Soja: Exportações dos EUA devem alcançar recordes com diminuição dos estoques na América do Sul, informa Oil World

Publicado em 09/10/2013 15:37 e atualizado em 09/10/2013 16:56
474 exibições

As exportações de soja dos Estados Unidos devem alcançar níveis recordes neste trimestre, enquanto as exportações da América do Sul estão diminuindo devido à redução dos estoques, de acordo com a Oil World, empresa alemã que realiza pesquisas de mercado sobre a oleaginosa.

As vendas dos EUA devem alcançar os 20 milhões de toneladas neste trimestre, segundo relatório divulgado pela Oil World. No ano passado, foram exportados 19,2 milhões de toneladas e 14,3 milhões de toneladas no último trimestre de 2011.

A soja no mercado futuro já caiu 7,5% em Chicago este ano, devido às previsões de produção maior nos EUA, que deverá ocupar a posição de segundo maior produtor mundial da oleaginosa, depois do Brasil. 

De acordo com a Oil World, o Brasil já embarcou 97% de suas exportações de soja nos primeiros nove meses do ano. “As exportações de soja dos EUA terão que aumentar significativamente, principalmente se observarmos os últimos sete meses para satisfazer a demanda mundial”, informou. “Com as exportações norte-americanas ainda muito altas em setembro, eles precisarão acelerar”.

Os EUA embarcaram 5,83 milhões de toneladas de soja nos seis meses até setembro, 15,2 milhões no mesmo período do ano passado e 10,4 milhões no período equivalente em 2011. As exportações do Brasil subiram para 39,6 milhões de toneladas, saindo de 29 milhões no ano passado e 27,9 milhões no mesmo período de 2011, segundo o relatório.

Embarques preparados
As exportações de soja dos EUA devem ficar na média de 6,7 milhões de toneladas por mês neste trimestre. Em setembro foram embarcadas 1,14 milhão de toneladas e 370 mil toneladas em agosto.

"As inspeções semanais de exportação terão que aumentar substancialmente a partir de agora", afirmou a Oil World. "Ao mesmo tempo, as exportações norte-americanas de trigo e milho também estão aumentando, o que pode criar gargalos ao longo do Rio Mississippi".

As embarcações de soja da América do Sul estão estimadas em 3,78 milhões de toneladas no quarto trimestre, o que representa um aumento em relação às 2,16 milhões de toneladas exportadas no ano anterior e 7,23 milhões de toneladas nos últimos três meses de 2011.

A Argentina será o “fator de oscilação” para os embarques da América do Sul, pois o Brasil deve ficar com cerca de 1,4 milhão de toneladas para exportação no último trimestre após o envio de 40,6 milhões de toneladas nos nove primeiros meses”, informou a empresa.

Moeda Argentina
Os agricultores argentinos têm sido conservadores com as vendas de soja. Eles optaram por manter as safras como proteção contra a inflação e esperar uma desvalorização potencial da taxa de câmbio oficial. As exportações do país no último trimestre deverão ser de 1,74 milhão de toneladas, um aumento em relação às 600 mil toneladas exportadas no ano anterior. 

O atraso nas plantações da safra de verão sul-americana, devido ao clima mais seco que o normal em áreas produtoras do Brasil e da Argentina.

A Oil World informa ainda que os produtores argentinos provavelmente não conseguirão completar a semeadura de milho e soja, o que resultará em uma área recorde para a soja de 20 milhões de hectares. Produtores brasileiros também devem optar por destinar áreas para a soja.

Se a falta de umidade prevalecer até novembro no Brasil e até dezembro na Argentina, conforme previsto, as plantações poderão ser prejudicadas e as condições para a germinação precoce serão insatisfatórias, criando condições favoráveis para a elevação dos preços da soja. 

Com informações de: Bloomberg.com

Tradução: Fernanda Bellei

Tags:
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário