Soja perde quase 40 pontos em Chicago nesta 2ª feira e pesa sobre preços no Brasil

Publicado em 01/08/2016 17:17 e atualizado em 01/08/2016 18:05
2253 exibições

A semana começa com os preços da soja - tanto no disponível, quanto no mercado futuro - recuando de forma expressiva no Brasil. Nesta segunda-feira (1), após a despencada dos futuros da oleaginosa na Bolsa de Chicago, que encerraram o dia cedendo quase 40 pontos nos principais vencimentos, nos portos a queda das referências passou de 2%. 

A soja disponível perdeu, no porto de Rio Grande, 2,58% e fechou valendo R$ 79,40 por saca, enquanto no de Paranaguá foi a R$ 83,00, com queda de 2,35%. Para a oleaginosa da safra nova, o preço no terminal gaúcho caiu 2,50% para encerrar os negócios em R$ 78,00 e no paranaense, 3,66% para R$ 79,00 por saca. No interior do país, algumas praças - como Tangará da Serra e Campo Novo do Parecis, em Mato Grosso - cederam ainda mais e terminaram o dia perdendo mais de 4% nesta segunda-feira e deixando o patamar dos R$ 70,00 por saca. 

No link abaixo, confira as cotações completas desta segunda-feira:

>> MERCADO DA SOJA

Nem mesmo a alta ligeiramente mais forte do dólar neste início de semana foi capaz de trazer algum suporte aos negócios da soja no mercado nacional. A moeda norte-americana ainda sobe com dificuldade e não consegue alcançar o patamar dos R$ 3,30, limitando um avanço dos preços da soja brasileira. Os ganhos, segundo explicam analistas, se deram em função de uma mais latente aversão ao risco, puxando os investidores para ativos mais seguros, como a divisa. Entretanto, os ganhos parecem ainda não ser firmes o suficiente. 

Nesse quadro, os vendedores permanecem reticentes em voltar ao mercado e mantêm a comercialização travada no Brasil. Os patamares de preços seguem distantes dos melhroes momentos do ano, tanto para a soja da safra velha como da nova. A perspectiva, porém, com a chegada de agosto, é de uma melhora no ritmo dos negócios.

"Já dentro do período de entressafra, o mercado da soja deverá mostrar maior movimento junto às regiões produtoras e consumidoras no interior", explica Vlamir Brandalizze. "A demanda deve seguir em bom ritmo para o grão regionalizado - com cotações mais competitivas para o setor interno de farelo e óleo de soja - e com pouco movimento esperado para os portos - devido ao dólar mais barato, que dificulta as negociações", completa o consultor de mercado da Brandalizze Consulting. 

Bolsa de Chicago

Na Bolsa de Chicago, os futuros da soja sentiram, mais uma vez, a pressão das condições favoráveis de clima para o desenvolvimento da safra 2016/17 e das previsões indicando a continuidade desse padrão nos próximos dias. Assim, as posições mais negociadas perderam entre 35 e 38 pontos, com o novembro/16, referência para a temporada americana, terminando o dia com US$ 9,65 por bushel. 

As últimas previsões climáticas indicam que as temperaturas continuam subindo no Corn Belt, porém, chuvas fortes se espalham por todo o cinturão produtivo norte-americano e reduzem as ameaças trazidas pelo calor intenso, segundo explicam analistas internacionais. Nos próximos sete dias, esse padrão continua e, portanto, ainda pressionando os preços. 

Chuvas previstas para os próximos 7 dias nos EUA - Fonte: NOAA

Chuvas previstas para os próximos 7 dias nos EUA - Fonte: NOAA

"Até agora, nada de ameaças climáticas na previsão. Sim, ficará mais quente, mas ainda com muita chuva, o que vai evitar o stress sobre as plantas. Estão todos falando sobre as excelentes condições da nova safra dos EUA, além dos recordes de produtividade", explica Jack Scoville, analista de mercado da Price Futures Group, em entrevista ao site Agriculture.com.

Na outra ponta do mercado, estão as informações de demanda, que são fortes, mas que assumiram um papel de coadjuvantes nesse momento de ápice do mercado climático norte-americano. Nesta segunda-feira, o USDA anunciou a venda de 391 mil toneladas de soja da safra 2016/17, confirmando esse bom momento, além de embarques semanais dentro das expectativas do mercado. 

Na semana encerrada em 28 de julho, os EUA embarcaram 671 mil toneladas de soja, enquanto o mercado apostava em algo entre 600 mil e 790 mil toneladas. Na semana anterior, esse volume veio ligeiramente maior, em 718,346 mil toneladas. No acumulado do ano comercial 2015/16, os embarques americanos já somam 46.635,984 milhões de toneladas, contra 48.856,544 milhões do mesmo período da temporada anterior. 

Tags:
Por Carla Mendes
Fonte Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Dalzir Vitoria Uberlândia - MG

    Cara Carla Mendes..e a demanda acabou!!!!os consumidores estão em greve de fome!!!!de sexta pra segunda!!!!!gostaria que explicasse melhor esta reviravolta...ou melhor na sexta as lavoras americanas não estavam em boas condições...passados sabado e domingo..elas estão melhores..assim em dois dias...poderias explicar melhor estas papagaidas...ou vai deletar o meu comentario!!!!!!!

    10
    • CASSIO MANFIOFREDERICO WESTPHALEN - RS

      Cáro Dalazir Vitoria,, é safra cheia americana chegando my brother, é sempre assim,tudo indica que teremos bastante oferta até a safra brasileira. Preços mais que atrativos que tivemos no decorrer do ano, somente com uma frustração da safra americana, e mais o dólar esta abaixo dos 3,80.

      0
    • DALZIR VITORIAUBERLÂNDIA - MG

      Caro Cassio...conheço sua cidade e o seu interior...na década de 80 comecei a fazer administração em Frederico...mas desisti pois estrada de chão mais as balsas em Itapiranga sobre o Uruguai eram um pesadelo...concordo com voce sobre a safra americana..não concordo com bobagens que falam e escrevem e depois mudam como trocam de roupa e os fundamentos serios e os mercados não funcionam desta forma..

      6