Em novo dia vazio de informações, soja em Chicago tem variações tímidas e limitadas nesta 6ª

Publicado em 25/01/2019 09:20 e atualizado em 28/01/2019 08:44
749 exibições

LOGO nalogo

Os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago registram um novo dia de poucas e limitadas oscilações nesta sexta-feira (25). As cotações, por volta de 8h55 (horário de Brasília), trabalhavam em campo misto, com variações de 0,25 a 0,75 ponto, tendo o março/19 em US$ 9,15 e o julho/19 em US$ 9,41 por bushel. 

O mercado futuro norte-americano segue caminhando de lado, com o governo dos EUA paralisado há mais de 30 dias e sem liberar informações oficiais que ajudam a direcionar as cotações. Há semanas o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) não consegue trazer seus dados aos traders e o movimento especulativo acaba por ficar cada vez mais limitado. 

Do mesmo modo, há expectativas ainda sobre a guerra comercial entre chineses e americanos - e sobre o encontro que voltam a realizar entre os dias 30 e 31 de janeiro - bem como sobre o número real da nova safra da América do Sul. 

As condições de clima preocupam no Brasil, com algumas regiões ainda sofrendo com a falta de chuvas e, caso essas precipitações necessárias não cheguem, as perdas podem se agravar e trazer estimativas mais baixas do que as últimas reportadas por consultorias privadas e pela Conab nas últimas semanas. 

Por outro lado, o avanço da colheita brasileira e a chegada dessa nova oferta ao mercado também ajuda a manter uma pressão sobre o futuro das commodities. 

"O mercado de grãos continua cauteloso diante de manchetes ainda muito confusas. A seca continua preocupando no Brasil, dando suporte aos preços, mas a falta de um acordo entre China e EUA, bem como a falta de dados do governo americano mantém o caminho duro para que os traders tomem uma direção ou outra", diz a consultoria internacional Allendale, Inc. 

Veja como fechou o mercado nesta quinta-feira:

>> China compra até 7 navios de soja no Brasil e sinaliza boa demanda na América do Sul

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário