Soja sobe em Chicago nesta 4ª feira já absorvendo grande safra dos EUA estimada pelo USDA

Publicado em 13/09/2017 08:54 e atualizado em 13/09/2017 12:27
3672 exibições

Os preços da soja sobem nesta quarta-feira (13) na Bolsa de Chicago. As cotações, por voltade 12h15 (horário de Brasília), trabalhavam com altas de pouco mais de 8 pontos entre seus principais vencimentos e parecem já ter deixado de lado o peso dos novos e maiores números que o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) trouxe ontem em seu boletim mensal. 

Assim, o contrato novembro/17 se mantinha acima dos US$ 9,58 por bushel, sendo cotado a US$ 9,56, enquanto o março/18 já tinha US$ 9,76. 

Os traders, como explicam analistas internacionais, mantêm seu foco na conclusão da nova safra dos Estados Unidos, nas especulações sobre o início da nova safra da América do Sul e no andamento do financeiro. 

O dólar ainda chama a atenção e, mais baixo, atrai os investidores para as commodities de uma forma geral. Na manhã de hoje, o index apresentava uma nova baixa - de 0,09% - para atuar, novamente, abaixo dos 92 pontos. O indicador mostra o desemepenho da moeda americana frente a uma cesta de outras divisas internacionais. 

Nesse ambiente, o mercado continua caminhando de lado e ainda ávido por novidades fortes o suficiente para tirar os preços dessa 'lateralização'. Para alguns especialistas, as cotações seguem atuando entre os US$ 9,50 e US$ 10,00 por bushel na CBOT.

"Graficamente, nota-se que, apesar da notícia de cunho baixista indicada no relatório, ainda seguimos em uma tendência lateral. Passado o relatório de setembro, as atenções começam a se voltar para as condições de plantio na América do Sul, cujas condições de baixa umidade em várias regiões começa a gerar um pouco de preocupação", explica o analista de mercado da OTCex Group de Genebra, Miguel Biegai. 

Veja como fechou o mercado nesta terça-feira:

>> Soja: Números fortes da demanda equilibram mercado e compensam aumento na safra dos EUA

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário