CBOT: soja tem ligeira queda nesta 4ª feira à espera do USDA

Publicado em 11/06/2014 12:03 757 exibições

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulga seu novo relatório mensal de oferta e demanda nesta quarta-feira (11) por volta das 13h (horário de Brasília). À espera desses novos números, portanto, o mercado da soja opera com movimentações bem pouco expressivas na sessão regular da Bolsa de Chicago. 

Às 11h40 (horário de Brasília), as posições mais negociadas perdiam entre 1 e 3,50 pontos, com o vencimento julho/14 cotado a US$ 14,61 por bushel. Analistas afirmam que esse contrato, até esse momento, segue operando em um intervalo de preços que varia de US$ 14,50 a US$ 15,30 e que o rompimento de um desses dois patamares pode desencadear novas baixas ou estimular um novo avanço das cotações. 

Análises técnicas mostram que o mercado internacional da soja está, portanto, lateralizado, ou seja, sem apresentar uma tendência definida. Entretanto, os fundamentos de oferta e demanda de curto prazo ainda são muito positivos, uma vez que os estoques finais norte-americanos são historicamente baixos e, para esse boletim do USDA, espera-se um novo corte nos números. 

O mercado espera uma leve baixa de 80 mil toneladas nos estoques finais de soja dos Estados Unidos da safra 2013/14, os quais deverão passar de 3,54 milhões para 3,46 milhões de toneladas. Além disso, os traders esperam ainda uma baixa dos estoques finais norte-ameriacanos da safra 2014/15, que devem cair de 8,98 milhões para 8,76 milhões de toneladas. Já sobre a produção da nova safra, espera-se um número próximo de 98,71 milhões de toneladas, contra o estimado em maio de 98,93 milhões de toneladas. 

Expectativas para o cenário mundial - Sobre os estoques mundiais, as expectativas do mercado são de que, para a safra 2014/15, o número suba, ligeiramente, de 82,2 milhões para 82,5 milhões de toneladas. Já para a temporada atual, o número pode recuar levemente, passando de 67 milhões de 66,8 milhões de toneladas.

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário