Soja: Mercado fecha o dia com alta de mais de 40 pts e retoma patamar dos US$ 14

Publicado em 07/06/2012 16:38 e atualizado em 07/06/2012 17:22 1731 exibições
Os futuros da soja encerraram o pregão desta quinta-feira (7), feriado de Corpus Christi aqui no Brasil, com altas de mais de 40 pontos na Bolsa de Chicago. Os contratos julho e agosto/12 conseguiram retomar o patamar dos US$ 14 dólares por bushel e essa parece ser uma recuperação do mercado internacional da soja depois das recentes e expressivas baixas. O milho e o trigo também encerraram o dia com bons ganhos. 

Em maio, a oleaginosa recuou 11% em Chicago. A falta de novas informações, principalmente sobre a demanda, e a estabilidade entre os fundamentos pressionaram o mercado, além da aversão ao risco por parte dos traders em função das incertezas na macroeconomia.

O que provocou esse bom desempenho da commodity foi uma junção de fatores positivos, sendo os bons fundamentos, novas informações sobre a demanda, preocupações com o clima nos EUA e o cenário mais tranquilo no mercado financeiro. 

No quadro fundamental, nada mudou. Os estoques continuam preocupantemente baixos e as perspectivas são de que essa situação se mantenha a longo prazo, mesmo com uma recuperação da safra da América do Sul e uma boa produção norte-americana. 

Além disso, a demanda permanece aquecida. Nesta quarta-feira (6), o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) anunciou a venda 120 mil toneladas de soja para a China e esse reporte trouxe uma nova faísca ao mercado, impulsionando ainda mais o avanço dos preços. No pregão desta quinta, os traders voltaram a focar este cenário permitindo esse fechamento significativamente positivo para a oleaginosa. 

Paralelamente, o mercado climático começa a mostrar sua presença e importância, estimulando os prêmios de risco por parte dos investidores que já se preocupam com uma possível seca nos Estados Unidos. Para os próximos dias, previsões de institutos norte-americanos apontam para altas temperaturas e falta de chuvas, condições nada favoráveis para o desenvolvimento das lavouras. 

Entre os fatores externos, a boa notícia vem do macrocenário, que registrou uma quinta-feira mais tranquila, com os negócios tendo caminhado por um viés positivo e reduzindo a aversão ao risco. Essa situação de menos preocupações e incertezas acaba favorecendo uma volta dos fundos de investimento ao mercado de commodities, resultando em boas altas para as cotações.

Contribuindo para este cenário, a China, uma das mais importantes economias mundias e importante consumidora de commodities, anunciou que está reduzindo as taxas de juros no país. Essa é a primeira vez que o índice é rebaixado desde 2008. A percepção do mercado foi bastante positiva sobre esse anúncio e completou o bom humor do mercado hoje.

Veja a entrevista do analista de mercado Pedro Dejneka, da PHDerivativos, direto de Chicago, no programa Mercado & Cia:

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário