Soja: mercado espera USDA positivo para a demanda e fecha em alta

Publicado em 09/12/2013 16:32 1351 exibições

Nesta segunda-feira (9), os futuros da soja fecharam o dia com ganhos de dois dígitos na Bolsa de Chicago. O mercado operou durante toda a sessão regular do lado positivo da tabela, e o vencimento maio, que é referência para a safra brasileira, conseguiu voltar para a casa dos US$ 13 por bushel. A demanda muito aquecida foi o principal fator de estímulo para os preços. 

Segundo o analista Daniel D'Avilla, da corretora New Edge, o mercado já precificou as expectativas de que o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) irá trazer, no relatório desta terça-feira (10), um reajuste para cima nos números da demanda, principalmente nas exportações norte-americanas. 

"O mercado espera que o governo aumente um pouco mais a demanda nos EUA, consequentemente, os estoques de passagem um pouco menores. Assim, que está vendido, está recomprando suas posições e isso faz o mercado subir. E essa demanda forte, que não para de crescer tem feito também os preços subirem, para racionar um pouco a procura pelo produto", diz. 

Para Flávio França, consultor de mercado, esse consumo bastante aquecido não só pela China, mas também de outros países importadores, não deverão permitir uma queda significativa nos preços mais adiante pois, mesmo com uma safra cheia nos Estados Unidos, os estoques locais são muito ajustados. 

Por outro lado, França afirma ainda que as primeiras indicações sobre a produção sulamericana são bastante positivas, com as lavouras se desenvolendo sob um cenário climático favorável, quadro que exerce uma pressão negativa sobre as cotações. E, para o consultor, até que o mercado se depare com definições sobre a colheita brasileira, argentina e paraguaia, o mercado deverá se movimentar de lado, registrando algumas realizações de lucros pontuais. 

"A questão da demanda é muito sólida, e portanto, vem dando suporte ao mercado e enxugando os estoques americanos. E agora, de dezembro a fevereiro, são os meses-chave para a definição da safra da América do Sul. Enquanto estiver bem, o mercado não tem um fator de alta explosivo, mas como ele voltou a se tornar sensível à questão dos estoques dos EUA, não pode ter problema na safra da América do Sul. Então, qualquer ameaça mais séria para essa safra será um motivo de forte especulação e impacto positivo nos preços", diz o consultor. 

No link abaixo, confira a íntegra da entrevista de Flávio França:

Flávio França - Consultor de Mercado - Mercado da Soja

Veja como ficaram as cotações dos grãos no fechamento desta segunda-feira: 

>> SOJA

>> MILHO

>> TRIGO

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário