USDA informa venda de mais 132 mil t de soja nesta 3ª; CBOT sobe

Publicado em 20/10/2020 12:19 1315 exibições

LOGO nalogo

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) informou uma nova venda de soja de 132 mil toneladas para destinos não revelados. Todas as vendas feitas no mesmo dia, para o mesmo destino e com volume igual ou superior a 100 mil toneladas devem sempre ser informadas ao departamento. 

A demanda pelo produto norte-americano permanece forte, com não só as vendas registrando números elevados, como também os embarques norte-americanos já mostrando um aumento de 77% em relação ao mesmo período do ano anterior. Do projetado para ser exportado, mais de 70% já foram vendidos. 

Números como estes e as perspectivas de que a demanda no mercado norte-americano continue subindo ainda são o principal combustível para o avanço dos preços da oleaginosa na Bolsa de Chicago, que continua. Somente em outubro, as altas acumuladas passam de 3%, principalmente nos vencimentos mais curtos. 

De 1º a 19 de outubro, o contrato novembro/20 subiu 3,03%, passando de US$ 10,23 a US$ 10,54 por bushel. Já no maio/21, o ganho foi de 1,87%, com a posição saltando de US$ 10,18 para US$ 10,37 por bushel. Os contratos mais curtos sobem mais, justamente, refletindo esta força do consumo, em um momento onde a oferta é mais curta. E mesmo com a colheita norte-americana caminhando bem, registrando índices acima da média. 

O gráfico abaixo, do USDA, mostra a evolução das cotações da soja na CBOT de julho a outubro e marcam a volta do mercado ao patamar dos US$ 10,00 por bushel no meio de setembro. 

USDA Soja - Gráfico 1

"A dinâmica por trás da alta de preços de meados de agosto a meados de setembro é complexa, mas reflete, basicamente, uma recuperação nas compras de soja da China nos EUA e a baixa disponibilidade de suprimentos exportáveis na América do Sul", explicam os analistas do USDA em seu reporte mensal sobre o mercado de oleaginosas.

Dessa forma, é possível observar, com a imagem na sequência, que as vendas norte-americanas para a nação asiática até meados de setembro, alcançando cerca de 17 milhões de toneladas, número próximo do recorde de 2013. Para todos os destinos, no mesmo período, chegaram a 32 milhões de toneladas. 

USDA Soja - Gráfico 2

A oferta mais curta, todavia, não é menor só em função das compras maiores da China. "Problemas climáticos nos Estados Unidos e reduções na previsão da safra de soja reduziram ainda mais a previsão de estoques finais quando combinada com os estoques de passagem 2019/20. Isso aumenta a possibilidade de aperto da oferta global em 2021, especialmente, se o atual padrão climático La Niña levar a condições mais secas na América do Sul", complementam os analistas do departamento americano.

Tags:
Por:
Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário