve alta

Publicado em 04/05/2012 10:08 e atualizado em 04/05/2012 10:45 931 exibições
Nesta sexta-feira (4), os futuros da soja encerraram o  pregão noturno em território misto, porém, com as cotações predominantemente do lado positivo da tabela. Entre os principais vencimentos, os ganhos ficaram entre 5,25 e 6,25 pontos, com apenas o contrato novembro/12 registrando um leve recuo de 1 ponto. 

A oleaginosa parece estar confirmando a tendência positiva ainda presente no mercado como já vem sinalizado por alguns analistas. O cenário fundamental permanece firme e por isso, o mercado deverá continuar avançando. No entanto, as realizações de lucros são necessárias para manter a boa saúde do mercado, que não sobe em linha reta, como diz Pedro Dejneka, da PHDerivativos, direto de Chicago.

A agência Bloomberg afirmou ainda que as cotações voltaram a subir, depois de quatro dias de baixas, por conta dos dados das exportações semanais dos EUA divulgados ontem pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) nesta quinta-feira. Segundo o boletim, as vendas norte-americanas ficaram acima das expectativas do mercado e ainda aumentaram consideravelmente em relação à semana anterior.   

O milho, porém, fechou a sessão noturna em campo misto. O cereal também encontra suporte bom desempenho das exportações semanais norte-americanas. Porém, por outro lado, o  sente a pressão das expectativas de uma grande safra nos Estados Unidos, a qual vem sendo beneficiada por condições climáticas favoráveis na fase do plantio. 

O trigo, porém, fechou o pregão em alta. Segundo informações da Bloomberg, as especulações de que a safra mundial do grão será menor do que o previsto e a demanda continuará aquecida. 

Segundo a FAO, braço da ONU para agricultura e alimentação, a produção global deverá ficar em 675,1 milhões de toneladas registrando um recuo de 3,6% e os estoques devem ter um declínio de 6,5%, chegando a 182,7 milhões de toneladas. 
Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário