Soja: Mercado ensaia recuperação e posições de curto prazo avançam

Publicado em 05/06/2012 11:35 1060 exibições
Os preços da soja parecem estar se recuperando nesta terça-feira na Bolsa de Chicago, após a sessão volátil de ontem, com os preços encerrando os negócios em território misto. Segundo analistas, o que dá firmeza ao mercado é o cenário que indica, a longo prazo, uma oferta ainda apertada da oleaginosa, mesmo com condições favoráveis de clima nos EUA favorecendo o desenvolvimento das lavouras no país. 

Diferente do visto nesta segunda-feira (3), as posições de curto prazo sobem mais em relação aos vencimentos mais distantes. Por volta das 11h20 (horário de Brasília), os contratos julho e agosto/12 registravam ganhos de mais de 12 pontos. Enquanto isso, posições referentes à safra 12/13 exibiam altas entre 5 e 8 pontos. 

Apesar da ausência de novidades, os fundamentos para o ciclo 11/12 seguem positivos e hoje o mercado reflete esse quadro favorável. Além disso, as posições que se referem à safra 12/13 sentem o último relatório de acompanhamento de safra divulgado pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) no fim da tarde de ontem, apontando um bom desempenho do plantio, que já está concluído em 94% da área e 65% das lavouras em boas ou excelentes condições. 

Os últimos números divulgados pelo departamento norte-americano indicam uma expressiva evolução em relação ao registrado na semana e está muito a frente dos índices do ano passado e também da média plurianual. 

Como explicou o analista de mercado Carlos Cogo, da Consultoria Agroeconômica, esses números  poderiam pressionar os preços ao longo da semana a medida que a safra dos EUA evolui bem. "Há alguns bolsões de seca, mas ainda não causam preocupação". 

Cogo disse ainda que, apesar do fechamento com os preços em campo misto visto ontem no mercado da soja ante o dia bastante positivo registrado pelo milho, as cotações da oleaginosatêm muito mais firmeza no médio e longo prazo do que as cotações do milho. 

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário