Soja sobe na Bolsa de Chicago nesta 3ª após redução da qualidade das lavouras pelo USDA

Publicado em 14/07/2020 08:02 e atualizado em 14/07/2020 11:30 1207 exibições
Mercado, porém, ainda monitora as chuvas esperadas para os próximos dias no Corn Belt

LOGO nalogo

O mercado da soja sobe nesta terça-feira (14) na Bolsa de Chicago. Os futuros da oleaginosa, por volta de 7h55 (horário de Brasília), subiam entre 3 e 4 pontos nos principais vencimentos, com o agosto valendo US$ 8,78 e o novembro, US$ 8,79 por bushel. 

As cotações recuperam parte das perdas do pregão anterior, de mais de 1%, principalmente frente ao novo reporte semanal do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulgado no final da tarde de ontem. O reporte trouxe a redução do índice de lavouras de soja em boas ou excelentes condições de 71% para 68%, em linha com o esperado pelos traders e deu algum espaço de respiro para os preços. 

Ao mesmo tempo, porém, o mercado segue acompanhando as previsões climáticas para o Corn Belt. Para os próximos dias são esperadas algumas chuvas em importantes regiões produtoras que vinham sofrendo com o tempo mais quente e seco. 

"Nas previsões climáticas atualizadas para os próximos dias, as precipitações voltam para o centro e oeste de todo o Cinturão Agrícola, cobrindo as áreas sob um padrão de estiagem atualmente. Mesmo com reduções pontuais de potencial produtivo, a volta das chuvas nesta segunda metade de Julho permitirá a recuperação da saúde vegetal das culturas em campo", explica a ARC Mercosul. 

Além do clima e da nova safra americana, o mercado também monitora a demanda e as relações entre China e Estados Unidos, bem como o comportamento de comercialização dos produtores nortre-americanos neste momento. 

Veja como fechou o mercado nesta segunda-feira:

>> EUA deveriam embarcar 900 mil toneladas de soja por semana para cumprir projeção de 45 mi/t do USDA  

Tags:
Por:
Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário