Soja fecha estável nesta 5ª antes do USDA e mercado permanece firme no Brasil

Publicado em 10/09/2020 17:57 493 exibições

LOGO nalogo

À espera dos novos números do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) e depois de 12 pregões seguidos de altas, os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago terminaram o dia com estabilidade nesta quinta-feira (10). Os contratos mais negociados encerraram a sessão com perdas de 1,25 a 1,75 ponto, levando o novembro a US$ 9,77 e o março/21 a US$ 9,80 por bushel. 

Os traders permaneceram cautelosos e na defensiva durante todo o o dia, se posicionando à espera do boletim mensal de oferta e demanda dos USDA que chega nesta sexta-feira, dia 11 de setembro, porém, ainda encontrando suporte na demanda presente da China nos EUA. 

"Como era de se esperar, frente ao novo relatório de Oferta e Demanda Mundial que será publicado amanhã pelo USDA, o mercado agrícola em Chicago operou sob baixo volume de interesse", explicou a ARC Mercosul em seu boletim diário. 

Depois de um agosto de adversidades climáticas no Corn Belt, o mercado espera que o USDA traga correções na safras de soja e milho do país, com reduções da produtividade e, consequentemente, dos estoques finais norte-americanos de ambos os produtos. 

A produção norte-americana de soja é esperada entre 114,09 e 119,5 milhões de toneladas, com média de 116,65 milhões de toneladas, e contra o número de agosto de 120,43 milhões. A produtividade da oleaginosa é esperada para vir entre 56,6 e 59,29 sacas por hectare, com média de 57,83. No mês passado foram reportadas 59,73 scs/ha. 

Leia Mais:

+ Após 4º verão mais quente dos EUA, USDA deve reduzir safras de soja e milho no boletim de setembro

No entanto, o mercado internacional da soja ainda vem se apoiando na demanda para manter preços, ao menos, sustentados na CBOT. Os Estados Unidos venderam mais 195 mil toneladas de soja da safra 2020/21 para a China nesta quinta-feira (10). 

"Os futuros da soja renovam suas máximas em dois anos, puxados pela expectativa de continuidade da demanda chinesa e pelo clima seco nas principais regiões produtoras nos EUA", explica a Agrinvest Commodities. "Este é o 5º dia seguido de reporte de vendas. No acumulado desde julho, as vendas reportadas de soja para a China são de 8,66 milhões de toneladas e as de milho, 9,1 milhões", completa a consultoria. 

MERCADO BRASILEIRO

No mercado brasileiro, os preços nos portos variam entre R$ 136,00 e R$ 138,00 por saca, enquanto no interior variam entre R$ 141,00 e R$ 142,00, principalmente nas indústrias do Sul do país, mas com poucos negócios sendo registrados neste momento e estabilidade sendo registrada no cenário nacional. 

"Agora, os olhos estão voltados para o céu, esperando a chuva. Paraná começando a se movimentar, os produtores do Centro-Oeste também esperando pela chuva. O que se sabe é que deve ser uma corrida de plantio assim que começar a chover e vamos para recorde histórico de área. Já estamos com mais de 45% da safra futura negociada e o mercado, praticamente, de olho só no clima", explicou o consultor Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting.  

Os indicativos para a safra nova variam entre R$ 118,00 e até R$ 121,50 por saca, nas posições de junho e julho de 2021, mas também sem negócios novos, ainda segundo o consultor. 

+ Paraná dá início oficial à safra 2020/21 do Brasil, mas plantio ainda não começa por falta de chuvas

+ Cuidado com a semeadura da soja deve ser redobrado porque pode faltar semente para replantio, alerta Aprosoja PR

Tags:
Por:
Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário