Soja perde até 20% nos últimos 30 dias com pressão do dólar e compradores fora do mercado

Publicado em 04/12/2020 13:43 3564 exibições

LOGO nalogo

O Brasil vai fechando mais uma semana com poucos novos negócios sendo efetivados no mercado da soja. Os preços se acomodaram nos últimos dias, acumulam perdas de até 20% no últimos 30 dias em algumas praças, e afastam aina mais os já distantes vendedores do mercado. Parte desta pressão vem do câmbio, mas também com os compradores se retirando do mercado com a chegada do final do ano. 

"A maioria das indústrias já está parada e os produtores já venderam bastante. Temos apenas negócios escassos e agora não há novos fechamentos", explica Vlamir Brandalizze, consultor de mercado da Brandalizze Consulting. 

DÓLAR

No intervalo de 3 de novembro a 3 de dezembro, o dólar comercial perdeu mais de 10%, passando de R$ 5,75 para R$ 5,13. As baixas recentes se deram, principalmente, com melhores notícias sobre a economia do Brasil. No terceiro trimestre do ano, dados dos PIB (Produto Interno Bruto) trouxeram um crescimento recorde de 7,7%, de acordo com o IBGE.

Leia Mais:

+ Dólar corrige para cima, mas caminha para fechar pior semana em 1 mês

+ PIB do 3º tri veio um pouco abaixo do esperado, mas ainda mostra retomada em V, diz Guedes

+ Guedes sinaliza que meta fiscal para 2021 poderá ser fixa

Nos primeiros quatro dias de dezembro, de acordo com a agência de notícias Reuters, o real já apresenta uma valorização de 3,6%, enquanto o dólar se mantém próximo de sua mínima em quatro meses. Assim, este passa a ser, em meses, o melhor desempenho da moeda brasileira desde 3 de novembro. 

"Vemos uma janela de oportunidade para aumento de otimismo em relação aos ativos brasileiros nos próximos meses", disseram analistas do Barclays em nota, ainda segundo a Reuters. 

A volatilidade para o dólar, todavia, deve se estender para o próximo ano, focado não só nas questões internas, mas também no andamento da retomada da economia global no pós pandemia. 

Gráfico dólar 3/11/2020 - 3/12/2020

Dessa forma, algumas praças como Sorriso, em Mato Grosso, acumulam uma perda de 20%, com sua referência para a soja disponível passando de R$ 175,00, em 3 de novembro, para R$ 140,00 por saca. Já em Tangará da Serra, a perda foi mais tímida - de 1,75% - com o valor caindo de R$ 160,00 para R$ 158,00. 

No Mato Grosso do Sul, em São Gabriel do Oeste, a perda foi de 11,76%, com o preço passando de R$ 170,00 para R$ 150,00 por saca; em Jataí, Goiás, perda de 7,05% no mesmo intervalo de R$ 156,00 para R$ 145,00; e em Castro, no Paraná, a saca da oleaginosa foi de R$ 160,00 para R$ 147,00, com uma baixa acumulada de 8,13%. 

Ainda como explica Brandalizze, as indústrias estão bem abastecidas, fecharam bem o ano - apesar das margens um pouco mais ajustadas dada a pouca oferta e os preços do grão bastante elevados, em patamares recordes - e devem começar 2021 "com o pé no acelerador". E assim, o setor deverá, portanto, dominar a demanda no começo do próximo ano. 

Depois do dia 10 de janeiro, as atividades serão reestabelecidas e a procura pela matéria-prima será intensa, puxada, principalmente pelo setor de rações. "O Brasil deverá seguir como grande exportador de proteínas, e teremos também a demanda do setor do óleo", diz o consultor. 

Para o ano que vem, além das projeções de exportações maiores de carnes pelo país, há a previsão ainda do B13, ou seja, a mistura de 13% de biodiesel - onde a principal matéria-prima é o óleo de soja - no óleo diesel. E por isso, Brandalizze não aposta em uma disputa entre exportações e demanda interna no começo de 2021, mas sim um destaque do consumo interno. 

"Além disso, o mercado interno ainda paga melhor do que a exportação e a China está bem comprada também para os próximos meses", complementa Brandalizze. 

SAFRA NOVA

Da safra nova, são mais de 165 milhões de toneladas já comercializadas pelos produtores brasileiros e, frente a um desenvolvimento ainda bastante incerto diante das adversidades climáticas, o sojicultor segue evitando novos negócios. "O atraso que se deu, principalmente no começo do plantio, assustou todo mundo e agora as vendas novas são escassas", diz o consultor. 

Também sentindo alguma pressão do dólar - mesmo sendo sustentada pelos altos níveis em Chicago e pelos prêmios positivos - os atuais patamares de preços nos portos para a soja da safra nova nos portos do país variando entre R$ 137,00 e R$ 141,00 por saca também não atraem os vendedores. 

"Esse é um mercado típico de final de ano, de dezembro, é calmaria", conclui Vlamir Brandalizze.

PREÇOS EM 2021

A frente, as perspectivas para os preços são positivas e firmadas na ajustada relação de oferta e demanda que já é conhecida pelo mercado, ainda como explicam os especialistas. 

"O produtor vai continuar vendendo esporadicamente, da mão para a boca, e vai seguir essa conduta", acredita Ginaldo de Sousa, diretor geral do Grupo Labhoro. "Ele está tranquilo, com dinheiro em caixa, guardar essa soja e vender no ano que vem. Ele não vai mais vender soja essa ano".

Tags:
Por:
Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

2 comentários

  • Angelo Miquelão Filho Apucarana - PR

    Afinal, qual é o limite para os preços do soja? Até onde, ou melhor, até quando a manobra baixista resistirá???.., sim, porque soja virou mosca-branca de olhos azuis..., está em falta porque exportou-se além do que tínhamos..., tanto é verdade que estamos importando de volta.... Outra pergunta relevante: quantos ganharam, ou melhor, quantos de nós temos ou vendemos soja a estes preços? Garanto que poucos, muito poucos, a maioria não passou muito além dos 110 ou 115 reais, as médias ficaram entre 95 e105, não sonhamos com estes preços, se tivéssemos sonhado ou acreditado que chegariam a tanto, certamente teríamos renegociado as nossas contas e protelado as vendas. Porém reclamar agora é inútil, já vendemos e pronto, agora é tentar acertar o máximo na vindoura safra, safra esta que até agora é uma incógnita, atrasos e clima pouco amistoso joga no ar muitas dúvidas quanto aos números, está mais para uma loteria, é difícil dizer ou afirmar quais serão os resultados, quais números colheremos. Culpa do "aquecimento global"? Não, com certeza a culpa é das mudanças naturais pelas quais o planeta passa desde quando existe, o aquecimento tão alardeado e combatido não passa de uma tentativa de se jogar um balde de água fria na gigante e ainda crescente agricultura brasileira. Outra grande ameaça (só que não) veio da França, O Macron ameaçou cortar as importações da soja brasileira... kkkkkkkkkk, como se a ninharia que importam do Brasil fosse fazer alguma diferença, 84.000 toneladas, ou seja, pouco mais de zero virgula dez por cento de toda as nossas exportações foram para o senhor Emanuel Macron, o mocinho politicamente correto é um comediante. Por fim, ainda que os preços se acomodem um pouco abaixo dos praticados no momento, ainda assim estão bons, muito bons e, claro, depende dos custos de cada um, principalmente da produtividade e das tecnologias empregadas na busca por altas produções. O clima continuará mudando, quer queiramos ou não, cabe a nós tentar protelar e até minimizar os efeitos dele sobre, mas evita-lo ou combate-lo é praticamente impossível por se tratar de um curso natural, o mesmo que deu fim aos dinossauros, mais cedo ou mais tarde ceifará a vida humana na terra, então vamos aproveitar o tempo enquanto ainda temos condições, até porque ninguém veio ao mundo para semente. Bom fim de semana a todos.

    1
  • Carlos William Nascimento Campo Mourão - PR

    Faltou dizer que, assim como os frigoríficos, fecharam por falta de matéria prima.

    0