Soja e milho fecham em queda diante de clima favorável nos EUA

Publicado em 29/07/2013 17:31
1821 exibições

Na sessão desta segunda-feira (29), a soja fechou em queda nos principais vencimentos, registrando uma alta de 17 pontos apenas no vencimento agosto/13. Os demais contratos fecharam o dia perdendo entre 3,25 e 8,50 pontos na Bolsa de Chicago, pressionados pelas boas condições climáticas no Meio-Oeste dos Estados Unidos.

O cenário climático nos Estados Unidos é bastante favorável ao desenvolvimento da nova safra dos Estados Unidos e esse foi principal fator de pressão para as cotações não só da soja, como também do milho, no mercado internacional. Os preços do cereal encerraram o dia perdendo pouco mais de 2 pontos nos principais vencimentos. O sábado e o domingo foram de temperaturas amenas e chuvas leves, condições ideais para o bom desenvolvimento das plantações nas fases em que se encontram as plantações. 

"O mercado está precificando 100% do risco climático (...) Quando houve o risco de uma frustração nos rendimentos americanos, o mercado adicionou um prêmio de risco, e a medida que a situação foi se mostrando mais tranquila, com temperaturas mais amenas e um pouco mais de chuva, esse prêmio de clima foi retirado e hoje temos um preço para o novembro perto dos US$ 12,20 por bushel", disse o analista de mercado da FCStone, Étore Baroni. 

No entanto, o analista afirma ainda que é preciso acompanhar com cautela o desenvolvimento da nova safra e os números que são divulgados mensalmente pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) em seus relatórios de oferta e demanda. 

A produtividade da soja dos EUA é estimada pelo departamento - 50,45 sacas/hectare - é, na opinião de Baroni, muito alta diante do atraso pelo qual passou o plantio da nova safra e, para que se concretize, precisaria passar sem qualquer problema por todos os estágios. "E nós sabemos que não ocorreu assim, então, esse rendimento é um rendimento alto e eu acredito que o USDA poderia alterar isso", explica. 

Não só para Baroni, mas também para o analista da Safras & Mercado, Flávio França, a possibilidade de um repique de alta nos preços é cada vez mais estreita, haja vista que a previsão para os próximos dias é de que as boas condições climáticas permaneçam e contribuem para uma boa configuração da safra norte-americana. 

“Com exceção de alguma surpresa no clima ainda durante o mês de agosto, os preços da soja no segundo semestre devem ser mais baixos. No final do ano o mercado interno pode se descolar do mercado externo e ocorrer repique nos preços do Brasil, mas na Bolsa de Chicago isso não deve ocorrer”, acredita França.

Os analistas acreditam ainda que, no longo prazo, outro fator que pesa sobre o mercado internacional é a supersafra 2013/14 de soja que deverá ser produzida da América do Sul e a vigorosa colheita de milho desse ano. Só no Brasil, o incremento na área de plantio da oleaginosa deverá registrar um incremento de 3,7% e a produção pode chegar a 88 milhões de toneladas. 

Diante desse quadro, para Étore Baroni, o produtor brasileiro deve se atentar ao caminhar dos preços e, caso o mercado registre bons momentos de alta, realize parte de suas vendas da nova temporada. tentando garantir bons níveis de preços antes da entrada efetiva da nova safra americana. 

"A medida em que vemos altas momentâneas em Chicago é sim momento de venda para o produtor ir avaliando e realizando suas operações caso ainda não as tenha feito", acredita Baroni.

No link abaixo, confira a íntegra da entrevista do analista de mercado Étore Baroni

>> Étore Baroni - Fechamento do Mercado Internacional de Grãos

Veja como ficaram as cotações dos grãos no fechamento desta segunda-feira:

>> SOJA

>> MILHO

>> TRIGO

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • José Roberto de Menezes Londrina - PR

    Quem planta tarde gasta mais e colhe menos.

    0