Soja: Apesar das leves altas em Chicago, preços no interior do Brasil cedem até 4% nesta 4ª feira

Publicado em 02/08/2017 17:47
999 exibições

Apesar da leve recuperação dos preços da soja na Bolsa de Chicago nesta quarta-feira (2), os preços da oleaginosa voltaram a recuar no mercado brasileiro diante de uma nova baixa do dólar frente ao real. A moeda brasileira encerrou o dia com 0,20% de queda e valendo R$ 3,1197 diante da possibilidade da retomada das reformas pelo governo Michel Temer. 

"Que a denúncia seria barrada, já estava no preço. Agora, parece que vai ser muito rápido e com um bom placar. Isso é boa notícia para as reformas", disse o operador da corretora BGC Liquidez José Alexis Braga à agência de notícias Reuters.

Leia mais:

>> Dólar cai nesta quarta-feira (2) ante real com expectativa que Temer retome reformas

No interior do Brasil, as baixas foram bastante intensas e chegaram, em alguns casos, a superar os 4%, como em Panambi/RS, onde a saca foi para R$ 58,50, ou em praças de Mato Grosso como Tangará da Serra e Campo Novo do Parecis, onde os prerços perderam mais de 3% para, respectivamente, R$ 54,00 e R$ 53,00 por saca, e no Oeste da Bahia, onde a última referência foi de R$ 57,50.

Nos portos, porém, a movimentação dos indicativos foi menos intensa e a maior parte das referências fechou a quarta-feira com estabilidade. Em Paranaguá, disponível e safra nova terminaram o dia com R$ 71,00 por saca, e com uma alta de 0,7% no segundo caso. Já em Rio Grande, Santos e Imbituba não foram registradas referências. Em São Francisco do Sul, 0,43% de alta para R$ 69,70 por saca. 

Os negócios no Brasil permanecem caminhando de forma lenta nestes últimos dias, com os vendedores distantes de novas vendas frente aos atuais patamares, segundo explicam analistas e consultores de mercado. "O dia foi de negócios pontuais, com um leve avanço nos portos e os produtores 'correndo' para fazer caixa, temendo novas baixas à frente e assim, os negócios fluíram, mesmo em negócios pequenos", diz o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting. 

Ainda assim, as exportações brasileiras continuam apresentando números expressivamente positivos, com um acumulado no ano que passa de 50,9 milhões de toneladas, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

O volume indica um recorde histórico, com o total do mesmo período do ano passado em pouco mais de 44 milhões. recorde histórico até
agora, no ano passado tinha neste mesmo período 44.355 mil toneladas acumuladas. "Tudo caminha
para que cheguemos a marca das 62 a 64 milhões de toneladas, porque ainda temos fôlego para novos embarques", acredita Brandalizze. E a demanda pela soja norte-americana segue aquecida. Ao contabilizar o total do complexo soja, o volume é de 60,5 milhões de toneladas. 

Mercado em Chicago

Na Bolsa de Chicago, os futuros da oleaginosa fecharam a sessão desta quarta-feira em campo positivo, buscando uma recuperação depois das intensas e severas baixas do pregão anterior. Entre as posições mais negociadas, os ganhos ficaram entre 5,75 e 7 pontos, com o novembro/17 cotado a US$ 9,77 por bushel. 

O mercado internacional ainda reage ao clima no Corn Belt, o qual será decisivo para a cultura nos próximos 15 a 20 dias e as perspectivas de melhores condições de chuvas e temperaturas mais amenas seguem pressionando as cotações. Para os próximos 7 dias, os mapas ainda mostram volumes bastante elevados para algumas partes do Meio-Oeste, com regiões recebendo mais de 50 mm. 

NOAA 7 dias

No intervalo dos próximos 8 a 14 dias - de 9 a 15 de agosto - os mapas do NOAA - ilustrados na sequência -  seguem indicando temperaturas abaixo da média para o período, e chuvas acima, o que também poderia favorecer o desenvolvimento das plantas em algumas áreas. 

Temperaturas 8 a 14 dias

Temperaturas previstas para os EUA nos próximos 8 a 14 dias - Fonte: NOAA

Chuvas 8 a 14 dias

Chuvas previstas para os EUA nos próximos 8 a 14 dias - Fonte: NOAA

Os traders acompanham a reta final das lavouras nos Estados Unidos de olho na produtividade em que essa safra trará de resultado. No dia 10 de agosto, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) traz um novo boletim mensal de oferta e demanda e a expectativa geral é de que a estimativa do rendimento venham menor do que o observado no reporte de julho. 

Como explica o diretor da Labhoro Corretora, Ginaldo Sousa, "a soja ainda depende do clima nos próximos 15 a 20 dias". A expectativa de produtividade da empresa para a oleaginosa é de 47 bushels por acre. "Neste momento muitas áreas secas das Dakotas, norte de Iowa e Nebraska estão recebendo chuvas, o que melhora sensivelmente as condições das plantas", explica Sousa.

Veja mais:

>> Soja: Próximos 20 dias serão decisivos para a safra americana e para os preços

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário