Soja: Preocupações são pontuais e Brasil deve colher safra cheia na temporada 2017/18

Publicado em 05/01/2018 17:42 e atualizado em 05/01/2018 18:14
3481 exibições

LOGO nalogo

A safra 2017/18 de soja do Brasil caminha bem até esse momento e um levantamento feito pelo Notícias Agrícolas nos principais estados produtores mostra que as preocupações são pontuais e as expectativas são de colheita de uma safra cheia. Enquanto a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) estima uma produção de 109,2 milhões de toneladas, consultorias privadas e pesquisas de agências de notícias apostam em números maiores do que isso. 

A Reuters, nesta sexta-feira (5), trouxe dados mostrando uma projeção de mais de 110 milhões de toneladas para esta temporada, o que aponta para um aumento de quase 800 mil toneladas em relação à pesquisa de novembro. 

Entre os pontos a serem observados com mais atenção nesta fase são as ocrorrências da ferrugem asiática e a preocupação dos produtores com a incerteza sobre os reais impactos do La Niña nesta safra. As lavouras ainda se encontram, no Rio Grande do Sul, por exemplo, em fase de desenvolvimento vegetativo e poderiam ser penalizadas pelo fenômeno. 

De acordo com números do Consórcio Antiferrugem, são 77 casos da doença no Brasil, com o Paraná liderando com 46 registros, seguido pelo Rio Grande do Sul, com 13.

Consórcio Antiferrugem - janeiro 2018

Há ainda algumas preocupações com o clima, mas também em regiões localizadas da área produtora de soja no Brasil. O excesso de chuvas em pontos do Centro-Oeste e no Paraná preocupa os sojicultores, já que os acumulados das últimas semanas são bastante elevados e já causaram alguns prejuízos. 

Enquanto para Mato Grosso do Sul e Goiás contam, segundo a Climatempo, com previsões indicando volumes de até 100 mm de chuvas para nos próximos dias, no Rio Grande do Sul as precipitações ainda deverão ser limitadas em um momento em que são necessárias e determinantes para garantir o potencial das lavouras.

Na temporada 2016/17, o Brasil colheu 114.075,3 milhões de toneladas de soja. A redução no volume produzido, segundo explicam especialistas e produtores, apesar de um aumento na área plantada - de 33,9 milhões para 34,9 milhões de toneladas - é redução de um menor investimento nesta temporada, o que deve reduzir a produtividade média. 

Segundo números da Conab, o rendimento da soja deverá cair de 3364 quilos por hectare (56,06 sacas/ha) para 3123 quilos (52,05 scs/ha). 

Mato Grosso

Em Mato Grosso, maior produtor de soja no país, a perspectiva é que sejam colhidas mais de 30 milhões de toneladas na safra 2017/18, conforme estimativa da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). Segundo o novo presidente da Aprosoja Mato Grosso, Antônio Galvan, as plantações apresentam boa aparência até o momento.

Após o atraso inicial, decorrente da ausência de umidade, as chuvas retornaram ao estado beneficiando o desenvolvimento das plantas.

"As chuvas seguem regulares, mas o sol também tem aparecido, com isso, temos poucas doenças. A perspectiva é de uma produtividade bem próxima da registrada no ciclo anterior, de 55 sacas de soja por hectare", explica Galvan.

O estado já tem 5 casos de ferrugem asiática, conforme dados do Consórcio Antiferrugem. Os agricultores seguem atentos e realizando as aplicações preventivas nas plantações. Nesta safra, a  estimativa é que os trabalhos de colheita se concentrem no final de janeiro.

Soja na Fazenda Centro Oeste em Gaúcha do Norte (MT). Envio de Nilson Francisco Alessio

Soja na Fazenda Centro Oeste em Gaúcha do Norte (MT). Envio de Nilson Francisco Alessio

Soja em Colider (MT). Envio do Engenheiro Agrônomo Daniel Bogorni

Soja em Colider (MT). Envio do Engenheiro Agrônomo Daniel Bogorni

Mato Grosso do Sul

As chuvas também têm beneficiado a produção de soja em Mato Grosso do Sul, especialmente no sul do estado após um período mais seco. Na região de Laguna Carapã, as plantações estão em fase de enchimento de grãos e os produtores realizam as aplicações preventivas para o controle das doenças de final de ciclo, como antracnose e ferrugem asiática, segundo destaca Antônio Rodrigues Neto, técnico agrícola da Casa da Lavoura de Dourados.  

Inclusive, na localidade o Consórcio Antiferrugem já confirmou um caso da doença, o outro caso foi registrado em Dourados. E, por enquanto, as previsões climáticas ainda indicam chuvas nos próximos dias no estado e o volume deve ficar próximo de 100 mm, de acordo com dados da Climatempo. 

Para essa temporada, a projeção oficial é que o estado colha 8,04 milhões de toneladas de soja. O volume está bem próximo do estimado pela Aprosoja Mato Grosso do Sul, em seu último informe, de 8,3 milhões de toneladas nesta safra, com rendimento médio de 54 sacas do grão por hectare. 


Soja em Laguna Carapã (MS). Envio de Antonio Rodrigues

Soja em Laguna Carapã (MS). Envio de Antonio Rodrigues

Soja no sítio Boa Sorte em Caarapó (MS). Envio do Eng Agrônomo Fabiano Maran Leme

Soja no sítio Boa Sorte em Caarapó (MS). Envio do Eng Agrônomo Fabiano Maran Leme


Goiás

Assim como em outras regiões do país, as adversidades climáticas também atrasaram a semeadura da soja em Goiás. Com isso, as plantações estão em diferentes fases de desenvolvimento e a colheita deverá tomar ritmo a partir do dia 15 de fevereiro. A Conab estima a safra de soja em 10,5 milhões de toneladas do grão nesta safra. 

Ainda assim, o produtor rural de Jataí, Mozart Carvalho, reforça que há preocupações com as doenças devido às chuvas recentes. Para o estado, as previsões climáticas também indicam chuvas próximas de 100 mm nos próximos dias. "Precisamos de duas horas de tempo firme para ter melhor eficiência dos produtos aplicados nas lavouras. E também ainda não sabemos se o atraso no plantio poderá afetar o rendimento das lavouras", ressalta o agricultor. 

Soja em Jataí (GO). Envio do Engenheiro Agrônomo Hildo Antônio

Soja em Jataí (GO). Envio do Engenheiro Agrônomo Hildo Antônio

Soja em pleno enchimento de grãos na Fazenda Modelo em Jatai (GO). Envio de Carlos Henrique Bento

Soja em pleno enchimento de grãos na Fazenda Modelo em Jatai (GO). Envio de Carlos Henrique Bento


Paraná

No segundo maior estado produtor de soja no Brasil, o Paraná, o excesso de chuvas tem dificultado o controle da ferrugem asiática e há incertezas em relação ao potencial produtivo das lavouras. Em seu último boletim informativo, o Deral (Departamento de Economia Rural), destacou que 88% das plantações ainda apresentam boas condições.

Conforme informações disponíveis no site do Consórcio Antiferrugem, o estado já registra 46 ocorrências de ferrugem nesta temporada.

Além disso, o vice-presidente da Aprosoja Paraná, José Eduardo Sismeiro, ressalta a preocupação com o comportamento das variedades cultivadas fora dos períodos recomendados. O plantio da soja começou com mais de 20 dias de atraso no estado devido à ausência de chuvas.

Em meio a esse cenário, a liderança estima que a produção de soja deva ficar próxima de 17 milhões de toneladas nesta safra, embora ainda não seja possível apurar o potencial de perdas. Ainda conforme dados do Deral, o estado deverá colher mais de 19 milhões de toneladas do grão.

Soja Da família Trevisan em Capanema (PR)

Soja Da família Trevisan em Capanema (PR)

 

Soja em Itambé (PR). Envio de Nivaldo Forastieri

Soja em Itambé (PR). Envio de Nivaldo Forastieri
 

Rio Grande do Sul

No estado gaúcho, as atenções seguem voltadas ao La Niña e os impactos do evento climático na safra de verão. No caso da soja, em torno de 84% das lavouras estão em fase de desenvolvimento vegetativo, conforme levantamento realizado pela Emater/RS.

"Em áreas muito adiantadas, soja do cedo, a fase é de enchimento de grãos com 1%, apresentando bom stand de lavouras, beneficiadas pelas precipitações do último período. Os agricultores estão aplicando fungicidas para controlar oídio e prevenir a incidência de ferrugem asiática", reportou a entidade em seu boletim semanal.

As chuvas registradas no final de dezembro também aliviaram as preocupações dos produtores rurais e melhoraram a umidade no solo na região de Passo Fundo. Contudo, o tesoureiro da Associação dos Cerealistas e produtor rural, Dilermando Rostirolla, reforça que as plantações precisam de chuvas nos próximos dias. 

"Ainda não há problemas de umidade, mas a temperatura no período da tarde está elevada então precisamos de chuvas. Os grandes problemas de seca no estado atingem primeiro a região da Fronteira e, com isso, a quebra pode ser grande, mas temos que esperar", reporta Rostirolla.

Lavoura de soja na região das Missões, no Rio Grande do Sul

Lavoura de soja na região das Missões, no Rio Grande do Sul

Lavoura de soja na região das Missões, no Rio Grande do Sul

Lavoura de soja na região das Missões, no Rio Grande do Sul


Maranhão

No estado, as chuvas regulares têm trazido boas perspectivas em relação à produtividade das lavouras de soja nesta temporada. Em Balsas, em torno de 80% das plantações estão em fase de floração, de acordo com o produtor rural da região, Valério Mattei. Nesta safra, os agricultores deverão colher 2,6 milhões de toneladas de soja, segundo levantamento da Conab.

"As chuvas continuam regulares e bem distribuídas, o que tem contribuído para o bom desenvolvimento das plantações. E as lavouras também apresentam boa sanidade, consequentemente, poderemos colher cerca de 55 sacas de soja por hectare, caso não haja nenhuma intempérie climática", completa o produtor. 

Lavoura de soja na região de Balsas (MA). Envio do produtor Valério Mattei

Lavouras de soja na região de Balsas (MA). Envio do produtor Valério Mattei

Lavoura de soja na região de Balsas (MA). Envio do produtor Valério Mattei

Lavouras de soja na região de Balsas (MA). Envio do produtor Valério Mattei


Tocantins

No estado, as lavouras de soja também têm sido beneficiadas pelo clima. "Ainda temos pontos com chuvas irregulares no Tocantins, mas não está faltando umidade. Com isso, mantemos uma boa expectativa para o rendimento das lavouras nesta safra", disse Marcílio Fernandes Marangoni, engenheiro agrônomo de Darcinópolis. 

De modo geral, 30% das plantas estão em fase de enchimento de grãos, 40% estão em fase de florescimento e 30% em desenvolvimento vegetativo. A Conab projeta a safra de soja do estado em 2,8 milhões de toneladas no ciclo 2017/18.

Lavoura de soja em Darcinópolis (TO). Envio de Marcílio Fernandes Marangoni

Lavoura de soja em Darcinópolis (TO). Envio de Marcílio Fernandes Marangoni

Lavoura de soja em Darcinópolis (TO). Envio de Marcílio Fernandes Marangoni

Lavoura de soja em Darcinópolis (TO). Envio de Marcílio Fernandes Marangoni


Piauí e Bahia

Ainda de acordo com levantamento da Conab, o Piauí deverá colher 1,7 milhão de toneladas de soja na safra 2017/18. A projeção está abaixo do registrado na temporada passada, de 2,04 milhões de toneladas. A diferença é decorrente da queda na produtividade, ainda projetada pela entidade. O rendimento médio esperado para essa safra é de 2.528 mil quilos por hectare, contra os 2.952 mil quilos do ciclo 2016/17. 

Já na Bahia, a safra de soja está estimada em 4,83 milhões de toneladas, uma queda de 5,7% em relação à temporada passada, na qual, foram colhidas 5,12 milhões de toneladas. O rendimento médio registrou uma queda de 9,2%, de 3.242 mil quilos por hectare para 2.943 mil quilos por hectare. As informações fazem parte do levantamento da Conab.

Além disso, o estado registrou recentemente o primeiro caso da ferrugem asiática, confirmada no município de São Desidério. "A doença foi identificada na última quarta-feira (3) e a chuva regular, que vem ocorrendo na região, contribuiu para o aparecimento do foco", reportou a Aiba (Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia) em nota.

Fazenda Mariotti, oeste da Bahia

Fazenda Mariotti, oeste da Bahia

Sudeste

Com as chuvas recentes, os produtores de São Paulo também estão atentos às lavouras e a ocorrência da ferrugem asiática. Dados do Consórcio Antiferrugem apontam três casos da doença no estado. Nesta safra, os agricultores deverão colher 3,13 milhões de toneladas, ligeiramente acima do registrado no ciclo anterior, de 3,08 milhões de toneladas.

Paralelamente, em Minas Gerais, já há dois casos de ferrugem asiática nesta safra. A safra deverá apresentar uma queda de 5,5%, com uma produção próxima de 4,78 milhões de toneladas. No ciclo 2016/17, o estado colheu 5,06 milhões de toneladas de soja. 

Tags:
Por: Carla Mendes e Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário