Soja: Chicago reflete acumulo de fatores e fecha com mais de 1% de queda nesta 5ª

Publicado em 24/09/2020 17:23 560 exibições

LOGO nalogo

Perdas de mais de 1% foram registradas pelos futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago. Assim, no pregão desta quinta-feira (24), as posições mais negociadas perderam de 14,50 a 15,50 pontos, com os vencimntos mais distantes - maio e julho/21 - fechando abaixo dos US$ 10,00 por bushel. O novembro/20 fechou com US$ 10,00 e o janeiro/21, US$ 10,03. 

O mercado internacional da soja refletiu uma série de fatores combinados e acumula três sessões consecutivas de perdas, marcando suas mínimas em uma semana. E uma dessas pontas está no melhor ritmo dos negócios com a soja 2020/21 no Brasil nesta semana em função da alta forte do dólar. 

O volume de vendas foi bem mais intenso do que nas últimas semanas diante de preços nos portos batendo na casa dos R$ 130,00 por saca, como explicou o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting. 

+ BR comercializa mais de 2 milhões de t de soja 2020/21 na semana com preços recordes nos portos

E os preços recuaram expressivamente mesmo diante de bons números trazidos pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) nesta quinta-feira. As vendas semanais norte-americanas foram de mais de 3 milhões de toneladas, superando as expectativas do mercado e levando o acumulado do total comprometiudo a a mais de 35 milhões de toneladas. 

Leia Mais:

+ USDA: Vendas semanais de soja dos EUA passam de 3 mi e milho, 2 mi de t

A demanda é forte, porém, a combinação de um mercado mais avesso ao risco e a colheita se desenvolvendo nos Estados Unidos pesa sobre as cotações. Steve Cachia, consultor de mercado da Cerealpar e da TradeHelp, explica que o momento atual do mercado financeiro e mais o período de final de mês fazem com que os investidores garantam parte dos lucros recentes.

O plantio no Brasil também é monitorado pelo mercado internacional. Os trabalhos de campo continuam acontecendo ainda em um ritmo lento devido a falta de chuvas e no Paraná, segundo maior estado produtor do Brasil, a área semeada não chega nem a 1%, segundo informações do Deral. 

"As chuvas são localizadas e com isso o plantio ainda vai a passos lentos. Mas temos o produtor com potencial de plantar rapidamente a safra deste ano (assim que o clima permitir) com a tecnologia que ele tem nas mãos. O produtor pode plantar tudo em três semanas, e isso dá tranquilidade ao mercado internacional. Assim, a janela do momento para os indciativos de Chicago é de US$ 10,00 a US$ 10,20", explica Vlamir Brandalizze, consultor de mercado da Brandalizze Consulting. 

MERCADO BRASILEIRO

O dólar alta puxa os preços da soja também no mercado brasileiro, com o mercado doméstico testando valores de R$ 150,00 a até R$ 152,00 por saca para o produto disponível, principalmente no interior do Rio Grande do Sul. Nos portos, valores entre R$ 147,00 e R$ 148,00, mas com pouco interesse para novos negócios. 

Ainda segundo Brandalizze, já para a nova safra - onde as referências trabalham na casa dos R$ 130,00 - a semana foi de um ritmo melhor de operações. Algumas novas operações foram registradas também para a temporada 2021/22, porém, de forma bem pontual e sem volumes muito expressivos. 

Tags:
Por:
Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário